Seguir o O MINHO

Futebol

Rúben Amorim quer dar “consistência” e “maturidade” ao SC Braga

Estreia de Rúben Amorim na I Liga

em

Rúben Amorim disse, esta sexta-feira, que quer dar “consistência” e “maturidade” ao SC Braga e frisou a vontade de ir vencer o Belenenses SAD ao Jamor, no sábado, na 15.ª jornada da I Liga de futebol.

O novo treinador dos minhotos considerou, esta sexta-feira, na antevisão da partida, que a equipa, com Ricardo Sá Pinto, tinha “uma variação de rendimento muito grande e isso mostra uma fragilidade nos pontos fortes, porque apareciam num dia e, noutro, a baixa de rendimento era notória”.

“Para mim é importante ganhar essa consistência, ou seja, não depender tanto da qualidade individual, indiscutível, dos jogadores, mas ter mais consistência para tirar mais partido dessa qualidade”, disse.

O técnico não quis desvendar se o objetivo passa por alcançar o quarto ou o terceiro lugar, frisando que a prioridade passa por a equipa começar a sentir-se mais confortável com a responsabilidade de vencer.

“Quando não tinha, como na Liga Europa, por exemplo com o Wolverhampton, a quem ganhou e empatou, os jogadores sentem-se mais livres. O primeiro passo é criar esse à vontade porque em 95 por cento dos jogos o Braga entra a perder porque, para equipa grande, 0-0 é estar a perder e os jogadores ainda não têm essa maturidade que queremos criar”, explicou.

No SC Braga B e no Casa Pia, Rúben Amorim jogava num 3x5x2 e, na sua apresentação pública, disse que a matriz de jogo iria mudar.

“O sistema em si não é tão importante, mas queremos uma equipa que jogue um futebol positivo, que tenha a bola e seja forte quando não a tem. Acima de tudo, com ‘fome’, atitude e irreverência. O meu foco não é no sistema, mas nas ideias, na atitude, sábado veremos”, disse.

Rúben Amorim admitiu ser um “jogo especial” por ser a sua estreia no comando técnico do Braga e na I Liga e pelo facto de ser contra uma equipa na qual jogou.

“É especial, mas percebi esta semana que a ansiedade é igual à que tinha no Casa Pia e no Braga B. A pressão que tenho é mais interior, não interessa onde estou, quero sempre ganhar, tenho uma pressão muito grande sobre mim, às vezes até exagerada, mas estou tranquilo porque conheço melhor os jogadores e tenho uma equipa de qualidade”, disse.

O técnico disse que “o Belenenses SAD é uma equipa muito organizada, que varia entre 4x4x2 e 4x1x4x1”.

“Sabemos que o André Sousa, que é um jogador importante, não pode jogar, mas acima de todo é uma é uma equipa organizada e muito tranquila porque entendo que a pressão está mais do nosso lado”, disse.

Rúben Amorim abordou ainda o facto de não poder dar indicações no banco de suplentes, relacionado com o facto de não ter o IV nível do curso de treinadores.

“Não vou mentir, é algo que faz muita confusão, até tenho medo de sofrer um AVC por estar parado [risos], mas a equipa e a equipa técnica estão preparadas, o Micael Sequeira adaptou-se muito bem, conhece o modelo, os jogadores e, acima de tudo, o clube”, disse.

Rúben Amorim não quis dizer quem será o jogador da equipa B que vai chamar ao plantel principal, mas frisou que será uma aposta constante trazer alguns jogadores da equipa que orientou até há bem pouco tempo.

O treinador disse ainda que quer “dar alguma estabilidade aos guarda-redes, seja ele qual for e dependendo do rendimento, que não é ter um erro num jogo”.

“Temos as nossa ideias para guarda-redes, é uma posição na qual é importante dar estabilidade, a todos, mesmo para o que está na segunda opção. Acho que preferem um treinador que lhes diz que quando tiverem uma oportunidade vão ter estabilidade. O guarda-redes que jogar amanhã [sábado] vai saber que terá estabilidade”, disse.

SC Braga, oitavo classificado, com 18 pontos, e Belenenses SAD, 14.º, com 15, defrontam-se a partir das 18:00 de sábado, no Estádio do Jamor, em Oeiras.

