Seguir o O MINHO

Ave

Vizela suspende parquímetros em dezembro para apoiar o comércio local

Comércio

em

Foto: CM Vizela / Arquivo

Na sequência do surto da nova estirpe de coronavírus SARS-COV-2 o Município de Vizela, ao longo dos últimos meses, implementou um conjunto de medidas excecionais de ordem preventiva e restrita, com âmbitos temporais e de aplicação diferenciados, designadamente para combater o surto e evitar a transmissão da doença na comunidade, assim como estimular a recuperação económica e assegurar a proteção social.


Neste sentido, no âmbito do combate à pandemia, o Município de Vizela encontra-se a implementar um conjunto de medidas de reforço e apoio direto dos comerciantes e população em geral, criando condições para esbater a propagação do surto associada a esta nova realidade.

A situação económica criada pela pandemia tornou-se particularmente grave, especialmente na atividade comercial, em particular na restauração e no comércio a retalho, pelo que se torna necessário encontrar medidas que possam apoiar os comerciantes e dinamizar o comércio local, e de alguma forma ajudar a mitigar os prejuízos causados por esta situação pandémica.

Assim, a Câmara municipal vai isentar o pagamento das taxas devidas pelo estacionamento de viaturas nas zonas de estacionamento de duração limitada controladas por parcómetros, durante o mês de dezembro de 2020.

De destacar que a Câmara Municipal tem vindo a acompanhar com muita preocupação as dificuldades do setor do comércio local, uma das atividades mais afetadas pela crise pandémica, tendo já tomado várias medidas para apoiar este setor, com destaque para a campanha de Natal de apoio ao comércio local “Estamos Sempre Aqui – Compre no Comércio Tradicional”, em parceria com a ACIV – Associação Comercial e Industrial de Vizela.

Trata-se de uma campanha de sensibilização que tem como principal objetivo dinamizar e promover o tecido económico e social do concelho, apoiando os comerciantes neste momento muito difícil de pandemia e contribuindo para assegurar a retoma económica deste setor dentro do contexto atual.

De realçar ainda que a Câmara Municipal de Vizela, em parceria com a ACIV – Associação Comercial e Industrial de Vizela, vai também promover a iluminação e decoração de Natal 2020, que já está a ser instalada nas ruas da cidade, à semelhança do que tem acontecido nos últimos três anos.

O principal objetivo deste ano passa pela dinamização do comércio local e também pela decoração e iluminação festiva das principais ruas do centro da cidade e das zonas envolventes, criando um estímulo adicional para a dinamização do comércio local e para o desejado aumento do volume de negócios nesta época especial.

Tratam-se assim de um conjunto de medidas para ajudar e incentivar o setor do comércio local no Concelho, um setor com enorme tradição e oferta diversificada, mas sem dúvida um dos mais afetados pela situação atual do estado epidémico do COVID-19.

Anúncio

Guimarães

Centenas de bombos ecoaram a partir das varandas de Guimarães

Centenas de pessoas aderiram à iniciativa do Dia do Pinheiro, versão 2020, que consistiu no tradicional toque do bombo, mas desta vez à varanda, face às limitações provocadas pela pandemia de covid-19. Depois de uma manhã ‘atribulada’, onde a cidade ganhou protagonismo a nível nacional, face a aglomerados no centro histórico, desta vez foi diferente, e os Nicolinos rufaram os tambores a partir de casa. Vídeo: Ricardo Coelho Lima

em

Foto: DR / Arquivo

Centenas de pessoas aderiram à iniciativa do Dia do Pinheiro, versão 2020, que consistiu no tradicional toque do bombo, mas desta vez à varanda, face às limitações provocadas pela pandemia de covid-19. Depois de uma manhã ‘atribulada’, onde a cidade ganhou protagonismo a nível nacional, face a aglomerados no centro histórico, desta vez foi diferente, e os Nicolinos rufaram os tambores a partir de casa. Vídeo: Ricardo Coelho Lima

Continuar a ler

Guimarães

Comissão das Nicolinas de Guimarães garante “não ter promovido ajuntamentos”

Festas Nicolinas

em

Imagem: Redes sociais

A Comissão de Festas Nicolinas garantiu “não ter promovido ajuntamentos” e aproveitou para reforçar o apelo para que as pessoas fiquem em casa na noite de hoje.

“O que aconteceu na [Praça da] Oliveira e no Monumento [escultura do artista plástico José de Guimarães que fica junto ao local onde é tradicionalmente enterrado o pinheiro após o cortejo] não foi promovido por nós. Foi algo voluntário e espontâneo. Nós temos vindo a apelar para que o Pinheiro se celebre em casa com caixas e bombos a rufar à janela ou varanda”, disse à agência Lusa o presidente da Comissão de Festas Nicolinas, André Alves, que é estudante do 12.º ano da Escola Secundária Francisco de Holanda.

Ajuntamento no centro de Guimarães na manhã de arranque das Nicolinas

Também o presidente da Associação dos Antigos Estudantes do Liceu de Guimarães (AAELG), José Ribeiro, de 73 anos e antigo estudante da agora denominada Escola Secundária Martins Sarmento, antes “Liceu de Guimarães”, que é o estabelecimento de ensino onde nasceram as Festas Nicolinas, reforçou o apelo.

“Dei a cara pela campanha de apelo para que todos fiquem em casa. Hoje, quando tive conhecimento de que havia grupos reunidos, percorri a cidade para pedir que não o fizessem. Se a praça esteve cheia, foi com certeza algo espontâneo. Este ano é atípico e isto é muito difícil para os nicolinos, para todos os vimaranenses, que vivem a tradição. Mas contornar as normas ou ignorar o que se passa [referindo-se à pandemia da covid-19] não faz parte do nosso espírito”, disse José Ribeiro, à Lusa.

Já na página da Câmara de Guimarães, no Facebook, a acompanhar um vídeo onde antigos e atuais estudantes da cidade fazem um apelo para que as pessoas se mantenham em casa, lê-se: “O espírito Nicolino sente-se de uma forma diferente, uma vez que não se realiza o cortejo do Pinheiro devido à situação de pandemia. Esta noite, celebramos a Noite do Pinheiro nas janelas e varandas das nossas casas”.

O vídeo é promovido pela Associação dos Velhos Nicolinos, Comissão das Festas Nicolinas e Associação das Comissões das Festas Nicolinas, com o apoio do Município de Guimarães.

PSP evitou “intervenção pela força” para dispersar aglomerado Nicolino em Guimarães

A PSP de Braga apelou hoje para que as Festas Nicolinas, que se celebram tradicionalmente em Guimarães a partir desta noite, “sejam celebradas em casa”, isto depois de esta manhã ter registado uma “concentração anormal” no centro da cidade.

“Apelamos a todos os cidadãos que adotem um comportamento cívico e responsável, e que, de acordo com o aconselhado pela organização, este ano as Festas Nicolinas sejam celebradas em casa”, lê-se num comunicado do Comando Distrital da PSP de Braga.

Em causa estão as Nicolinas, festas associadas ao culto de São Nicolau que são organizadas por estudantes vimaranenses do ensino secundário e se desenrolam ao longo de cerca de uma semana, mas têm habitualmente na noite de hoje o seu ponto alto com o cortejo do Pinheiro, que leva às ruas milhares de pessoas a tocar caixas e bombos.

Este ano, devido à pandemia da covid-19, as festas decorrem de forma diferente da habitual e sem o tradicional cortejo, mas num comunicado com o título “concentração de pessoas na Praça da Oliveira – Guimarães – Festas Nicolinas”, emitido cerca das 18:00 horas, a PSP de Braga descreve que “hoje, a meio da manhã” verificou “uma concentração anormal de pessoas nas imediações do centro histórico de Guimarães [no distrito de Braga], com os habituais bombos e trajes nicolinos”.

“Esta concentração é apenas habitual neste ‘Dia do Pinheiro’ durante o final da tarde e noite, tendo ocorrido durante a manhã, de forma inopinada. Antes das 13:00, hora de proibição de circulação na via pública, por força do estado de emergência em vigor, foi possível dispersar os cidadãos, evitando-se uma intervenção pela força, com resultados sempre imprevisíveis”, descreve a PSP de Braga.

A mesma força policial garante que “adotará as medidas preventivas necessárias para que não se verifiquem ajuntamentos de dimensão e natureza similar ao verificado em Guimarães” e reforça o apelo a que as festas sejam celebradas em casa.

Portugal contabiliza pelo menos 4.427 mortos associados à covid-19 em 294.799 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 08 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado, entre os quais Guimarães.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo, e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

Continuar a ler

Guimarães

PSP evitou “intervenção pela força” para dispersar aglomerado Nicolino em Guimarães

Festas Nicolinas

em

Imagem: Redes sociais

O comando distrital de Braga da PSP informou esta tarde que evitou recorrer a uma intervenção musculada durante uma concentração de cerca de uma centena de pessoas no centro histórico de Guimarães, que celebravam o arranque das Festas Nicolinas e o Dia do Pinheiro, tradição enraizada naquela cidade.

Em comunicado enviado às redações, a PSP diz ter verificado “uma concentração anormal de pessoas nas imediações do centro histórico de Guimarães, com os habituais bombos e trajes nicolinos”, sendo que essa concentração é habitual “à tarde e à noite”, pelo que, ao ocorrer de manhã, foi de forma “inopinada”, diz a polícia.

Ajuntamento no centro de Guimarães na manhã de arranque das Nicolinas

“Antes das 13:00, hora de proibição de circulação na via pública, por força do estado de emergência em vigor, foi possível dispersar os cidadãos, evitando-se uma intervenção pela força, com resultados sempre imprevisíveis|”, acrescenta a mesma nota de imprensa.

“A PSP adotará as medidas preventivas necessárias para que não se verifiquem ajuntamentos de dimensão e natureza similar ao verificado em Guimarães”, reforça o documento.

“Apelamos a todos os cidadãos que que adotem um comportamento cívico e responsável, e que de acordo com o aconselhado pela organização, este ano as festas Nicolinas sejam celebradas em casa”, escreve ainda o comando PSP do distrito de Braga.

“É a dimensão do cortejo do Pinheiro que dá grandeza às Festas Nicolinas”

Na noite de 29 para 30, tradicionalmente ‘enterra-se’ um pinheiro de grandes dimensões em Guimarães, sinal do arranque das Festas Nicolinas. Essa ação é similar ao erguer de mastro que se faz em vários pontos do Minho aquando das romarias nas paróquias.

Habitualmente, o pinheiro seria puxado durante o dia de hoje por juntas de bois, seguido por um cortejo liderado pelo Chefe dos Bombos com milhares de pessoas pelas ruas a acompanhar o espetáculo.

Este ano, face à pandemia, o ‘Pinheiro’ será enterrado em segredo, a uma hora não divulgada, para evitar ajuntamentos. Durante o dia, não existiu cortejo, mas os Nicolinos e muitos vimaranenses juntaram-se no centro histórico ao toque de bombos para assinalar o arranque das festas.

Continuar a ler

Populares