Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Carla Bruni madrinha de navio 100% made in Viana

O Mystic River (70 milhões de euros) é o primeiro navio oceânico “integralmente concebido e fabricado” em Portugal

em

Carla Bruni com o marido, Nicolas Sarkozy, ex-presidente de França. Foto: DR

O primeiro navio oceânico “integralmente concebido e fabricado” em Portugal vai ser batizado a 06 de abril, nos estaleiros da WestSea, em Viana do Castelo, representando um investimento de 70 milhões de euros da Mystic Invest.

Em comunicado, o grupo Mystic Invest, de Mário Ferreira, adiantou esta quarta-feira que a cerimónia de batismo vai decorrer nos estaleiros navais da subconcessionária dos extintos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), a partir das 18:00.

O navio MS World Explorer “é o primeiro de uma serie três navios já encomendados, construído nos Estaleiros de Viana do Castelo, preparado para navegar em águas polares com até um metro de espessura de gelo, e irá realizar cruzeiros e expedições de luxo nos quatro cantos do mundo e em destinos tão remotos como a Antártida e o Ártico”.

Na nota, o grupo de Mário Ferreira adianta que o primeiro navio começa a operar no dia 02 de maio com um cruzeiro entre a cidade do Porto e Palma de Maiorca, em Espanha.

“Os cruzeiros na Antártida do MS World Explorer encontram-se, neste momento, totalmente vendidos até 2023 e a época 2019 encontra-se também praticamente esgotada, nomeadamente os programas no Ártico, Islândia, Fiordes da Noruega e Mar Báltico”, adianta a empresa.

Em novembro de 2018, a empresa encomendou mais dois novos navios da mesma série, o MS World Voyager e o MS World Navigator, que deverão começar a operar em 2020 e 2021, respetivamente.

A construção daqueles dois navios representa um investimento de 165 milhões de euros, financiado pelo ICBC Leasing, Banco Industrial e Comercial da China.

Na ocasião, Mário Ferreira explicou que o financiamento do banco chinês “vai permitir acelerar o processo de construção e expansão da sua frota de navios de cruzeiros oceânicos”.

“A Mystic Cruises e o ICBC Leasing acertaram um modelo de financiamento em regime de ‘sale and charter-back’, com obrigação de recompra”, adiantou.

“O estrondoso sucesso da comercialização destes programas levou-nos a procurar fora de Portugal soluções de financiamento que nos permitissem acelerar o nosso plano de expansão da frota. Estes três navios são os primeiros de uma frota projetada de 10 navios de cruzeiro oceânicos”, disse o empresário português.

Segundo a empresa portuguesa, que abriu este mês escritórios nos Estados Unidos da América, para “continuar a sua expansão internacional, de forma a dar resposta à crescente procura dos seus produtos”, o navio a batizar no dia 06 de abril tem capacidade para 200 passageiros e 110 tripulantes.

“O World Explorer foi pensado para visitar portos mais pequenos e mais próximos dos centros históricos das cidades, ao contrário do que sucede com os mega paquetes, oferecendo novas experiências e portos em locais como Mediterrâneo, o Báltico, Gronelândia, Rio Amazonas e nos Fiordes Noruegueses”.

Trata-se de um “navio amigo do ambiente”, por ter sido “desenvolvido para apresentar uma menor pegada ecológica num trabalho desenvolvido em parceria entre a Mystic Cruises e a Rolls-Royce”.

“Para diminuir o impacto ambiental trabalhámos em conjunto com a Rolls-Royce para integrar um ultrassofisticado sistema híbrido de propulsão que reduz drasticamente os consumos, e também um sistema dinâmico de posicionamento que nos permite não recorrer a âncoras, protegendo o solo marítimo”, indicou Mário Ferreira, citado na nota.

Carla Bruni, ex-modelo e mulher do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, foi a figura escolhida por Mário Ferreira para ser a madrinha do navio.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Cerca de 100 alunos fazem “renascer” floresta de Viana destruída por incêndio em 2016

Plantação de 3.500 carvalhos e pinheiros bravos: “Sinto-me importante por estar aqui”

em

Cerca de uma centena de alunos do ensino público e profissional “ajudaram a fazer renascer” três hectares de floresta em Vilar de Murteda, Viana do Castelo, destruídos pelo fogo que, em 2016, atingiu quatro concelhos do Alto Minho.

“Sinto-me importante por estar aqui a plantar estas árvores. Quero incentivar as pessoas a não incendiarem a floresta porque é mau para o ambiente”, afirmou à Lusa Anabela Pereira, durante a plantação de 3.500 carvalhos e pinheiros bravos nos terrenos baldios de Vilar de Murteda, a cerca de 20 quilómetros do centro de Viana do Castelo.

Aos 41 anos Anabela frequenta um curso de formação profissional para pessoas com necessidades educativas especiais. Os formandos do centro onde está a aprender a ser operadora agrícola foi convidado a juntar-se aos alunos da escola de hotelaria e turismo e da básica Pintor José de Brito, onde estuda André Correia, de 13 anos.

