Seguir o O MINHO

Alto Minho

Alto Minho congratula-se com exclusão da Serra d’Arga, mas mantém luta contra lítio

Serra D’Arga

em

Foto: DR / Arquivo

Os presidentes das Câmaras de Caminha e Ponte de Lima congratularam-se, hoje, com a decisão do Governo de retirar a Serra d’Arga do concurso para a prospeção de lítio, mas vão continuar a contestar o projeto noutras zonas limítrofes.


Na quarta-feira, numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o ministro do Ambiente e da Transição Energética anunciou ter sido decidido retirar do concurso para a prospeção de lítio, os sítios da Rede Natura 2000.

“Já é público o que vou dizer. Na análise e discussão que está a ser feita pelas autarquias vamos retirar também os Sítios da Rede Natura 2000, que é exatamente a Serra d’Arga”, afirmou Luís Pedro Matos Fernandes na resposta à interpelação da deputada do PSD eleita pelo distrito de Viana do Castelo, Liliana Silva.

Matos Fernandes acrescentou que durante o exercício do Governo PSD/CDS foram “aprovados três contratos de prospeção para a Serra de Arga” e que, “na altura, ninguém ficou incomodado com isso”.

Hoje, em resposta escrita a um pedido de esclarecimento enviado pela Lusa, o presidente socialista da Câmara de Caminha, Miguel Alves, disse que “a retirada da Serra d’Arga das áreas de prospeção de lítio é uma boa notícia” para aquele concelho e para o Alto Minho.

“Com a exclusão do território em Rede Natura 2000, ganhámos a batalha da Serra d’Arga mas também de todo o território da bacia hidrográfica do Âncora, do sapal do Coura, da costa atlântica e do estuário do rio Minho”, sustentou.

Com aquela “parte resolvida”, Miguel Alves disse que irá “continuar o trabalho de salvaguarda do resto do território”, apontando “duas linhas de ação”.

“Candidatar a Serra d’Arga a Área Protegida de Âmbito Regional – de modo a alargar os limites de proteção a mais freguesias – e mantendo exigência ambiental máxima para as restantes situações, quer através da reivindicação de pareceres obrigatórios do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), quer através da imposição de um Estudo de Impacto Ambiental Positivo”, especificou.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Ponte de Lima, Victor Mendes, também se congratulou com a decisão do Governo, mas afirmou que o concelho “não fica tranquilo”.

“No âmbito do concurso a ser aberto brevemente pelo Governo há uma área bastante significativa que fica fora da Rede Natura 2000 e que está abrangida. Só 10% do território de Ponte de Lima está inserido na Serra d’Arga, o restante fica situado nas zonas limítrofes e essas são abrangidas por esse concurso”, reforçou o autarca do CDS-PP.

Para Victor Mendes, “à partida, a parte referente à Serra D’Arga está resolvida”, mas o projeto previsto “é muito mais do que isso”.

“Temos de nos continuar a opor”, disse, destacando que, na quarta-feira, a Câmara de Ponte de Lima aprovou, por unanimidade, um parecer desfavorável à prospeção e pesquisa de lítio na Serra d’Arga, no âmbito de uma audição da Direção-Geral de Energia e Geologia.

A Lusa tentou obter a reação dos presidentes da Câmara de Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira, municípios que também já anunciaram publicamente a oposição ao projeto de prospeção de lítio, mas ainda sem sucesso.

Ponte de Lima, Viana do Castelo e Caminha iniciaram um projeto intermunicipal, intitulado “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, que pretende alcançar a classificação da Serra d’Arga como Área Protegida, como forma de travar aquele projeto de prospeção de minerais.

O projeto intermunicipal “incide sobre o território classificado como Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000 Serra d’Arga, correspondendo a uma área com 4.493 hectares, totalmente inserida na sub-região do Alto Minho, e cuja conservação florística e faunística é imperativa”.

A classificação daquele território como Área Protegida de âmbito regional, pretende “reforçar o seu caráter único enquanto ativo territorial e produto turístico emergente”.

Anúncio

Alto Minho

Armando (e mais seis) recolhe 12 sacos de lixo apanhado na estrada em Ponte de Lima

Ambiente

em

Fotos: Armando Carriça / Duarte Prestes

A união fez a força. Armando Alves Rodrigues deixou o repto e seis pessoas apareceram, nesta manhã de sábado, junto ao Campo de Golfe de Ponte de Lima, para apanhar lixo das bermas da Estrada Nacional 201.

No total, os voluntários recolheram 12 sacos de lixo com capacidade para 100 litros, deixando as bermas mais limpas em Feitosa, na zona do Campo de Golfe, e também em Arcozelo, junto ao centro de inspeções.

Armando lidera recolha de lixo na EN 201. Foto: Duarte Prestes

A O MINHO, o ambientalista explica que, desta vez, apareceram mais seis voluntários o que acabou por ser “uma surpresa”. “Sei que fiz um apelo, mas já da outra vez tinha feito e não apareceu ninguém, por isso posso dizer que foi uma surpresa agradável”, conta.

Armando explica que vieram cinco pessoas de Ponte de Lima e uma de Braga, Duarte Prestes, conhecido dinamizador do grupo de Facebook “Moina na Estrada” e elemento da organização da Rampa da Falperra.

Duarte Prestes participa na ação ambiental. Foto: DR

“Apanhámos muito lixo junto às vivendas de luxo ao pé do campo de golfe, tinha lá sobretudo muito lixo do McDonald’s”, aponta Armando ‘Carriça’, como é conhecido.

O habitante da Correlhã, natural de Aboim da Nóbrega, Vila Verde, explica que o trajeto seguiu depois para o lado de Arcozelo, ao contrario da outra vez em que seguiu no sentido de Braga.

Foto: Armando Carriça

Foto: Armando Carriça

Foto: Armando Carriça

Foto: Duarte Prestes

“Pedi a carrinha ao meu patrão e enchemos aquilo com doze sacos”, conta, apontando a recolha de “centenas de abraçadeiras” provenientes de cartazes de divulgação municipal que ficaram ‘esquecidas’ depois de remoção das telas.

Abraçadeiras. Foto: Armando Carriça

“Ao todo devemos ter recolhido uns 500 quilos de lixo”, concluiu.

Continuar a ler

Alto Minho

Vison-americano filmado a recolher carcaça de ave na foz de Caminha

Na foz do rio Minho

em

Foto: Rafael Martins

Depois de avistamentos no rio Selho em Guimarães, no rio Cávado em Barcelos, na marginal de Esposende, há agora novo vídeo, filmado na sexta-feira, que mostra um vison-americano na foz do rio Minho. O vídeo cedido a O MINHO foi captado por Rafael Martins, que registou o mamífero em Caminha, enquanto recolhia uma carcaça de uma gaivota.

Foto: Rafael Martins

O vison-americano, neovison vison, é um mamífero da família mustelidae e está relacionado com doninhas e lontras. Trata-se de uma espécie invasora.

De acordo com a bióloga Joana Soto, ouvida pela Jornal de Barcelos (JB) a propósito dos avistamentos destes animais no rio Cávado, o vison-americano representa uma “ameaça” para as espécies nativas, mas o seu impacto neste território ainda carece de estudos.

A bióloga salienta que não sendo novo no Cávado, é normal existirem mais avistamentos nesta altura do ano porque está mais ativo a preparar o Inverno.

Joana Soto refere que o maior perigo que o animal representa é comer ovos das aves que habitam as margens do rio e fazem ninhos no solo, salientando que é uma espécie muito recente em Portugal e que “ainda se está a adaptar ao habitat”.

Foto: Rafael Martins

Como a presença deste anfíbio na bacia do Cávado ainda é pouco estudada, a bióloga apela a que os avistamentos sejam reportados pela aplicação móvel “iNaturalist” de forma a contribuir para o mapeamento da espécie.

Como O MINHO tem noticiado, já foram filmados visons-americanos no rio Selho em Guimarães e no rio Cávado em Barcelos, sendo que também há relatos da sua presença no rio Ave e no Este, em Braga, na zona de Gualtar.

A moda acabou por ser a razão de o vison-americano ter ‘viajado’ do continente norte-americano para o europeu.

Foto: Rafael Martins

“Foi introduzida na Europa para criação em quintas para o comércio de peles. No entanto, quer por fugas de animais a partir destas quintas, quer pela sua libertação deliberada e ilegal por parte dos proprietários das quintas, quando a atividade deixa de ser rentável, ou por grupos de defesa dos direitos animais, estabeleceram-se populações ferais em grande parte da Europa”, pode ler-se na tese de mestrado em Biologia da Conservação de Ana Duarte.

“Em Portugal, o vison-americano foi introduzido na década de 80, sendo provavelmente proveniente de quintas de criação localizadas na região da Galiza, existindo apenas uma quinta de criação em Portugal, na cidade de Valença do Minho”, refere o mesmo estudo, que alerta que o vison-americano “pode ainda vir a afetar negativamente as populações de rato-de-água (Arvicola sapidus) e as populações de anfíbios já de si debilitadas”.

“Atualmente, a introdução de espécies exóticas é considerada uma das principais ameaças à diversidade biológica”, sublinha a tese de Ana Duarte.

Continuar a ler

Alto Minho

Faixa cortada na A27 após colisão com dois feridos em Ponte de Lima

Acidente

em

Foto: DR

Duas pessoas sofreram ferimentos na sequência de uma colisão entre duas viaturas ligeiras, ao final da noite desta sexta-feira, na autoestrada em Ponte de Lima.

Ao que apurámos, os dois veículos seguiam no sentido Arcozelo – Arcos de Valdevez quando terão colidido na faixa da direita, ainda em Arcozelo.

O trânsito segue na faixa mais à esquerda enquanto os Bombeiros de Ponte de Lima procedem a trabalhos na via.

Desconhece-se ainda a gravidade dos ferimentos.

A Brigada de Trânsito da GNR está no local.

O alerta foi dado às 23:24.

Continuar a ler

Populares