Seguir o O MINHO

Desporto

Bracarense em Ferrol para jogar na melhor liga mundial de basquetebol adaptado

Zé Miguel está a terminar mestrado em Medicina Nuclear

em

Foto: Divulgação

Três jogadores da seleção nacional de basquetebol em cadeira de rodas (BCR) integram esta época o plantel do Abeconsa Basketmi Ferrol, equipa da província espanhola da Galiza, apostada em chegar à melhor liga do mundo da modalidade.

Pedro Bártolo e Luís Domingos rumaram a Ferrol depois de na época passada terem representado o Varese (Itália), enquanto José Miguel Gonçalves, natural de Real, Braga, emigrou pela primeira vez depois de cinco épocas na equipa da Associação Portuguesa de Deficientes (APD) de Braga.

Em declarações à agência Lusa, os três internacionais portugueses falaram de uma reunião que poderá frutificar não apenas para a equipa galega, mas também para a seleção portuguesa apostada em 2021 em subir à Divisão B.

Formado no Reino Unido para onde emigrou ainda criança com os pais, Luís Domingos, de 21 anos, aprendeu “numa das melhores escolas do mundo” e, como salientou Pedro Bártolo, assim que foi descoberto “chegou, viu e venceu” na seleção portuguesa, tendo sido dos três o primeiro a rumar a Espanha.

Aos 28 anos, Pedro Bártolo, de Vila Nova de Gaia, é o mais experiente dos três e soma seis épocas a jogar no estrangeiro, avançando para a sétima depois de refletir sobre a realidade da modalidade em Portugal.

“A realidade em Espanha vale a pena. Uma das minhas motivações para este ano é conseguir manter-me a um nível mais elevado”, disse sobre a decisão de voltar a Espanha para poder continuar a ser profissional.

E prosseguiu: “Pensei primeiro parar um ano, fugir desta azáfama de seis anos fora de casa e sempre a viajar, mas, ao regressar, constatei que iria ser muito difícil para mim treinar apenas duas vezes por semana e no contexto da realidade portuguesa, onde há carências muito graves ao nível do treino e equipas pouco competitivas e, acima de tudo, a impossibilidade de pagar aos jogadores para praticar nem que seja em regime semiprofissional.”

Tomada a decisão, optou “por fazer o sacrifício de viajar todas as quintas-feiras e domingos, de fazer 700 quilómetros por semana para continuar a jogar a alto nível”, numa viagem acompanhada a partir de Braga por José Miguel Gonçalves, de 24 anos, e que aceitou o convite para atravessar a fronteira.

“Sendo o único que nunca representou um clube estrangeiro a principal dificuldade está em conciliar a parte académica com a desportiva. A parte da adaptação foi mitigada pela companhia de dois amigos com mais experiência, por ter uma equipa que nos acolheu muito bem e a língua ser muito semelhante”, disse o jogador minhoto, a concluir o mestrado em Física Médica – Medicina Nuclear.

A tempo inteiro em Ferrol, uma vez que a família permanece no Reino Unido, Luís Domingos relatou que os dias sem os dois colegas “são compensados pelos treinos”, sendo que, como à quarta-feira não há preparação, “aproveita para descansar”.

Representando “um quarto da seleção portuguesa, treinar e jogar juntos poderá trazer mais-valias à seleção na luta pela subida à Divisão B”, admitiu Pedro Bártolo, de um trabalho que “ajudará em termos de rotinas”, em contraponto com o que acontece em Portugal nos trabalhos da seleção, pese embora em 2019 tenha sido “um pouco suprida por haver mais estágios de preparação”.

“Isto pode ser uma alavanca importante para que o BCR dê o salto já em 2021”, salientou o jogador de Gaia, enfatizando José Miguel com a “maior carga de treinos semana – e o facto de o Luís trabalhar a tempo inteiro com jogadores muito experientes – ajudar também individualmente”.

O basquetebolista minhoto descreveu a profissionalização do BCR em Portugal como “um caminho que está a ser feito aos poucos”, lembrando o passo dado ao passar a integrar a federação.

Com contratos de nove meses – período em que dura a época em Espanha -, segundo Luís Domingos, o “objetivo é subir à primeira divisão espanhola, considerada a melhor do mundo”

“Não somos considerados favoritos, mas o objetivo é chegar à final 4 que definirá quem vai subir”, acrescentou José Miguel.

Anúncio

Futebol

Falta de unanimidade impede cinco substituições na próxima jornada da I Liga

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

A falta de unanimidade das SAD dos clubes da I Liga portuguesa de futebol impede a entrada em vigor das cinco substituições já na 25.ª jornada, que começa na quarta-feira, anunciou hoje a Liga de clubes.

Em comunicado, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional refere que “a infeliz oposição de uma sociedade desportiva, no decurso das reuniões de hoje”, impede que “esta medida entrasse em vigor já na primeira jornada da retoma”, após a paragem motivada pela covid-19.

Para a LPFP, a posição do Marítimo, “além de desautorizar os departamentos de futebol, abria a porta a impugnações e procedimentos disciplinares que, a todo o custo, o futebol profissional deve evitar”.

O organismo que tutela o futebol profissional recordou que o plano de retoma decorreu “num clima de cooperação construtiva, com os contributos dos consultores de saúde pública da Liga Portugal e em articulação com o Grupo de Trabalho da USP [Unidade de Saúde e Performance] da FPF [Federação Portuguesa de Futebol] e com a DGS [Direção-Geral da Saúde]”, e foi feito “na exclusiva defesa dos interesses das sociedades desportivas”.

“A decisão, do regresso da Liga NOS, foi tomada em benefício dos clubes e dos seus compromissos, mas não pode, em circunstância alguma, comprometer as atuais condições de segurança e saúde ou as determinações do executivo governamental e da Direção-Geral de Saúde dirigidas ao futebol”, lê-se.

Neste processo, ficou “pelo caminho”, segundo a LPFP, “a transposição para os regulamentos internos da deliberação do International Football Association Board (IFAB), hoje divulgada oficialmente pela Federação Portuguesa de Futebol e já adotada para a Taça de Portugal, que, com vantagem, permitiria a utilização de cinco substituições e nove suplentes na Liga NOS”.

“É um claro revés para os interesses dos clubes e – ainda mais importante – para a preservação da condição física dos atletas, que foi bloqueada por uma interpretação excessivamente restritiva dos estatutos e que foi tão mais surpreendente quanto veio ao arrepio da posição unânime dos clubes, consultados os seus departamentos de futebol”, refere.

A LPFP relembra ainda que esta “foi uma proposta que, desde a primeira hora, se anunciou que seria submetida à ratificação da Assembleia Geral da Liga Portugal”.

“Com efeito, na falta da unanimidade dos participantes na competição, poder-se-ia suscitar a questão da utilização irregular de jogadores, que é sancionado com a pena de derrota, subtração de pontos e multa”, assume a LPFP.

O organismo adia, assim, a entrada em vigor desta medida até à Assembleia Geral, marcada para 09 de junho, dia em que começa a 26.ª jornada.

“Como forma de proteger a competição e as sociedades desportivas, de boa-fé, com ética, lealdade e transparência entendeu a Liga Portugal que a prudência impunha que a decisão não produzisse efeitos até que fosse aprovada pelo órgão (em condições normais) competente para o efeito”, lê-se.

O Marítimo tinha informado na sexta-feira que “renuncia” à possibilidade de impugnar a I Liga portuguesa de futebol, com regressa em 03 de junho, mas que rejeita ser “coagido” a assinar uma declaração “ilegal” no plano de retoma.

A I Liga vai ser reatada sob fortes restrições e sem público nos estádios em 03 de junho, com o encontro entre Portimonense e Gil Vicente, naquele que vai ser o primeiro dos 90 jogos das últimas 10 jornadas, até 26 de julho.

Após 24 jornadas, o FC Porto lidera a competição, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica.

Além do principal escalão, também a final da Taça de Portugal, entre Benfica e FC Porto, integra o plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, ainda em data e local a designar.

