Seguir o O MINHO

Aqui Perto

Assaltam sapataria em três minutos e roubam milhares de euros na Póvoa de Varzim

Crime

em

Foto: CMTV

Pelo menos quatro indivíduos assaltaram, esta madrugada, uma sapataria da Cavalinho, à face da Estrada Nacional 206, que liga Famalicão à Póvoa de Varzim.


O alarme da loja, situada em Balasar, disparou cerca das 02:15 horas, alertando os proprietários que assistiram ao assalto através das câmaras de videovigilância.

Segundo avança a CMTV, o assalto durou cerca de três minutos e os larápios levaram várias malas e carteiras estimadas em vários milhares de euros.

Os larápios terão partido o vidro da porta principal e estroncado as grades de proteção. Uma vez dentro da loja, levaram tudo o que conseguiram, fugindo depois numa carrinha de cor escura.

Três dos larápios, que estiveram dentro da loja, utilizavam máscara e capuz.

A PJ do Porto está a investigar.

Anúncio

Aqui Perto

PJ desmantela em Portugal base logística de grupo terrorista da Galiza

Resistência Galega

em

Foto: Twitter / Ministério da Justiça (Arquivo)

A Polícia Judiciária desativou, em Coimbra, uma base logística do grupo independentista Resistência Galega, onde apreendeu “um importante” espólio de material usado nas atividades da organização, anunciou hoje a Direção Nacional daquela força de investigação criminal.

A PJ agiu no quadro de uma operação policial da Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT), da Diretoria do Centro da Polícia Judiciária, integrando peritos do Laboratório de Polícia Científica, em cooperação com a Guardia Civil espanhola.

Material apreendido pela PJ. Foto: DR

“Este grupo independentista foi responsável, entre 2005 e 2011, por mais de 35 ataques com explosivos, em diferentes zonas de Espanha”, não havendo vítimas a registar, informou a PJ, em comunicado.

As ações do grupo provocaram “avultados danos materiais em diversos edifícios públicos e privados”, tais como sedes de partidos políticos e agências bancárias, causando “enorme alarme social”, de acordo com a mesma fonte.

A Resistência Galega, em 2014, foi considerada pelo Supremo Tribunal de Justiça espanhol, um grupo terrorista, referiu a PJ.

Desde 2006 que os líderes da organização viviam na clandestinidade, tendo sido detidos pelas autoridades espanholas em junho de 2019. Aguardam ainda julgamento, em prisão preventiva.

No dia 09 de novembro de 2019, após partilha de informações e cooperação policial entre os dois estados, foi localizado um imóvel em Coimbra, associado aos líderes da Resistência Galega e utilizado como “casa de recuo.”

No interior do espaço localizado em Portugal foi apreendido “vasto material probatório”, relacionado com as atividades do grupo, destacando-se “inúmeros utensílios utilizados na fabricação de engenhos/artefactos explosivos, nomeadamente relógios, temporizadores e telemóveis preparados como dispositivo de ativação remota de cargas explosivas, dispositivos pirotécnicos e engenhos explosivos improvisados, uma carga total de aproximadamente 30 quilogramas de pólvora”, livros, apontamentos manuscritos e manifestos com os ideais da Resistência Galega.

A polícia apreendeu também uma panela de pressão, “para confinamento de carga explosiva”, igual às usadas por este grupo em diferentes atentados, bem como material utilizado para falsificação de documentos, como carimbos de instituições públicas espanholas e plastificadoras a quente.

O material apreendido foi remetido à autoridades espanholas.

Durante a investigação, além das ligações logísticas a território nacional, não foi identificada qualquer outra ligação efetiva ou envolvimento direto de cidadãos nacionais na Resistência Galega, precisou a Judiciária.

Continuar a ler

Aqui Perto

Quatro utentes e duas cuidadoras infetadas com covid-19 na Misericórdia da Trofa

Covid-19

em

Foto: DR

Quatro utentes e duas cuidadoras do lar da Santa Casa da Misericórdia da Trofa tiveram teste positivo para o novo coronavírus e encontram-se todos em isolamento profilático, disse hoje à agência Lusa a diretora técnica da instituição, Zélia Reis.

Os contágios, segundo a responsável, tiveram origem “na filha de uma cuidadora da estrutura residencial”.

“No dia 05 de outubro, uma cuidadora ausentou-se porque a filha terá apresentado sintomas, confirmando-se mais tarde estar infetada, num contágio que teve origem na sua turma, na escola”, disse Zélia Reis.

Na segunda-feira, “já depois de ter desenvolvido sintomas, a cuidadora fez um teste que deu positivo”, acrescentou a diretora técnica, informando que a Santa Casa “mandou então rastrear todas as colegas que com ela trabalharam, num total de oito, surgindo mais um caso positivo”.

No mesmo ímpeto, “foram rastreados os utentes, num total de 47, e surgiram mais quatro casos”.

Ainda segundo Zélia Reis, no “sábado foi rastreado todo o restante pessoal da estrutura residencial, consumando-se 70 rastreios no total, sendo que todos os resultados recebidos desta última série de testes deram negativo”.

“Os casos positivos, entre os utentes, estão em isolamento, seguindo os normativos da autoridade de saúde local, enquanto as duas cuidadoras estão em casa”, disse ainda a responsável, precisando que, “com a exceção da primeira cuidadora infetada, todos os outros casos estão assintomáticos”.

Zélia Reis informou serem estes os “primeiros casos de covid-19 na instituição desde o início da pandemia”.

Continuar a ler

Aqui Perto

Hospital de S. João suspende parte das cirurgias e ativa nível 3 do plano de contingência

Covid-19

em

Hospital S. João Foto: Portal do Ministério da Saúde

O Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, revelou hoje que vai ativar “nas próximas horas” o nível três do seu plano de contingência para a covid-19, ficando suspensa parte da atividade cirúrgica programada.

À Lusa, o gabinete de comunicação do CHUSJ explicou que a ativação do nível três do plano de contingência (que possui quatro níveis) implica a alocação do serviço de medicina interna à covid-19, “tendo impacto direto na limitação da atividade cirúrgica eletiva”, ou seja, a suspensão de parte da atividade cirúrgica programada.

A ativação deste nível surge em resposta à necessidade de “aumentar” as áreas de internamento dedicadas à covid-19 e ao fluxo no serviço de urgência.

“O reforço e a mobilização de recursos humanos das várias especialidades, para as diversas áreas, já se encontra em implantação, de acordo com o plano de contingência”, afirmou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e oitenta e um mil mortos e mais de 37,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.110 pessoas dos 89.121 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares