Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Ampliação de 500 mil euros em empresa de Viana do Castelo cria mais 10 empregos

Ampliação de uma unidade de mecânica e serralharia

em

Foto: Divulgação / JMS Alumínios

Uma empresa de Viana do Castelo vai investir 500 mil euros na ampliação de uma unidade de mecânica e serralharia e criar dez novos postos de trabalho, duplicando o número atual de trabalhadores, informou hoje a Câmara local.

Em comunicado, o município da capital do Alto Minho adiantou que o contrato de investimento, assinado entre o presidente da Câmara, José Maria Costa e a administração da JMS – Alumínios, Lda, “vai permitir à empresa de mecânica geral e serralharia civil levar a cabo a ampliação e legalização de um pavilhão industrial, na União de Freguesias de Barroselas e Carvoeiro”.

“A empresa, que atualmente emprega dez trabalhadores, prevê, com este novo projeto, duplicar o número atual de colaboradores.

Segundo a Câmara de Viana do Castelo, desde 2012, o início do Regime de Incentivos, o executivo municipal aprovou mais de 35 propostas de isenção de IMT.

“Os investimentos previam a criação de 3.557 postos de trabalho, mas, efetivamente, foram concretizados até ao momento 4.857 postos de trabalho, garantindo mais 1.300 empregos do que o estimado inicialmente”, sustentou a autarquia.

O Regime de Incentivos para 2019 “prevê reduções e isenções de taxas para investidores de empreendimentos turísticos e acolhimento empresarial, atividades económicas relacionadas com as fileiras da agricultura e floresta de base regional e do mar, regeneração urbana, entre outros, sobretudo no setor tecnológico, serviços partilhados e indústrias e atividades criativas”.

Anúncio

Viana do Castelo

Mercadona anuncia loja em Viana e está a recrutar

Em Abelheira

em

Foto: Divulgação

A cadeia espanhola de hipermercados Mercadona anunciou, esta segunda-feira, a instalação de uma loja eficiente na localidade de Abelheira, na cidade de Viana do Castelo.

Para Joana Ribeiro, uma das diretoras da Mercadona em Portugal, “esta nova loja em Viana do Castelo representa o crescimento e expansão da Mercadona em Portugal, instalando-se num novo distrito”.

“Orgulhamo-nos de fazer parte de um projeto que cresce de forma sustentável, que cria emprego estável e de qualidade, e que tem contado com o apoio das comunidades onde se insere, com as quais nos esforçamos para criar bons laços de vizinhança e agora também com os vianenses”, aponta.

Para 2020, além de Viana do Castelo, a marca pretende abrir lojas em Paços de Ferreira, Aveiro (Matadouro), Aveiro (Silva Rocha), Trofa, Águeda, Penafiel, Santo Tirso e Ermesinde.

A empresa já se encontra a recrutar para a loja de Viana do Castelo. As candidaturas podem ser efetuadas através do site da empresa, na secção de emprego.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Feira de emprego no Politécnico de Viana com centenas de ofertas de trabalho

em

São esperados mais de dez mil visitantes para as feiras da Profissões e do Emprego (com mais de um milhar de vagas de emprego e estágios) na próxima edição da Cimeira IPVC, que se realiza a 18 de março, no Centro Cultural de Viana do Castelo, foi hoje anunciado.

A iniciativa, organizada em parceria com a Federação Académica do IPVC, promove “essencialmente a educação”, revela a comissão organizadora em comunicado enviado a O MINHO.

Feira do Emprego do IPVC (2019)

“Altura ideal para conhecer igualmente as novas oportunidades do mercado de trabalho e novas profissões para as quais nos devemos preparar”, refere a comissão.

Os participantes serão desafiados a embarcar numa viagem pelas profissões do futuro, participando ativamente nas várias experiências das diferentes áreas de formação do IPVC.

“Trata-se igualmente de um evento de networking que proporciona a alunos, professores, empresas e empresários, famílias e toda a comunidade envolvente, a possibilidade de partilha de experiências, saberes, de horizontes, o contacto com empresas e a apresentação de projetos, um evento global que foi pensado e criado para toda a região do Alto Minho e não só”, destaca a mesma nota.

Feira do Emprego do IPVC (2019)

No evento estima-se a presença de mais de dez mil participantes ativos, entre antigos e atuais estudantes do IPVC, estudantes de escolas secundárias e profissionais, professores, famílias, entidades empregadoras e representantes de instituições públicas e privadas da região.

As novidades da CIMEIRA 2020

APP Cimeira IPVC:

Três alunos do curso de Engenharia Informática da ESTG-IPVC desenvolveram uma aplicação móvel para fornecer suporte ao evento. Orientados por uma docente, os estudantes ganham “experiência num cenário real e complementando simultaneamente as competências que conseguem adquirir ao longo do seu percurso formativo”.

Plataforma BEAMIAN:

Uma novidade presente este ano será a plataforma online “BEAMIAN”. Um sistema que permite interagir e partilhar contactos entre estudantes e empresas. Com este programa será possível efetuar a transferência automática do CV dos participantes para as empresas que contactem. Isto ocorrerá sempre que o visitante passe o seu cartão no leitor instalado em cada stand.

Feira do Emprego do IPVC (2019)

Feira de emprego aberta a toda a comunidade até às 20:30

A edição deste ano da Feira de Emprego chega com diversas alterações. Para além do sistema Beamian a feira de emprego estará, pela primeira vez, num espaço próprio e aberta a toda a comunidade (numa tenda ao lado do Centro Cultural). Com início agendado para as 10:00, a feira encerra às 20:30.

As empresas, para além de estarem presentes nos stands onde disponibilizam as suas ofertas de emprego, farão apresentações num placo central montado no recinto. Workshops, debate entre estudantes e empresários, oportunidade de apresentar um projeto aos empresários obtendo de imediato o feedback sobre a proposta, pitchs e testemunhos de diplomados do IPVC, fazem parte do cardápio.

#IPVCFeiraVirtual

Um espaço onde os candidatos poderão contactar as empresas registadas no Portal de Emprego. Estarão online todas as ofertas disponíveis de emprego ou estágio, sendo as mesmas divulgadas de forma contínua no recinto. As empresas poderão conduzir entrevistas de recrutamento online com candidatos pré-selecionados.

Feira do Emprego do IPVC (2019)

#IPVCFeiradeEmprego

Presentes no recinto com um stand, as empresas, terão a oportunidade de, no decorrer do evento, contactar diretamente com os alunos e diplomados do IPVC, no sentido de encontrar e selecionar alguns dos melhores candidatos, recolher CV´s e trocar informações relativamente às vagas em aberto nas suas organizações.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Centenas manifestam-se em Viana contra a prospeção do lítio em Portugal

Centenas saíram às ruas

em

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Os participantes numa manifestação “pacífica” de contestação à prospeção de lítio que hoje decorreu em Viana do Castelo lançaram um “clamor social” contra o que consideraram ser uma “hecatombe” e uma “ameaça” ambiental “sem precedentes” em Portugal.

À Lusa, o comissário Costa Pereira, da PSP de Viana do Castelo, disse que o protesto, organizado por cinco movimentos cívicos do Alto Minho, Minho e Trás-os-Montes, contou com a participação de “250 a 300” pessoas. Já a organização apontou mais de 400 manifestantes.

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

A ação começou cerca das 09:50, junto ao edifício da Agência Portuguesa do Ambiente – Administração de Região Hidrográfica Norte, junto à ponte Eiffel de Viana do Castelo, percorreu em desfile as artérias da frente ribeirinha, numa extensão de cerca de dois quilómetros, tendo terminado, uma hora depois, na praça da República, no centro da cidade.

O protesto obrigou a PSP a cortar o trânsito durante a concentração dos movimentos e a realizar e cortes pontuais nas ruas por onde passou o desfile, encabeçado por manifestantes que tocaram bombos e concertinas.

Uma viatura da PSP abria a marcha que integrou pessoas de todas as idades de várias freguesias da Serra d’Arga, autarcas, representantes de partidos políticos, entre outros.

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

A Serra d’Arga abrange uma área de 10 mil hectares, dos quais 4.280 se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária.

“Vamos fazer uma festa pela sustentabilidade ambiental, pela defesa da nossa região, da nossa água, dos nossos terrenos agrícolas, da nossa herança e património”, afirmou Carlos Seixas.

O responsável, que falava no início do protesto lançou um “recado” ao Governo. “Não haverá nem um buraco. Estamos dispostos a ir até onde for necessário. Cada passo que o Governo dê, nós estaremos lá”, avisou.

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Também o porta-voz do SOS Terras do Cávado, Vasco Santos, advertiu que a “luta” contra o lítio é para “continuar” por se tratar de “uma hecatombe ambiental e social” que o Governo “quer impor ao povo”.

“Os concursos do lítio são um negócio de amigos para dar milhões aos mafiosos”, acrescentou.

Durante o desfile pelas ruas da cidade, os bombos e concertinas afinaram as vozes que entoaram palavras de ordem como “Galamba escuta, o povo está em luta”, dirigidas ao secretário de Estado da Energia, ou “Minas não, vida sim”. Já nos cartazes empunhados pelos manifestantes podia ler-se: “Não envenenem a nossa água”, “Vida sim, minas não”, “Queremos água, queremos vida, não á mineração”, “Os nossos filhos merecem rios limpos”.

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Acompanhado de perto por vários agentes da PSP, o protesto terminou na praça da República, palco habitual das manifestações na cidade, com várias intervenções.

“Quero saudar e agradecer a todos os manifestantes por este clamor social (…) Estamos perante uma ameaça sem precedentes para o ambiente”, disse o presidente da direção da Corema Associação de Defesa do Património, com sede em Caminha.

O responsável, que falava de megafone na mão, adiantou que o plano de mineração que o Governo tenciona levar a cabo “é um projeto a céu aberto, escavando autênticas crateras no solo com várias centenas de metros de diâmetro, com mais de 100 metros de profundidade”.

“Em tal contexto será preciso rasgar acessos por tudo quanto é sítio (…). Uma devastadora agressão ao espaço envolvente irremediavelmente martirizado e convertido numa paisagem lunar”, alertou, apontando ainda a poluição sonora e atmosférica, a contaminação das águas, como outros dos efeitos.

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

Foto: Vasco Morais / O MINHO

“As tão propaladas medidas de minimização não passam de música para os nossos ouvidos”, disse, apelando para que a Comunidade Intermunicipal (CIM) DO Alto Minho, estrutura que agrega os dez concelhos do Alto Minho, tome “uma posição inequívoca de oposição a este plano de mineração”.

O protesto de hoje foi organizado pelo movimento SOS Serra d’Arga, Corema – Associação de Defesa do Património/Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, SOS Terras do Cávado, SOS Serra da Cabreira e Em Defesa da Serra da Peneda Soajo.

O Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio em nove áreas do país.

Para além dos dois contratos já anunciados em Montalegre e Boticas, serão abrangidas as áreas de Serra d’Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira.

Continuar a ler

Populares