Redes Sociais

Ave

Ciclista atropelado com fuga em Cabeceiras de Basto já não corre perigo de vida

a

Um ciclista que sábado de tarde foi atropelado gravemente, com fuga da parte de quem chocou com a vítima, em Cabeceiras de Basto, assistido pelo Serviço de Emergência do Hospital de Braga, não corre perigo de vida e apesar de ter prognóstico muito reservado.

A situação mais preocupante será alguns coágulos sanguíneos na zona cerebral, valendo o capacete que se manteve sempre na cabeça da vitima durante o embate, havendo ainda costelas fraturadas e politraumatismos nos membros inferiores e superiores do ciclista, o que no entanto não impediu uma evolução positiva durante a noite no Hospital de Braga para onde foi transportado por Bombeiros Voluntários Cabeceirenses e VMER do INEM.

Foto: O MINHO

Pedro Pereira, de 37 anos, casado, foi encontrado por uma testemunha, já inconsciente, na berma da Estrada Nacional 311, na localidade de Cernadela, da União de Freguesias de Refojos de Basto, Outeiro e Painzela, em Cabeceiras de Basto, tendo a transeunte, ao aproximar-se da vítima, para a socorrer, presenciado um automóvel, que estava em fuga.

O ciclista, Pedro Pereira, que reside a cerca de 500 metros do local do acidente, estava a iniciar uma deslocação a Arco de Baúlhe, onde era esperado pelo sogro, para fazerem de seguida um passeio de bicicleta, quando alegadamente foi colhido por um automóvel na berma, onde caiu desemparado, sem o apoio do atropelante, segundo apurou O MINHO.

A bicicleta, que tinha sido comprada há uma semana, estava completamente amolgada e “feita num oito”, devido à violenta pancada que sofreu, no choque com o outro veículo.

Foto: O MINHO

A vítima foi socorrida pelos Bombeiros Voluntários Cabeceirenses e por uma médica e uma enfermeira da Viatura Médica de Emergência e de Reanimação (VMER) do INEM baseada no Hospital de Guimarães e de acordo com informações clínicas, a forma como a vítima foi logo estabilizada no local e transportada para Braga terá sido determinante a fim de preservar a vítima, tendo a médica do INEM feito tal viagem sempre ao seu lado.

A ocorrência foi já registada pelo Posto Territorial da GNR de Cabeceiras de Basto, que está a investigar as circunstâncias do choque rodoviário, seguido de fuga, que constitui um crime de especial omissão de auxílio, estando a tentar-se identificar o automobilista.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Guimarães

Farfetch: Empresa do vimaranense José Neves entrou hoje na bolsa em Nova Iorque

A Farfetch é a primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE), principal índice da Bolsa de Nova Iorque.

Publicado

a

José Neves, à esquerda, em Nova Iorque, no dia em que a Farfetch entrou na bolsa. Foto: Facebook

A empresa Farfetch, retalhista digital de marcas de luxo fundada por o vimaranense José Neves e com ligações à cidade, desde a sua fundação, entrou esta sexta-feira, 21 de setembro, na bolsa de valores de Nova Iorque, com mais de 44 milhões de ações a 27 dólares cada (23 euros).

Em julho, a empresa que emprega mais de 3.000 trabalhadores nas áreas da fotografia, desenvolvimento de ‘software’, ‘design’ e outras, inaugurou o 13.º escritório mundial, na cidade de Braga e espera um novo edifício para servir de sede em Guimarães.

Vídeo: CNBC

Hoje, em Nova Iorque, menos de dez minutos depois do início das negociações, o valor de cada ação já estava a rondar os 28,5 dólares (24,3 euros ao câmbio atual).

A primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE) é agora reconhecida na bolsa sob a abreviatura “FTCH”, cerca de um mês depois de apresentar os documentos e oficializar o pedido de cotação, em 20 de agosto.

A entrada da Farfetch na NYSE aconteceu às 11:30 de Nova Iorque (16:30 em Lisboa), com as presenças do empresário português fundador, José Neves, do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e de representantes das instituições bancárias que prepararam o processo de candidatura.

A cerimónia do toque do sino aconteceu às 09:30 locais e foi acompanhada por muitos convidados, empresários e investidores.

Na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), a Farfetch iniciou a dispersão de capital de 44.243.749 milhões de ações a 27 dólares cada, o que excedeu o preço inicial previsto, que começou com o intervalo de 15 a 17 dólares.