“É muito bom fazer renascer as árvores que o fogo destruiu e dar um ar novo a esta área. Todos temos uma palavra a dizer na defesa floresta”, afirmou o jovem enquanto plantava um pinheiro bravo.

André Correia não quer “falhar” o “alinhamento” traçado previamente pela equipa de sapadores florestais e que, no futuro, “quando as árvores forem crescendo, será importante para a manutenção e limpeza do terreno”.

“É preciso colocar a árvore na cova que já foi aberta, para não sair do alinhamento”, reforçou.

Este ensinamento foi retirado por André Correia da aula improvisada que antecedeu o início da plantação. Todos juntos, em círculo, os alunos ouviram a engenheira florestal do município, Fabíola Oliveira, a sublinhar a importância de cumprir esse alinhamento na plantação produtiva de hoje que, no futuro será importante para prevenir incêndios e evitar o cenário “horrível” que o fogo deixou em 2016.

“O fogo começou em Paredes de Coura, saltou a autoestrada A3, entrou em Ponte de Lima, chegou a Viana do Castelo e atingiu Caminha. Consumiu mais de dez mil hectares de floresta, cerca de cinco mil em Viana do Castelo”, alertou.

Números que o vereador do Ambiente na Câmara de Viana do castelo, Ricardo Carvalhido, reforçou explicando aos alunos a importância do seu “contributo” na plantação que hoje assinalou do Dia Mundial da Árvore e da Floresta na capital do Alto Minho.

“Vocês são o fermento da literacia para a floresta que queremos implementar no nosso concelho. A vossa presença aqui, hoje, é muito importante, porque vocês vão ser os mensageiros da necessidade de manter este nosso património e vão também ter essa preocupação ao longo das vossas vidas”, afirmou.

O presidente do conselho diretivo de baldios, António Araújo, “há muito” que estava pela plantação daquela zona que, desde 2016, tinha “um aspeto abandonado”.

“Em 2016 ficou tudo destruído. Era só carvão”, recordou. Com 350 hectares de floresta, o conselho de baldios da aldeia de Vilar de Murteda é composto “maioritariamente por eucalipto”.

“Sabemos que os técnicos não gostam desta espécie, mas as nossas plantações estão limpinhas e alinhadas”, garantiu António Araújo, adiantando que o conselho de baldios apoia os sapadores florestais na prevenção dos fogos e no combate com a carrinha dotada de um ‘kit’ próprio e com um trator com cisterna.

A plantação de Vilar de Murteda integra-se no Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa, iniciativa municipal que pretende recuperar 100 hectares de Área de Recuperação Ecológica (ARE) com a plantação, até ao fim do ano, de 115 mil árvores de espécies nativas.

Ao todo serão realizadas duas dezenas de ações de recuperação de ARE. Daquelas, cinco serão plantações de pinheiros, carvalhos, salgueiros, azinheiras, gilbardeiras, medronheiros, pilriteiros, entre outras espécies autóctones e que integram o “fundo genético do concelho”.

As ARE integram zonas ardidas e áreas classificadas, estas últimas compostas por 13 monumentos naturais locais, assim classificados devido ao valor científico que têm para a geodiversidade, sendo alguns também relevantes do ponto de vista da biodiversidade (sítios de importância comunitária da Rede Natura 2000).

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana: Biblioteca promove “Poesia à solta”

No Dia Mundial da Poesia

em

Foto: Divulgação/CM Viana do Castelo

A biblioteca de Viana do Castelo vai promover, na quinta-feira, para assinalar o Dia Mundial da Poesia, a iniciativa “Poesia à solta na Biblioteca”, para refletir sobre o poder da linguagem poética.

A ação, promovida pela Câmara local, em parceria com a escola secundária de Santa Maria Maior, está integrada também nas comemorações do centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner (1919-2019), a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999.

Para assinalar a data, no Dia Mundial da Poesia, os leitores da biblioteca de Viana do Castelo terão acesso a momentos de declamação de poesia de Sophia de Mello Breyner.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana: Plantadas 3.500 árvores no Dia Mundial da Floresta

Em Vilar de Murteda

em

Foto: DR/Arquivo

Viana do Castelo vai assinalar o Dia Mundial da Árvore e da Floresta, na quinta-feira, com a plantação de 3.500 carvalhos e pinheiros numa área de três hectares em Vilar de Murteda, informou hoje a Câmara local.

Segundo a autarquia, a plantação vai envolver 98 estudantes da escola de Hotelaria e Turismo, escola Básica Pintor José de Brito e centro de formação Despertar.

A ação, promovida pela Câmara de Viana do Castelo, vai contar com a colaboração do Núcleo Escola Segura da Guarda Nacional Republicana (GNR), Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), equipas de Sapadores, associações de baldios, União das Freguesias de Nogueira, Meixedo e Vilar de Murteda, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

Ainda no âmbito destas comemorações, na sexta-feira, os cafés da cidade vão distribuir papiros com poesia, com os 90 poemas que participaram no passatempo “Um poema pela Árvore”.

Continuar a ler
Anúncio

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

EM FOCO

Populares