Seguir o O MINHO

Braga

Braga: Ricardo Rio e Firmino Marques constituídos arguidos por causa de terrenos

Em causa está uma permuta dos terrenos do Parque Desportivo da Rodovia

em

Foto: DR / Arquivo

Ricardo Rio e Firmino Marques fazem parte de um grupo de treze arguidos envolvidos numa permuta de terrenos do Parque Desportivo da Rodovia, segundo adianta o jornal diário i, revelando que a Polícia Judiciária (PJ) de Braga concluiu a investigação criminal há cerca de dois meses, estando já iminente a acusação do DIAP.

De acordo com aquele jornal, a acusação só ainda não foi deduzida porque o arguido Firmino Marques, que era até recentemente vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, é candidato às eleições legislativas de 06 de outubro, não podendo por isso neste período ser alvo de procedimento criminal a não ser em caso de crime em flagrante delito.

O processo criminal terá sido inicialmente autuado como um eventual crime de corrupção, mas as investigações conduzidas por uma inspetora-chefe da Polícia Judiciária de Braga apontaram, ao invés, para alegados crimes de prevaricação e de participação económica em negócio, agravados para os arguidos por serem titulares de cargos políticos. Mas a última palavra da classificação jurídica caberá sempre ao Ministério Público.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma ao mesmo jornal a existência de um processo relacionado com a troca de terrenos entre a Câmara Municipal de Braga e uma empresa privada da cidade de Braga, a Onirodrigues, do Grupo Onires, que é liderada pelo empresário Manuel Rodrigues, vice-presidente do Sporting Clube de Braga e que foi sócio do universo empresarial Rodrigues & Névoa, já antes de ambos separarem os seus negócios.

Este é o primeiro processo criminal a incidir sobre os principais rostos da maioria do PSD na Câmara Municipal de Braga, decorridos cerca de seis anos correspondentes a mandato e meio do executivo liderado por Ricardo Rio, sucessor do socialista Mesquita Machado.

Anúncio

Braga

Roubam 400 mil euros em assaltos à mão armada em Braga e no Porto

Crime

em

Foto: DR / Arquivo

A Polícia Judiciária anunciou hoje a detenção de quatro homens, com idades entre os 31 e os 50 anos, pela prática de 10 crimes de roubo com recurso a armas de fogo, em concelhos do Porto e de Braga.

Em comunicado, a PJ esclarece que os suspeitos “apropriaram-se de cerca de 400 mil euros” e que os factos ocorreram entre março de 2019 e esta sexta-feira, quando foram detidos.

“Os detidos atuaram sempre com grande violência sobre as vítimas, com recurso a armas de fogo, que não hesitavam usar, tendo, em mais de uma ocasião, feito diversos disparos”, sublinha a PJ.

Seis desses crimes consistiram em assaltos a carrinhas e pessoas que procediam ao abastecimento de numerário em caixas multibanco.

“Num desses assaltos os arguidos não lograram apropriar-se de qualquer quantia, porém, nos outros cinco, conseguiram sempre os seus intentos”, refere.

Os restantes crimes consistiram em abordagens, no exterior dos bancos, a cidadãos que ali se deslocavam para depositar dinheiro.

O último assalto, na sexta-feira, “consumou-se na Senhora da Hora, concelho de Matosinhos, tendo os arguidos sido detidos poucos momentos depois, ainda na posse da quantia de 30 mil euros, que tinham acabado de roubar à vítima, e de uma arma de fogo”, esclarece.

Segundo a PJ, a três destes arguidos competia-lhes fazer a abordagem das vítimas, enquanto o outro se dedicava às tarefas de vigilância.

Buscas realizadas durante o dia de sexta-feira permitiram recuperar mais de 15 mil euros em numerário, proveniente de anteriores assaltos, roupa usada pelos arguidos e outros elementos de prova. Foram também apreendidos seis automóveis utilizados nos diversos assaltos.

Três dos detidos têm antecedentes criminais e todos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial e aplicação das adequadas medidas de coação.

Continuar a ler

Braga

Fábrica Confiança vai ser vendida por 3,6 milhões para dar lugar a cerca de 300 quartos

Assembleia Municipal de Braga aprovou a venda

em

Foto: DR / Arquivo

A Assembleia Municipal de Braga aprovou, na sexta-feira, a venda da antiga saboaria e perfumaria Confiança, mas com os votos contra do PS, CDU e Bloco de Esquerda, que defendem que o edifício devia continuar na esfera pública.

A proposta de venda, em hasta pública, mereceu 42 votos a favor, 25 contra e quatro abstenções.

Na sessão, marcaram presença elementos da Plataforma Salvar a Fábrica Confiança, que, após conhecidos os resultados da votação, exibiram cartazes com as caras dos vereadores da maioria PSD/CDS/PPM, com a palavra “vendido” em cada um deles.