Anúncio

Desporto

Cristiano Ronaldo e Jorge Mendes doam cinco ventiladores à Madeira

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O internacional futebolista português Cristiano Ronaldo, nascido na Madeira, e o empresário Jorge Mendes vão doar ao Serviço Regional de Saúde da Madeira cinco ventiladores, revelou hoje aquele organismo.

“O Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) irá receber uma doação de equipamentos para ajudar no combate à covid-19, cedidos pelo futebolista madeirense Cristiano Ronaldo e pelo empresário Jorge Mendes”, refere uma nota de imprensa, especificando que “vão financiar cinco ventiladores para apoiar no combate à pandemia covid-19” no arquipélago.

Para o Governo Regional, “a cedência destes equipamentos ao SESARAM e à Região vai aumentar a capacidade de resposta ao doente crítico no combate à pandemia”, juntando-se aos 99 ventiladores de que a região dispõe.

“O Serviço de Saúde da RAM agradece a iniciativa do capitão da seleção portuguesa e do seu empresário.”, conclui a nota.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 600 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 28.000.

Dos casos de infeção, pelo menos 129.100 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 100 mortes, mais 24 do que na véspera (+31,5%), e registaram-se 5.170 casos de infeções confirmadas, mais 902 casos em relação a sexta-feira (+21,1%).

Dos infetados, 418 estão internados, 89 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Continuar a ler

Desporto

UEFA tem vários planos para retomar competições

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A UEFA ainda não sabe quando é que a temporada de futebol pode ser retomada, depois da interrupção devido à pandemia da covid-19, com o presidente do organismo a explicar que existem vários planos que podem ser aplicados.

“Ninguém sabe quando é que a pandemia vai terminar. Temos um plano A, B ou C, e estamos em contacto com as ligas, temos um grupo de trabalho, mas temos de esperar como todos os outros setores”, disse Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, em entrevista ao jornal italiano La Repubblica.

O organismo que tutela o futebol europeu tem várias opções, mas Ceferin explicou que não pode existir um plano final, uma vez que a pandemia continua a evoluir.

“A temporada pode recomeçar em meados de maio, em junho ou fim de junho. Existe até uma proposta para terminar a época no início da próxima, que começaria mais tarde. Agora, sem saber quando a pandemia vai terminar, não podemos ter um plano final”, explicou.

A UEFA decidiu adiar o Euro2020 para 2021 e tem as suas competições suspensas, como é o caso da Liga dos Campeões e da Liga Europa.

Sobre a redução dos salários dos jogadores, o esloveno que lidera a UEFA desde 2016 afirmou que não existe “espaço para egoísmos” nesta situação, salientando que muitos jogadores estão de acordo.

Na entrevista, Aleksander Ceferin deixou também críticas à União Europeia na resposta à pandemia.

“Estou dececionado com a União Europeia. A Europa é dominada por um excesso de regras, está dividida e, por essa razão, é mais fraca. Não há solidariedade e é muito triste”, concluiu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito na sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde. Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Desporto

FIFPro “preocupada” com corte unilateral de salários dos futebolistas

Covid-19

em

Foto Ilustrativa / DR

A Federação Internacional das Associações de Futebolistas Profissionais (FIFPro) manifestou-se hoje “preocupada” com a decisão de vários cubes europeus de despedir ou baixar unilateralmente os salários aos atletas em reflexo da pandemia da covid-19.

“Estamos extremamente preocupados que um número significativo de clubes, em mais de meia dúzia de países, tenha começado a dispensar jogadores ou a reduzir unilateralmente os seus salários”, denunciou o organismo, em comunicado.

A FIFPro desafiou todos aqueles que estão com “dificuldades financeiras” a adequar-se à realidade dos respetivos países e a negociar “acordos proporcionais e justos”.

Vários clubes europeus reagiram aos efeitos do novo coronavirus, que suspendeu praticamente todos os campeonatos na Europa, refletindo no corte de salário dos seus atletas as previsíveis perdas com a paragem competitiva.

O FC Barcelona, bicampeão espanhol, anunciou uma redução de salários, os escoceses do Hearts convidaram os seus futebolistas a reduzir o vencimento para metade e vários clubes franceses e alemães privaram os atletas de parte do seu rendimento.

“No momento de uma crise social tão marcante, é preciso encontrar soluções com a contribuição de todos. A maioria dos jogadores de futebol fora das maiores ligas do mundo ganha ao mesmo nível, se não menos, do que o salário médio do país e seria seriamente afetada por cortes salariais”, completa a FIFPro.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares