Seguir o O MINHO

Vitória SC

Vitória SC iniciou as comemorações dos 95 anos do clube

em

Brinde aos 95 anos

O Vitória SC, clube de Guimarães, iniciou esta manhã as comemorações dos 95 anos do clube. Júlio Mendes, presidente da direção, juntamente com Joaquim Alvim Barbosa, sócio número dois, hastearam a bandeira à porta do Afonso Henriques.

Na hora do discurso, Júlio Mendes destacou que o Vitória SC é uma instituição de “dimensão nacional e internacional”.

Anúncio

Futebol

Vitória entrega bens em casas de sócios acima dos 70 anos

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / Vitória SC (Arquivo)

O Vitória SC vai distribuir “bens de primeira necessidade” nas casas dos sócios com mais de 70 anos, para minimizar os efeitos da pandemia da covid-19, anunciou hoje o clube da I Liga portuguesa de futebol.

“De forma a proteger os vitorianos, o Vitória Sport Clube implementou um plano de ação que visa o apoio aos sócios com mais de 70 anos de idade. Os associados mais vulneráveis à pandemia da covid-19 que necessitem de bens essenciais ou artigos de farmácia podem usufruir do serviço de entrega em casa”, informa um comunicado publicado pelo emblema minhoto no sítio oficial na Internet.

Os vitorianos, refere ainda a nota, estão já “a contactar todos os associados” pertencentes ao “grupo de risco”, no âmbito da pandemia do novo coronavírus, de forma a conhecerem as suas “necessidades” e a divulgarem os “procedimentos” a adotar nas entregas.

O clube de Guimarães prometeu “cumprir todos os procedimentos de segurança recomendados pela Direção-Geral da Saúde” na implementação do “serviço de apoio”.

Continuar a ler

I Liga

Racismo: Conselho de Disciplina “está limitado” à aplicação dos regulamentos

Caso Marega

em

Foto: Twitter de FC Porto

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) “está limitado” à aplicação do regulamento disciplinar, disse hoje o presidente, que explicou que não pode ser este órgão a “preencher as falências das normas disciplinares”.

José Manuel Meirim explicou, em comunicado, que este fim de semana se registou “uma situação de violência cujos factos serão, necessariamente, apurados em adequado procedimento disciplinar”, com o CD a anunciar a abertura do processo ao Vitória SC, devido a insultos racistas ao futebolista maliano do FC Porto Moussa Marega.

Conselho de Disciplina abre processo disciplinar ao Vitória

O presidente do CD frisa que o órgão “tem como uma das suas bandeiras” o sancionamento de infrações disciplinares devido a comportamento incorreto e violento do público e que não se demitirá das suas responsabilidades, mas apenas o pode fazer “quando exista prova e nos termos dos regulamentos”.

“O Conselho de Disciplina não cria as normas que lhe é dever aplicar. Ao Conselho cabe a tarefa – não isenta de responsabilidades – de aplicar as normas aprovadas pelos órgãos competentes para tal”, refere.

José Manuel Meirim frisou que o CD não tem liberdade para aplicar sanções “para além das balizas que lhe são impostas” e que não pode ser o órgão a “preencher as falências das normas disciplinares que não cobrem – ou não cobrem devidamente – tudo aquilo que, em dado momento, se entende que deveria estar previsto”.

“Os poderes disciplinares exercidos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol são poderes sancionatórios de natureza pública e daí decorre que o órgão se encontra bem limitado na aplicação das normas disciplinares, o que faz todo o sentido”, defendeu.

O presidente do CD dá o exemplo de um artigo do regulamento disciplinar das competições organizadas pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, o 113.º, para comportamentos discriminatórios em função da raça, religião ou ideologia.

“Os clubes que promovam, consintam ou tolerem a exibição de faixas, o cântico de slogans racistas ou, em geral, com quaisquer comportamentos que atentem contra a dignidade humana em função da raça, língua, religião ou origem étnica são punidos com a sanção de realização de jogos à porta fechada a fixar entre um mínimo de um e o máximo de três jogos e, acessoriamente, a sanção de multa de montante a fixar entre o mínimo de 200 unidades de conta (20.400 euros) e o máximo de 1.000 unidades de conta (102.000 euros)”, destacou.

José Manuel Meirim explica que para sancionar um clube ou uma sociedade desportiva é necessária a existência de prova, “a recolher ou não na instrução disciplinar, pelo órgão próprio, que não o Conselho”, de que tenha ocorrido uma situação de promoção, consentimento ou tolerância.

No domingo, o avançado do FC Porto Moussa Marega recusou-se a permanecer em campo, ao minuto 71 do jogo, após ter sido alvo de cânticos racistas por parte dos adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os ‘dragões’ venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro.

Depois de pedir a substituição, Marega, que já alinhou no emblema minhoto e tinha marcado o segundo golo dos ‘azuis e brancos’, dirigiu-se para as bancadas do recinto vimaranense, com os polegares a apontarem para baixo, situação que originou uma interrupção do jogo durante cerca de cinco minutos.

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória SC tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, tendo acabado por ser substituído por Manafá.

Fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou à Lusa a identificação de várias pessoas suspeitas de dirigirem cânticos e insultos racistas a Marega, sem adiantar o número de suspeitos, acrescentando que continua a efetuar diligências para identificar outros envolvidos.

O Ministério Público instaurou um inquérito na sequência deste incidente, que já mereceu a condenação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, entre outros.

Este comportamento configura um crime previsto no Código Penal punido com prisão de seis meses a cinco anos e uma contraordenação sancionada com coima entre 1.000 e 10.000 euros.

Continuar a ler

Vitória SC

Folha confiante na conquista de pontos na visita ao Vitória

13.ª jornada da I Liga

em

Foto: DR/Arquivo

O treinador do Portimonense manifestou-se hoje confiante na conquista de pontos na deslocação ao Vitória SC, em jogo da 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, embora anteveja “muitas dificuldades” diante de um adversário de qualidade.

“Estamos preparados para enfrentar as dificuldades que o Vitória, certamente, nos irá criar, mas espero que possamos estar numa noite boa para discutir o jogo e conseguir fazer pontos, que é aquilo que desejamos”, disse o técnico António Folha.

O treinador dos algarvios falava em conferência de imprensa de antevisão do jogo que opõe o Vitória SC, sétimo classificado, com 17 pontos, ao Portimonense, 15.º, com 11, que se disputa no domingo, às 15:00, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

António Folha indicou que a equipa algarvia tem trabalhado bem ao longo da semana, o que lhe permite encarar o jogo “com otimismo, para fazer um bom resultado, somar pontos e dar continuidade ao que de bom tem sido feito”.

“A vitória no último jogo sobre Famalicão [2-1] foi importante, aliás, uma vitória é sempre importante, permitiu somar três pontos, que é o mais importante. Essa foi bem conseguida e queremos dar continuidade a esse trabalho”, sublinhou.

O treinador revelou que vai ter de fazer alterações à equipa para o jogo com o Vitória SC, devido às ausências forçadas do habitual titular Pedro Sá, devido a castigo, e de Bruno Tabata e Hackman, a recuperarem de lesões.

“São baixas que são sempre importantes, mas temos de ir a jogo com outros. Paciência, é a vida”, resignou-se o treinador.

Continuar a ler

Populares