Segundo o presidente da Câmara, Ricardo Rio, a hasta pública terá lugar em meados de fevereiro, tendo como valor base 3,6 milhões de euros.

O comprador terá, obrigatoriamente, de transformar o edifício numa residência universitária, que poderá albergar cerca de 300 quartos.

A volumetria do edifício principal terá de ser mantida.

Hoje, na Assembleia Municipal, o deputado do PS Pedro Sousa chegou a desafiar a Câmara para promover um referendo sobre o futuro a dar ao edifício, mas Ricardo Rio respondeu que esse escrutínio já foi feito nas últimas eleições autárquicas, em que o seu programa já previa a alienação da Confiança.

Para o PS, a venda configura “um excelente negócio” para o privado que comprar, já que pagará, em 2020, o mesmo valor que a Câmara pagou em 2012 quando adquiriu a Confiança.

Lembrando que Ricardo Rio, em 2012, quando estava na oposição, votou a favor da compra da Confiança pelo município, o PS usou também um vídeo em que o autarca, em 2013, defendia a utilização do edifício para fins culturais.

Os socialistas disseram ainda que o argumento da residência universitária é um “embuste”, sublinhando que, “quando muito”, o que poderá ali nascer será “uma residência para universitários”, a preços proibitivos.

Questionou também como é que uma cidade que se quer afirmar como Capital Europeia da Cultura em 2027 “pode desperdiçar um espaço como a Confiança”.

Pelo mesmo diapasão afinou a CDU que, pela voz da deputada Bárbara Barros, criticou a alienação “do último reduto da memória industrial” da cidade.

“O que hoje aqui ficará claro, com esta votação, mais do que a venda da fábrica Confiança, é quem se vende e quem não se deixa comprar”, referiu a deputada comunista.

O Bloco de Esquerda, pelos deputados Alexandra Vieira e António Lima, aludiu a um “negócio da China” para o comprador e garantiu que irá até “onde for necessário” para manter a Confiança na esfera pública.

O PSD, através de Joaquim Barbosa, lembrou que a alienação do edifício estava prevista no programa eleitoral de Ricardo Rio, em 2017, e vincou que a requalificação do imóvel tem a “aprovação total” do Ministério da Cultura.

O edifício está em processo de classificação.

Joaquim Barbosa aludiu ainda à importância da residência universitária para combater o défice de alojamento estudantil na cidade e defendeu que “a concorrência faz baixar os custos”.

O presidente da Câmara disse que a alienação do imóvel para a construção de uma residência universitária vai permitir, desde logo, a reabilitação do edifício, um desiderato que o município não está em condições de assegurar, por falta de financiamento.

“Não é preciso salvar o que este projeto já salva”, referiu, lembrando que haverá um espaço com cerca de 500 metros quadrados para um museu evocativo da memória da fábrica..

O autarca aludiu ainda ao objetivo de regeneração urbana daquela área da cidade e à “necessidade premente” de mais alojamento para estudantes na cidade.

“Em 2017, com a alienação da Confiança no nosso programa, conseguimos mais 5.000 votos do que nas eleições anteriores, somámos quase 50 mil votos”, sublinhou Rio.

Cláudia Sil, da Plataforma Salvar a Fábrica Confiança, disse que a venda do edifício será “um erro histórico” e garantiu que a luta pela manutenção do edifício na esfera pública irá continuar.

Segundo aquela ativista, o que está previsto para o local não são residências universitárias mas sim “apartamentos de luxo”.

A fábrica Confiança foi desenhada por José da Costa Vilaça e inaugurado em 1921, tendo produzido perfumes e sabonetes até 2005.

Em 2012, foi adquirida pela Câmara, então presidida pelo socialista Mesquita Machado.

Chegou a ser aberto um concurso de ideias para o edifício, mas entretanto em 2013 a Câmara mudou de mãos e em setembro de 2018 a nova maioria PSD/CDS-PP/PPM votou pela venda, alegando que, por falta de fundos disponíveis para a reabilitação, o edifício se apresenta em “estado de degradação visível e progressiva”.

Continuar a ler

Braga

Mulher encontrada morta dentro de casa em Vila Verde

Óbito

em

Foto: DR / Arquivo

Uma mulher, com cerca de 75 anos, foi encontrada sem vida dentro da sua residência, esta noite de sexta-feira, no centro de Vila Verde.

O alerta foi dado por familiares e vizinhos, que não tinham notícias da idosa já há mais de uma semana.

Pelo que foi possível apurar, a mulher vivia sozinha, com os familiares a residirem no estrangeiro.

No local, estiveram os Bombeiros de Vila Verde.

O óbito foi declarado e o corpo transportado para o Instituto de Medicina Legal.

O alerta foi dado cerca das 21:45.

A GNR investiga.

Continuar a ler

Populares