Seguir o O MINHO

Região

Voto antecipado correu bem? Eduardo Cabrita diz que sim

Eleições presidenciais 2021

em

Votação em Barcelos. Foto: Pedro Silva / O MINHO

Não há relatos de grandes problemas em relação à votação antecipada para as eleições presidenciais de 24 de janeiro, com exceção de manhã, em Braga, onde algumas pessoas mostraram-se insatisfeitas pela elevada adesão e pela curta distância entre grades na entrada para o Altice Forum, onde decorreu o sufrágio.

Todavia, e à semelhança do país, as votações parecem ter decorrido de forma ordeira nas respectivas sedes de município e outros locais designados pela Comissão Nacional de Eleições onde os eleitores puderam exercer o direito de voto para escolher o próximo Presidente da República.

Votação em Barcelos. Foto: Pedro Silva / O MINHO

Votação em Fafe. Foto: Ivo Borges / O MINHO

Votação em Guimarães. Foto: Ivo Borges / O MINHO

O ministro da Administração Interna admitiu hoje a possibilidade de um reajustamento das medidas de combate à pandemia de covid-19, mas elogiou o comportamento dos eleitores que exerceram voto antecipado para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

Longas filas em Braga para o voto antecipado

“Aquilo que eu verifiquei aqui [no Barreiro] foi o respeito por todas as regras. Todos os eleitores estavam com máscara. Foi respeitado o distanciamento”, disse Eduardo Cabrita pouco depois de ter exercido o direito de voto, antecipado, na Biblioteca Municipal do Barreiro.

“Eu vejo entusiasmo naqueles quase 250 mil portugueses que se registaram para o voto antecipado, que manifestam uma alegria do voto semelhante à alegria do voto nas primeiras eleições democráticas. Significa que, em tempos muito difíceis, em tempos em que estamos todos concentrados no combate à pandemia, temos de afirmar também os valores da democracia”, acrescentou o governante.

Confrontado com os sucessivos avisos dos profissionais de saúde, para o elevado número de pessoas que continuam a andar na rua apesar das regras de confinamento, e com as preocupações expressas hoje pelo Presidente da República, que admitiu a necessidade de um agravamento das medidas para fazer face à pandemia, Eduardo Cabrita lembrou que o Governo faz uma “reavaliação permanente das medidas”.

Conselho de Ministros reúne amanhã para “reajustar” medidas do confinamento

“Fazemos uma reavaliação permanente, quer da evolução da pandemia, quer das medidas que são necessárias, numa salvaguarda da sua adequação e proporcionalidade. Julgo que foi esse, também, o sentido da declaração do senhor Presidente da República, com a qual estamos totalmente de acordo”, acrescentou o ministro.

Em declarações aos jornalistas, Eduardo Cabrita afirmou ainda que faz um balanço positivo da forma como decorreu esta votação antecipada para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

“Passamos de 50 mil votantes em 2019, que já de si era um recorde absoluto de votação antecipada, para – não temos números finais – quase 250 mil inscritos. Há cidadãos que, se não fosse este sistema de voto, nunca votariam nestas eleições, porque cerca de metade dos que se inscreveram para voto antecipado estão a fazê-lo fora do seu local de recenseamento”, disse.

“Os estudantes que estão a votar no local onde estudam e não no seu local de recenseamento, quem por razões profissionais está deslocado do seu local de recenseamento, ou quaisquer outras razões de ordem pessoal, não tenho dúvida nenhuma de que há cerca de 200 mil portugueses que, provavelmente, se não votassem hoje não teriam votado”, sublinhou o Ministro da Administração Interna.

Populares