Seguir o O MINHO

Desporto

Prozis quer levar Vilaverdense ao topo do futebol português

em

Fotografia do plantel do Vilaverdense 2016/2017 (08/2016). DR

Os sócios do Vilaverdense aprovaram esta quinta-feira à noite, por unanimidade, a constituição de uma SAD – Sociedade Anónima Desportiva, caso o clube venha a subir à II Liga.


Na assembleia geral extraordinária ficou definido que os futuros acionistas da sociedade desportiva serão a Prozis, com 75% do capital, e o clube, com 25%. De acordo com a lei, as sociedades desportivas que participem na II Liga devem ser constituídas com um capital social mínimo de 498.797,90 euros.

Em contrapartida, a empresa de Miguel Milhão irá investir 200 a 300 mil euros anuais no clube e o Vilaverdense entre 40 e 75 mil.

O Vilaverdense é presidido desde maio de 2016 por Eduardo Milhão, pai do fundador da Prozis, maior loja de nutrição para desportistas da Europa, do grupo OSIT, de Esposende, que mantém uma parceria com o clube, através da Prozis Football Academy, e que também patrocina de diversas formas, incluindo no naming, designando-se o clube por Vilaverdense FC/Prozis.

A empresa de Miguel Milhão, que é também vice-presidente da direção dos de Vila Verde, tem uma ligação forte ao mundo do futebol, nacional e internacional, já que é patrocinadora dos principais clubes e competições do futebol português e também de clubes estrangeiros, como o Mónaco, de França, e o Valência, de Espanha.

Para além disso, o empresário de enorme sucesso tem proximidade com altos dirigentes do futebol português, tendo ainda recentemente participado numa iniciativa solidária com Luis Filipe Vieira, presidente do Benfica. O clube de Lisboa, através da Fundação Benfica, avançou para a construção da casa sonhada por dois jovens de Braga, que se encontrava iniciada aquando da explosão que vitimou os seus pais, em 2015, cujo projeto apresentou em fevereiro, antes do SC Braga-Benfica.

Presidente do Benfica na apresentação do projeto de uma casa para dois jovens de Braga.

“Este sonho torna-se possível concretizar graças à Fundação Benfica e ao contributo de diversos parceiros de que destacamos o apoio mecenático da Prozis“, vincou o clube no seu site na Internet.

O sucesso da empresa que decidiu apostar no clube de Vila Verde  tem merecido vários destaques na imprensa.

Reportagem de 2015 do “Dinheiro Vivo”, suplemento económico do Jornal de Notícias, sobre a empresa. [LER]

A assembleia da noite de quinta-feira ficou ainda marcada por coincidir com o dia em que morreu uma importante figura da história do clube, o carismático Martinho Antunes, primeiro massagista do clube fundado em 1953.

Atualmente, o Vilaverdense segue em primeiro lugar da Fase de Manutenção do Campeonato de Portugal – antiga “II Divisão B”, escalão no qual permanecerá na próxima época.

Anúncio

Futebol

Vitória entra a perder na Liga

I Liga

em

Foto: Twitter

Um golo de Cafú Phete, aos 47 minutos, permitiu hoje ao Belenenses SAD começar a I Liga portuguesa de futebol com um triufo sobre o Vitória (1-0), num jogo em que foi a equipa mais esclarecida.

O tento do jogador sul-africano, de 26 anos, no regresso a Guimarães para defrontar a antiga equipa, decidiu um encontro em que o Vitória teve mais de 60% de posse de bola, mas raramente desequilibrou a equipa ‘azul’, quase sempre organizada a defender e perigosa quando dispunha de espaço para contra-atacar.

Após um minuto de silêncio em memória de Basílio Marques, antigo jogador e treinador adjunto do Vitória, o desafio começou pouco intenso, com os anfitriões a terem mais bola nos primeiros minutos e a disporem do primeiro remate perigoso, aos sete minutos, quando Sacko atirou por cima.

O Belenenses SAD, que surgiu em Guimarães com quatro reforços – Henrique, Cauê, Afonso Taira e Miguel Cardoso -, respondeu pouco depois, num lance em que Cassierra falhou o remate decisivo na pequena área, e controlou o embate até à meia hora, mostrando-se compacto na hora de defender, com vários elementos atrás da linha da bola, e rápido a subir pelas alas nos momentos de ataque, embora sem criar oportunidades.

O ‘onze’ vitoriano, composto por seis reforços – Bruno Varela, Jorge Fernandes, Abdul Mumin, Jonas Carls, Pepelu e Lyle Foster -, sentiu muitas dificuldades para construir ataques, limitando-se, várias vezes, a trocar a bola no quarteto defensivo, mas subiu de produção no último quarto de hora da etapa inicial.

Nesse período, a bola chegou mais vezes ao trio da frente e tanto Lyle Foster, aos 29 minutos, como Marcus Edwards, aos 33, e André André, aos 35, ameaçaram o golo inaugural, antes de Jorge Fernandes introduzir o esférico na baliza ‘azul’, aos 40, num lance anulado por fora de jogo.

A segunda parte abriu com o golo da equipa treinada por Petit: na sequência de um canto batido na direita, Tiago Esgaio tocou ao de leve na bola e Cafú Phete, já na pequena área, desviou para o fundo da baliza, marcando à equipa que representou entre as épocas 2015/16 e 2018/19.

A partir daí, o jogo desenrolou-se quase exclusivamente no sentido da baliza ‘azul’, com Sacko a ameaçar o golo ao minuto 49, num remate centímetros acima da trave.

A formação orientada por Tiago Mendes instalou-se no meio-campo adversário, mas exibindo um futebol quase sempre inconsequente, com as sucessivas trocas de bola em redor da área a ‘esbarrarem’ na retaguarda contrária.

Pelo meio, o internacional português Ricardo Quaresma estreou-se com a camisola vitoriana, ao entrar para o lugar de Marcus Edwards, aos 62 minutos, consumando o regresso à I Liga portuguesa cinco anos depois de ter deixado o FC Porto.

O extremo, de 36 anos, ainda conseguiu uns cruzamentos para a área do Belenenses SAD, mas sem seguimento por parte de uma equipa que raramente colocou em perigo a vantagem dos comandados de Petit.

As duas melhores ocasiões da segunda parte pertenceram, aliás, à equipa de Lisboa, já nos descontos: Bruno Varela negou os golos a Cassierra, que estava isolado, e a Afonso Sousa, num remate de longe.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Vitória SC – Belenenses SAD, 0-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

0-1, Cafú Phete, 47 minutos.

Equipas:

– Vitória SC: Bruno Varela, Sacko, Jorge Fernandes, Abdul Mumin, Jonas Carls, Pepelu (Dénis Poha, 69), André André, Janvier, Marcus Edwards (Ricardo Quaresma, 62), Rochinha e Lyle Foster (Noah Holm, 62).

(Suplentes: Matous Trmal, Suliman, Sílvio, Dénis Poha, Kim Jung-Min, André Almeida, Abouchabaka, Ricardo Quaresma e Noah Holm).

Treinador: Tiago Mendes.

– Belenenses SAD: André Moreira, Tiago Esgaio, Henrique, Tomás Ribeiro, Rúben Lima, Cafú Phete, Cauê (Bruno Ramires, 62), Afonso Taira, Silvestre Varela (Afonso Sousa, 66), Miguel Cardoso e Cassierra.

(Suplentes: Guilherme, Diogo Calila, Danny, Samir, Bruno Ramires, Afonso Sousa, Francisco Teixeira, Robinho e Edi Semedo).

Treinador: Petit.

Árbitro: Manuel Oliveira (Associação de Futebol do Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Henrique (44), Cauê (51), Miguel Cardoso (58), André André (65) e Afonso Taira (74).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

(notícia atualizada às 23h50)

Continuar a ler

Futebol

Belenenses vai apresentar queixa-crime contra Pedro Proença e Liga de clubes

Polémica

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O Belenenses anunciou hoje que vai apresentar queixa-crime contra a Liga de clubes e seu presidente, defendendo que o organismo “continua a atropelar” os seus direitos, como a permissão da utilização do termo ‘Belenenses SAD’ nas suas provas.

“O Clube de Futebol ‘Os Belenenses’ informa que nos próximos dias alargará a queixa-crime que já corre os seus trâmites contra o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e contra a própria Liga”, pode ler-se na página oficial dos ‘azuis’ do Restelo na Internet.

A posição tomada pelo clube dirigido por Patrick Morais de Carvalho acontece no dia em que arrancou a edição 2020/21 da I Liga, em que o Belenenses SAD visita o campo do Vitória de Guimarães, com o termo que o clube lisboeta considera ser uma “usurpação da sua identidade por parte da SAD”.

A direção do Belenenses considera que “as equipas da B-SAD não se podem apresentar como ‘Belenenses’, ‘Belenenses SAD’ ou qualquer outra fórmula confundível com a marca Belenenses” e acusa a Liga de clubes de “continuar a atropelar os seus direitos”.

“Hoje, depois de muito alertada pelo clube de que não autoriza a utilização da marca registada Belenenses pela B-SAD nas competições que organiza, constatámos que a Liga decidiu continuar a atropelar os nossos direitos nesta época 2020/2021, num cúmulo inaceitável de desvergonha e explicando-nos, assim, que não estamos perante um caso de compreensão lenta (dois anos é mais que suficiente), mas sim de uma imensa vontade de colaborar na usurpação do nosso património”, argumentou.

E acrescenta: “É cúmplice quem presta auxílio material ou moral à prática de um crime. A Liga bisa nesta matéria, metendo golos todos os dias, desde novembro de 2018, no auxílio material e no auxílio moral que presta à SAD para a prática dos crimes de desobediência qualificada.”

O clube lisboeta avisa ainda que “não vai, jamais, abdicar da defesa intransigente dos seus direitos”.

Continuar a ler

Futebol

“A vitória do Benfica é justíssima”

João Pedro Sousa

em

Foto: DR

Declarações dos treinadores do Famalicão e do Benfica, no final do encontro da 1.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

João Pedro Sousa (treinador do Famalicão): “A vitória do Benfica é justíssima. Foram superiores. Dominaram o jogo taticamente, tecnicamente. Foram superiores e fisicamente houve uma diferença muito grande. No entanto, começámos até relativamente bem, conseguimos encontrar os espaços. Estávamos a conseguir aquilo que queríamos para o jogo. Mas depois, dois pequenos ressaltos, dois pequenos erros, resultaram em dois golos. O segundo até depois de termos a nossa primeira oportunidade de golo. Acusámos um bocadinho em termos emocionais. Depois não conseguimos dar resposta. É um resultado justo.

Perdemos com uma grande equipa. Estamos com dificuldades. Temos que as resolver cá dentro. Estou a falar de ordem física. No entanto, estou contente com os jogadores, com a forma como jogámos, porque aquilo que planeámos conseguimos colocar dentro do campo e isso é bom sinal.

Se me perguntarem se gostei mais deste jogo ou do da primeira jornada do ano passado, em que ganhámos, digo que gostei mais deste.

O Toni Martínez é jogador do Famalicão. Hoje esteve bem, numa missão de grande sacrifício. Conto com ele para a próxima jornada.

Vamos precisar de mais algum tempo para ficarmos mais fortes e mais competitivos.

Temos que marcar mais e sofrer menos. No ano passado referi que estávamos com jogadores desconhecidos, mas que iam passar a conhecer. E foi isso que aconteceu. E volto a dizer isso este ano. Há jogadores que estão no Famalicão e que vão ser importantes no nosso campeonato.

Estamos melhor do que há um ano. Precisamos dos jogadores que contratámos, que fiquem prontos para a competição. Não deixo de estar contente com eles.”

Jorge Jesus (treinador do Benfica): “O Benfica nunca será à minha imagem, será à imagem do Benfica. Para jogares no Benfica tens que saber jogar à Benfica. É a história das grandes equipas do Benfica. É o que pretendemos que os jogadores façam. Hoje, conseguimos fazer com mais facilidade. Fizemos cinco golos, podíamos ter feito mais.

Foi um jogo que entrámos muito forte, com uma equipa a fazer muita pressão e conseguimos ser mais objetivos na concretização.

Goleamos no primeiro jogo, que era aquilo que queríamos. Continuamos com a mesma esperança e confiança naquilo que queremos. Sabemos que a caminhada do Benfica vai ser longa e difícil.

Quando falo em arrasador, falo num Benfica que joga para ganhar. Se fizermos uma comparação entre o arrasar e jogar a dobrar tem tudo a ver com patamares superiores. O Benfica tem que jogar sempre para ganhar. Jogar melhor tem a ver com isso. O Benfica vai tentar ser uma equipa arrasadora na forma de pensar e depois o próprio jogo é que vai ditar se vamos conseguir.

Ainda andamos à procura da equipa base. Ainda não há tempo para ter uma certeza absoluta do que vai ser no futuro. Uma equipa para mim não são só os onze.

Ainda temos a Liga Europa. Não era essa competição que queríamos. O Benfica vai com os objetivos bem definidos, sabendo que temos muitas possibilidades. O primeiro grande objetivo é a conquista do campeonato nacional.”

Continuar a ler

Populares