Seguir o O MINHO

Guimarães

Atrasos na construção de dois postos da GNR em Guimarães chegam ao Parlamento

Deputados do CDS querem saber se a responsabilidade é da autarquia

em

Foto: DR

Os deputados do CDS Telmo Correia e Vânia Dias da Silva querem saber qual a justificação para o atraso nas obras de construção e requalificação dos postos da GNR de Lordelo e Taipas, em Guimarães.

Os parlamentares ‘desconfiam’ que a responsabilidade poderá ser da autarquia e por isso, pedem respostas.

Os deputados do CDS-PP querem que o autarca vimaranense confirme se as obras ainda estão a aguardar a elaboração do projeto de execução, que confirme que este atraso é da responsabilidade da Autarquia, que justifique o atraso e que diga quando terão início as referidas obras.

Telmo Correia e Vânia Dias da Silva dirigem-se depois ao Ministro da Administração a quem pedem confirmação se as obras de construção e requalificação dos postos da GNR de Lordelo e Taipas ainda estão a aguardar a elaboração do projeto de execução, e de que este atraso é da responsabilidade da Câmara Municipal.

Depois querem saber se o Ministro entende, ou não, que a demora na requalificação dos dois Postos da GNR coloca em causa a operacionalidade dos militares na proteção às populações sob sua jurisdição e perguntam que medidas estão a ser tomadas pelo Governo para resolver este impasse e dar início às referidas obras.

“É, pois, com estupefação e preocupação que o CDS-PP constata que ainda nada está feito” dizem os deputados acrescentando: “a manter-se esta situação, a GNR de Lordelo e de Taipas vê reduzida a sua eficácia e operacionalidade na segurança e na proteção às populações”.

Anúncio

Guimarães

Câmara de Guimarães manifesta pesar por morte de trabalhador em obra no Teatro Jordão

Vítima de 46 anos

em

Foto: DR/Arquivo

A Câmara Municipal de Guimarães manifestou hoje o “seu profundo pesar” pela morte, esta manhã, de um trabalhador de 46 anos no recinto das obras em curso de reabilitação do Teatro Jordão, refere a autarquia em comunicado.

“Desde já a Câmara Municipal de Guimarães apresenta as mais sentidas condolências e manifesta o apoio necessário à família da vítima”, lê-se numa nota enviada à Lusa.

Um homem morreu esta manhã num “acidente no recinto das obras de requalificação” do Teatro Jordão, em Guimarães, tendo o óbito sido declarado no local “depois de manobras” de reanimação, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários.

Segundo a fonte, os Voluntários de Guimarães foram “acionados” pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Braga às 09:31.

Continuar a ler

Guimarães

Homem morre em “acidente no recinto das obras” no Teatro Jordão em Guimarães

Em Urgezes

em

Foto: DR

Um homem morreu esta manhã num “acidente no recinto das obras de requalificação” do Teatro Jordão, em Guimarães, tendo o óbito sido declarado no local “depois de manobras” de reanimação, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários.

Segundo a mesma fonte, os Bombeiros Voluntários de Guimarães foram “acionados” pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Braga às 09:31.

“Foi-nos pedido que nos deslocássemos para o local com uma viatura de desencarceramento. Quando lá chegámos, estavam a ser feitas manobras de suporte avançado de vida pelo INEM, que já lá estava, mas o óbito acabou por ser declarado no local”, disse.

A vítima tinha 46 anos e, segundo a fonte, “o acidente terá envolvido algum veículo que terá atingido o homem”.

O Teatro Jordão, encerrado desde 1993, está a ser alvo de obras de reabilitação, pretendendo a autarquia instalar ali a escola de artes performativas e visuais da Universidade do Minho e a escola de música da Sociedade Musical de Guimarães, numa obra que está orçamentada em perto de doze milhões de euros.

 

Notícia atualizada às 16h07 com mais informações

Continuar a ler

Guimarães

Abertas as inscrições para o Banco de Terras de Guimarães

Incubadora de Base Rural

em

Foto: DR

A Câmara de Guimarães já abriu as inscrições para o Banco de Terras, onde proprietários podem arrendar ao município terrenos abandonados ou sem qualquer utilização, para serem depois subarrendados a quem queira criar negócio de base rural.

De acordo com a autarquia, as inscrições estão abertas até 31 de dezembro, com as candidaturas a serem disponibilizadas a partir do aviso de abertura.

Este Banco de Terras foi lançado através da Incubadora de Base Rural (IBR Guimarães), e, de acordo com a autarquia, é “um instrumento através do qual proprietários podem arrendar ao Município terrenos abandonados/sem utilização de que sejam detentores, para que este os subarrende a empreendedores com vontade em criar o seu próprio negócio de base rural”.

Em comunicado, a autarquia sublinha que “o Banco de Terras de Guimarães corporiza um conjunto de benefícios para o proprietário, na medida em que valoriza os seus terrenos com potencial agrícola ou florestal, tem garantia de renda por parte do Município de Guimarães, recebe o património fundiário no mesmo estado de uso ou ainda melhor do que o estado inicial e deixa de ter custos com a limpeza anual de vegetação, espécies arbustivas e manta morta”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares