Seguir o O MINHO

Braga

Brasileiros em Braga consternados com incêndios na Amazónia

Brasil chora pela Amazónia

em

Foto: Twitter

A região metropolitana de Manaus e no Sul do estado do Amazonas, no Brasil, está em situação de emergência face aos grandes fogos que têm dizimado hectares daquele que é conhecido como o “pulmão do mundo”.

Estes incêndios, que têm merecido atenção mediática em todo o mundo fruto de algumas polémicas que envolvem aquela mancha florestal e o Presidente da República brasileiro, estão a consternar a nação brasileira e os residentes em Braga não são exceção.

O MINHO falou com Alexandra Gomide, presidente da Associação UAI – União, Apoio e Integração, com sede em Braga, que manifesta consternação pelos incêndios, não acreditando que os mesmos se devam ao clima, mas sim a fogo posto por interesses estratégicos.

“O sentimento dos brasileiros em geral é de consternação mas todos concordam que a questão é extremamente complexa”, avança Alexandra, apontando os “muitos interesses na Amazónia que vão além de uma mera questão ambiental”.

“Há riquezas que interessam a laboratórios farmacêuticos, indústria mineira, madeireiras, indústrias energéticas, latifundiários, etc, e o que dificulta uma resolução definitiva para o problema é que muitos países que condenam as queimadas se omitem quando os interesses de suas indústrias que degradam a floresta são questionados”, aponta a responsável da UAI.

Gomide crê que estes fogos, embora “comuns na época seca em alguns estados brasileiros”, não deixam de impressionar pois são imagens “fortes”. “A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, mas penso que a culpa não é do clima”, aponta.

 

 

“Investigadores já explicaram em várias fontes no Brasil, que o tempo em 2019 está mais seco do que no ano passado, o que propicia incêndios, mas garantem que grande parte deles não tem origem natural. Enfim… em geral o clima só cria as condições, alguém coloca o fogo”, diz.

Alexandra Gomide fala ainda do “impacto negativo do desmatamento ilegal e das queimadas não autorizadas”. “Já é consenso de que muitos focos de incêndio são criminosos, como por exemplo agricultores interessados em ganhar espaço para gado e agricultura. Enfim… muito próxima da realidade aqui em Portugal ou em outros lugares do mundo”, explica.

Sobre a comunidade internacional, e as críticas que se têm levantado para com o governo brasileiro, a representante do UAI refere como importante que a ajuda internacional seja baseada em apoio tecnológico e intelectual e principalmente respeito à soberania do povo da Amazónia.

 

 

“O problema não será resolvido através de ameaça, acusação, confrontação ou intimidação, isto só radicalizará a reação, o que não é desejável e pode, inclusive, levantar suspeitas quanto ao real interesse dos que estão denunciando de maneira alarmante a situação, criando um efeito contrário ao que se deseja e que se espera”, diz.

“A questão amazónica somente será resolvida quando houver coerência entre o discurso e as ações, isenção e transparência de todos no real interesse de preservar a riqueza da floresta, seja por parte do governo brasileiro, dos governos estrangeiros, das organizações não governamentais, da imprensa nacional e internacional e dos moradores da Amazónia. Talvez uma utopia, mas certamente uma necessidade”, finaliza Alexandra Gomide.

Anúncio

Braga

Vila Verde serve 25 caldos diferentes confecionados em potes de ferro

Em Sabariz

em

Foto: Divulgação

A freguesia de Sabariz, em Vila Verde, vai servir, no sábado, 25 caldos diferentes, confecionados à moda antiga, em potes de ferro sobre fogueiras a lenha, recriando assim uma tradição secular, anunciou esta terça-feira a organização.

No total, deverão ser servidos mais de 1.500 litros de caldo, feitos em potes cuja capacidade varia entre os 20 e os 100 litros.

Couves, repolho, nabos, nabiças e os mais variados feijões, sem esquecer as carnes campestres, fazem parte do leque de ingredientes para a confeção dos diferentes caldos, que incluem ainda a farinha e também a batata esmagada à colher, tal como se fazia no tempo em que não havia varinhas mágicas.

Haverá ainda espaço para os caldos verde, da pedra e de feijão verde, à lavrador, à camponesa e, até, de bacalhau.

Trata-se da Festa do Caldo do Pote, uma iniciativa da Junta de Freguesia e da Associação Popular de Sabariz e integrada na Rota das Colheitas, promovida pelo município de Vila Verde

Cerca de duas dezenas de homens e mulheres vão dedicar-se a confecionar os diversos caldos, junto a diferentes fogueiras espalhadas por um terraço ao ar livre.

À entrada do recinto, os visitantes podem adquirir uma malga alusiva ao evento, pela qual podem aceder livremente a todos os caldos. Recebem ainda a broa de pão.

Além dos caldos, serão ainda confecionadas pataniscas de bacalhau.

A organização espera de duas mil pessoas.

O presidente da Junta de Freguesia de Sabariz , Fernando Simões da Silva, sublinha que o sabor do caldo feito no pote, com o lume a lenha, “é único”.

O autarca garante que é um sabor apreciado por gente dos diferentes estratos sociais, das mais diversas origens e de todas as idades, com especial referência para os jovens.

“Nesta festa, graças aos caldos que aqui comeram e viram a fazer, já registámos muitos casos de crianças e jovens que ficaram a gostar das sopas que tanto teimam em recusar em casa. E, também, casos de adultos que passaram a gostar de determinados legumes e caldos, como os nabos e as nabiças”, revela Fernando Silva.

Continuar a ler

Braga

15 alunos de Braga recebem bolsa de mérito no ensino superior

Obtiveram 16 ou mais valores no ano letivo transato

em

Foto: Divulgação / CM Braga

O Município de Braga atribuiu esta segunda-feira, 16 de setembro, a Bolsa Social de Mérito a estudantes do ensino superior. A medida contemplou 15 alunos residentes no concelho de Braga e que obtiveram 16 ou mais valores no ano letivo transato.

Na cerimónia, que teve lugar no Salão Nobre do Museu dos Biscainhos, a vereadora da Educação, Lídia Dias, explicou que esta medida representa o reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos alunos.

“Com a atribuição destas Bolsas de Mérito damos mais um passo na questão da coesão social e da equidade. Sabemos que os custos da frequência no ensino superior representam um custo elevado para as famílias, pelo que este é um pequeno contributo que o município dá aos alunos para que prossigam os seus estudos e sejam profissionais realizados”, salientou Lídia Dias.

Já Miguel Bandeira, vereador responsável pela ligação às Universidades, referiu que as bolsas representam um estímulo para que continuem a trabalhar. “As diferenças económicas e sociais não podem ser fatores impeditivos do acesso à educação e à formação, pelo que este prémio representa uma mais-valia para o desenvolvimento do capital humano”, sustentou Miguel Bandeira.

O Município de Braga continua a assumir a Educação como uma área estratégica, atribuindo 15 mil euros ao investimento nesta acção específica de apoio direto aos estudantes universitários.

As bolsas, com um valor unitário de 1.000 euros, são atribuídas a estudantes residentes na área do concelho há pelo menos dois anos, que tenham obtido aproveitamento no ano letivo transato e que não disponham, por si ou através do agregado familiar, de meios para custear os encargos académicos.

Continuar a ler

Braga

Novo ‘McLaren Senna’ é uma das atrações do Salão Auto de Braga

Quinta edição do certame

em

Foto: Divulgação

Durante o próximo fim-de-semana, o Altice Forum Braga volta a entrar na rota dos grandes eventos, com 25 marcas presentes distribuídas por 10.000 m2 no interior e exterior do Altice Forum Braga.

O evento – quinta edição do Salão Auto de Braga – conta com a exposição de viaturas novas, de competição e clássicas, veículos semi-novos e usados. A presença em exposição do novo McLaren Senna – o único exemplar em Portugal –, assim como uma pista de Karting para crianças, são algumas das atrações do certame que espera superar os cerca de seis mil visitantes registados na edição anterior.

“Este é mais um evento que demonstra toda a capacidade do Altice Forum Braga que, com a sua versatilidade, se mostra totalmente capaz de receber a mais variadas iniciativas, oferecendo as melhores condições para expositores e visitantes. O Salão Auto é um evento para toda a família, mantendo-se fiel à matriz original ao ser realizado em ligação aos parceiros do sector”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga e da InvestBraga, durante a apresentação do evento, convidando os bracarenses a visitarem o certame.

O Salão Auto terá também a maior representação do sector da mecânica auto e ainda a realização de diversas atividades, desde test drives de viaturas eléctricas a simuladores automóveis, passando por actividades paralelas como conferências e workshops onde serão abordados os temas mais prementes do sector. Haverá também cinco pistas de Slot, com competições nesta modalidade e a oferta de carros Slot.

O evento conta com a parceria da Associação Nacional do Ramo Automóvel, dos Clubes Automóvel Antigo e Clássico de Braga, Bicavalaria do Minho e Clube Mini de Braga, e do Clube Slot de Braga.

O Salão Auto poderá ser visitado na Sexta-feira das 18:00 às 24:00, no sábado das 14:00 às 24:00, e no domingo, último dia do evento, entre as 10:00 e as 20:00. O bilhete diário tem um custo de 3 euros e poderá ser adquirido online na ticketline.

Continuar a ler

Populares