A Farfetch “está a criar riqueza para o país e está hoje, aqui, a dar uma notoriedade às nossas empresas tecnológicas”, afirmou o ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, acrescentado que este facto pode “atrair ainda mais investidores para Portugal”, fazendo alusão à forma como o Governo tem ajudado os empreendedores através do programa Startup Portugal.

José Neves, fundador da Farfetch, tem residência em Guimarães e em Londres. Foto: DR/Arquivo

A Farfetch “é uma empresa que trabalha em Portugal para o mercado global (…), que está a ajudar outras ‘startup’ portuguesas (…), que está a alavancar marcas portuguesas, mas é óbvio que tem grandes marcas de todo o mundo”, disse.

O ministro lembrou que, quando o atual Governo entrou em funções, “havia quem discutisse se esta empresa já valia mil milhões de euros”.

“Agora essa discussão está totalmente ultrapassada”, acrescentou o governante.

Empresas como a Farfetch já se estão a desenvolver em Portugal, criando um “valor em termos de criação de tecnologia e de emprego muito grande”, disse Manuel Caldeira Cabral.

O ministro da Economia considerou que José Neves, fundador da Farfetch, está a ajudar na “preparação de outras ‘startup’ portuguesas, para, quem sabe, daqui a quatro ou cinco anos, estarem elas” em Nova Iorque, a estrearem-se em bolsa.

Portugal pode ser um mercado “demasiado pequeno” para “projetos feitos em Portugal, altamente tecnológicos”, que colocam o país ao lado dos melhores, declarou.

A Farfetch é uma plataforma digital de comércio de luxo, que junta mais de 3.200 marcas a mais de 935.000 utilizadores, apresentando soluções de apresentação ‘online’ e envio dos produtos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães quer voltar a receber Taça do Mundo de ginástica artística em 2019

Guimarães já entregou a candidatura à Federação Internacional de Ginástica (FIG).

Publicado

a

Taça do Mundo de Ginástica Artística em Guimarães. (2018) Foto: Facebook de Multiusos de Guimarães

Guimarães entregou uma candidatura à Federação Internacional de Ginástica (FIG) para organizar, pela segunda vez, a Taça do Mundo de ginástica artística, em 2019, anunciou hoje a Tempo Livre, régie-cooperativa municipal ligada ao desporto.

A cidade minhota acolheu a prova pela primeira vez em 2018, de 14 a 17 de junho, tendo reunido no seu pavilhão multiusos cerca de 100 ginastas, oriundos de 21 países, e apresentou uma candidatura a organizar novamente o evento no próximo ano, através da Federação de Ginástica de Portugal, em parceria com a Câmara Municipal de Guimarães e com a Tempo Livre.

A cooperativa responsável pela gestão dos equipamentos desportivos municipais, em Guimarães, justificou a candidatura com a capacidade da cidade “para acolher grandes eventos”, a “qualidade e versatilidade do multiusos” e o “considerável retorno gerado pelos eventos de ginástica” anteriormente realizados.

Cartaz de 2018. Foto: Divulgação

Em maio e junho de 2018, a cidade acolheu não só a Taça do Mundo de ginástica artística, mas também o campeonato do mundo de ginástica aeróbica e as finais dos campeonatos nacionais em múltiplas variantes da ginástica, tendo reunido cerca de 1.500 atletas de 47 países.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Cabeceiras de Basto

Armazém de alfaias agrícolas ardeu em Cavez

Causas são ainda desconhecidas.

Publicado

a

Bombeiros Cabeceirenses no combate às chamas, esta tarde, em Cavez. Foto: O MINHO

Um armazém de alfaias agrícolas ardeu parcialmente esta tarde de sexta-feira na freguesia de Cavez, em Cabeceiras de Basto, mas a rápida chegada e a intervenção dos Bombeiros Cabeceirenses circunscreveu logo as chamas, evitou o seu eventual alargamento.

O sinistro foi combatido pelos Bombeiros Voluntários Cabeceirenses com 16 operacionais e quatro veículos, tendo a ocorrência sido registada pelo Posto Territorial da GNR de Cabeceiras de Basto.

As causas são ainda desconhecidas, segundo apurou O MINHO junto daquele dispositivo militar do Destacamento Territorial da GNR de Fafe.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares