Seguir o O MINHO

Braga

Theatro Circo organiza vigília em homenagem a Gabriela, vítima de violência doméstica em Braga

Gabriela Monteiro foi esfaqueada com “dez golpes”

em

Foto: DR

O Theatro Circo, em Braga, vai encerrar as portas e fazer esta noite uma vigília pela morte da uma funcionária, esfaqueada quarta-feira pelo companheiro, num gesto que pretende ser também “um grito de alerta” contra a violência doméstica.

“Pela Cultura também se educa. Nem uma vítima mais”, explicou à Lusa o diretor artístico da sala de espetáculos do Minho, Paulo Brandão, que adiantou ainda que além de encerrar as portas durante o dia, também a Companhia de Teatro de Braga (CTB) cancelou o espetáculo previsto para hoje.

O palco será às portas do Theatro de Rua naquele que se espera que seja um “momento de reflexão, solidariedade e de alerta” contra um “flagelo que afeta a sociedade e não deve ser escondido”.

Segundo Paulo Brandão, a vítima “era parte da equipa, da família do Theatro Circo, desde 2010” e deixa “na memória dos colegas uma profunda bondade, a simpatia e o sorriso fácil, a prontidão em ajudar em todas as situações, mesmo em momentos de adversidade”.

O responsável salienta que a vítima, Gabriela, “foi vítima de violência doméstica” e que o Theatro Circo, que conta com 17 mulheres na equipa para fazerem do espaço “um lugar de fruição de arte, de cultura, de harmonia, não pode deixar de repudiar profundamente este ato de violência que tirou a vida a uma das melhores pessoas que contribuía diariamente para esta casa”

“Convidamos a cidade a juntar-se a nós, vestindo de branco e trazendo consigo uma flor”, pediu Paulo Brandão.

Paulo Fernandes. Foto: DR

A Gabriela, que tinha 46 anos e deixa dois filhos, foi morta “por uma arma branca”, sendo que o suspeito do crime entregou-se numa esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP), disse à agência Lusa fonte desta força policial.

Paulo Fernandes, de 48, entregou-se “numa esquadra do Comando Distrital de Braga indicando que feriu a sua companheira com uma arma branca”.

“A PSP deslocou-se ao local indicado pelo suspeito, a via pública, e encontrou a vítima. Foram acionados os meios de emergência e o óbito foi declarado no local”, referiu a mesma fonte.

26.ª vítima este ano

Gabriela Monteiro é a vigésima sexta vítima mortal de violência doméstica, este ano, em Portugal. Na lista, de acordo com dados da Procuradoria Geral de República (PGR), constam 20 vítimas do sexo feminino e seis do sexo masculino. 25 adultos e uma criança.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Na região do Minho, esta foi a quarta morte registada em 2019, no âmbito deste crime.

O primeiro caso ocorreu em março, em Salamonde, Vieira do Minho, e vitimou uma mulher de 39 anos, num caso que chocou o país. O agressor, marido da vítima, foi acusado pelo Ministério Público, esta quarta-feira, de homicídio qualificado. Terá esganado a esposa.

Em agosto, há registo de dois casos. Em Gondifelos, Vila Nova de Famalicão, uma mulher foi morta pelo marido, que se suicidou de seguida. Em Pedralva, no concelho de Braga, uma mulher, de 54 anos, morreu após de ter sido alvejada por três tiros de caçadeira. O suspeito é o marido, de 59, pedreiro de profissão.

Fora do país, também foram conhecidos dois casos a envolver cidadãos portugueses. Nos Estados Unidos, uma mulher da região de Sintra foi esfaqueada mortalmente pelo companheiro, em maio. No Luxemburgo, uma mulher brasileira foi morta pelo marido, natural de Lama, Barcelos, também por esfaqueamento.

Em março, outra mulher morreu colhida por um comboio, em Vila Nova de Famalicão, num aparente caso de suicídio, tendo vindo a saber-se que também era vítima de violência doméstica.

 

Notícia atualizada às 15h56 com mais conteúdo.

Populares