Seguir o O MINHO

Região

Braga e Viana sob aviso amarelo devido à chuva forte a partir de quinta-feira

Alerta

em

Foto: DR / Arquivo

Braga e Viana do Castelo vão estar na quinta-feira e sexta-feira sob aviso amarelo devido à previsão de chuva por vezes forte, provocada por um “rio atmosférico”, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Além de Braga e Viana do Castelo, o aviso amarelo vigora no Porto, Aveiro, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Setúbal, Lisboa e Santarém, entre as 17:00 de quinta-feira e as 03:00 de sexta-feira.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê a partir de quinta-feira e pelo menos até domingo períodos de chuva, que pode ser por vezes forte, descida da temperatura máxima e vento moderado a forte nas terras altas.

Como O MINHO noticiou, a partir de meio da tarde da próxima de quinta-feira, vem aí chuva e descidas das temperaturas, que se deverão manter até domingo. A mudança do estado do tempo em Portugal Continental deve-se a uma “rio atmosférico”.

O IPMA explica que “a região anticiclónica que se estende desde os Açores até à Europa Ocidental, irá enfraquecer, e permitir a passagens de massas de ar tropicais e com elevado conteúdo em vapor de água, transportadas latitudinalmente, num padrão usualmente conhecido como ‘rio atmosférico’”.

“Esta situação meteorológica, deverá originar precipitação persistente na generalidade do território, e tem potencial para produzir chuvas persistentemente fortes, em especial nas regiões do Centro e Sul, onde os impactos poderão ser significativos. A chuva deverá chegar ao Minho e Douro Litoral a partir do meio da tarde de dia 28, e estender-se gradualmente às restantes regiões Norte e Centro, e a partir de dia 29, à região Sul”, prevê ainda o IPMA.

O vento do quadrante sul, deverá aumentar de intensidade, em particular nas terras altas.

O IPMA salienta ainda ainda o aumento da agitação marítima na costa de Portugal continental e nas zonas marítimas de responsabilidade nacional.

Populares