Continuar a ler

Futebol

Plantel do Rio Ave testa negativo à covid pela quarta vez consecutiva

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O Rio Ave, clube da I Liga portuguesa de futebol, anunciou hoje que pela quarta vez consecutiva todo o grupo de trabalho testou negativo nos exames de despiste à covid-19,

Os exames, feitos na quinta-feira, foram também os quartos desde que a equipa regressou aos treinos no estádio, e abrangeram jogadores, técnicos, e elementos da estrutura de apoio do clube.

“Pela quarta semana consecutiva, e desde que o grupo voltou ao trabalho no relvado do estádio, os resultados mantêm-se integralmente negativos, o que se conclui ser consequência do sentido de responsabilidade que todos têm demonstrado, quer no dia a dia do clube, quer no domínio familiar, desde o primeiro dia”, vincou o Rio Ave numa nota publicada no site do clube.

O emblema vila-condense revelou, ainda, que antes da partida de retoma do campeonato, na receção ao Paços de Ferreira, agendada para para 7 de junho, o grupo será ainda submetido a dois testes de despiste à covid-19.

Os exames serão realizados 72 e 24 horas antes do embate com os pacenses, que terá como palco o recinto dos vila-condenses, cuja utilização foi aprovada pela Direção Geral de Saúde.

A I Liga vai ser reatada sob fortes restrições e sem público nos estádios em 03 de junho, com o encontro entre Portimonense e Gil Vicente, naquele que vai ser o primeiro dos 90 jogos das últimas 10 jornadas, até 26 de julho

Após 24 jornadas, o FC Porto lidera a competição, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica.

Além do principal escalão, também a final da Taça de Portugal, entre Benfica e FC Porto, integra o plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, ainda em data e local a designar.

Continuar a ler

Futebol

Voo do Santa Clara, próximo adversário do SC Braga, adiado duas vezes

I Liga

em

Foto: DR

O voo do Santa Clara, primeiro adversário do SC Braga no regresso da I Liga, para o continente, onde a equipa irá disputar o resto da I Liga de futebol, foi adiado pela segunda vez, devido a uma avaria no avião, avançou à agência Lusa fonte do clube.

A mesma fonte revelou que a equipa irá ter novo voo no próximo sábado às 10:00 (hora local), tendo chegada prevista às 13:00, hora de Lisboa.

É o segundo adiamento do voo Santa Clara para o continente, que estava inicialmente marcado para o meio da tarde desta sexta-feira, tendo sido adiado para as 23:45 (hora local) com chegada prevista para as 2:45 de Lisboa.

Segundo o que agência Lusa apurou, a comitiva do Santa Clara chegou a entrar no avião, mas a entrada de um pássaro no motor impediu a descolagem.

O emblema açoriano irá viajar para Lisboa para disputar os restantes jogos da I Liga de futebol como visitado na Cidade do Futebol, em Oeiras, para evitar possíveis surtos da covid-19.

Por indicação da Direção-Geral da Saúde, o Santa Clara terá de voar num voo fretado, que será operado pela SATA e que custará cerca de 30 mil euros aos cofres do emblema açoriano.

No retomar do campeonato, os açorianos vão receber o SC Braga no dia 05 de junho, às 18:00 na Cidade do Futebol.

Nas restantes jornadas, os ‘encarnados’ de Ponta Delgada vão enfrentar o Vitória de Setúbal (fora), o Portimonense (casa), o Benfica (fora), o Boavista (fora), o Marítimo (casa), o Sporting (fora), o Aves (casa), Rio Ave (fora), e Vitória de Guimarães (casa).

Uma vez que o último jogo do campeonato frente aos vimaranenses ainda não tem data marcada, o emblema insular ainda não sabe quando irá regressar aos Açores.

A I Liga, na qual o Santa Clara está no 10.º lugar, com 30 pontos, tem o seu retorno previsto para 03 de junho, para se disputar as restantes 10 jornadas.

Após 24 jornadas, o FC Porto lidera a competição, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica.

Continuar a ler

Populares