Seguir o O MINHO

Região

Vila Verde, Terras de Bouro e Gerês ainda sem infetados. Em Amares há dois confirmados

em

Os concelhos de Vila Verde e Terras de Bouro (que abrange a vila do Gerês) ainda não registaram nenhum caso positivo de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19, disseram a O MINHO os respetivos presidentes de câmara. O concelho de Amares, no entanto, regista já dois casos positivos, disse o edil Manuel Moreira. Os dados são válidos até às 14:00 horas deste sábado.


Contactada a propósito por O MINHO, António Vilela, presidente da Câmara de Vila Verde, assegurou que ainda não existem casos confirmado nas 33 freguesias do concelho.

A autarquia tem levado a cabo algumas ações para “minimizar o impacto na economia dos munícipes”, como é o caso da redução das tarifas de água e saneamento, a suspensão de execuções fiscais e a prorrogação dos prazos de pagamento voluntário.

Fonte da autarquia vila-verdense disse ao nosso jornal que “está ainda a ser preparada um conjunto de medidas adicionais dirigidas ao apoio da atividade económica no âmbito da agricultura, comércio, indústria e serviços”.

Foi ainda criada uma linha de atendimento telefónico, pelos números 253 323 002 / 926 288 134, todos os dias úteis, das 09:00 às 18:00, para apoiar “os mais idosos e todos aqueles que precisem de apoio” devido a situações relacionadas com o impacto da luta contra a pandemia.

Terras de Bouro

Em Terras de Bouro, um dos concelhos do distrito de Braga com maior extensão, mas também um dos menos populados, ainda não existem registos positivos da infeção, disse Manuel Tibo, presidente da Câmara.

O concelho abrange locais de turismo de montanha, como é o caso das serras do Parque Nacional Peneda-Gerês, mas para já parece ter escapado incólume, mesmo com o grande afluxo de turistas que se regista ao longo de todo o ano.

A autarquia tinha decidido colocar em quarentena todos os que regressassem ao concelho, vindos de um país estrangeiro, medida que foi entretanto revogada após a ARS-Norte ter divulgado um despacho que vai no mesmo sentido.

Na página da autarquia é possível ler-se o horário “obrigatório” para os estabelecimentos que sejam considerados como prioritários, e que não podem encerrar. Minimercados, supermercados, grandes superfícies, padarias, quiosques, talhos e restaurantes de encomendas ou take-away  têm obrigatoriamente de estar abertos num determinado horário imposto pela autarquia. Já as farmácias mantêm os horários habituais.

Amares com dois casos

Já o concelho de Amares, que fecha a região conhecida como vale do rio Homem, que vem do Gerês até desaguar no Cávado, em Soutelo, regista já dois casos confirmados, disse a O MINHO Manuel Moreira, presidente da autarquia. A mesma fonte não soube indicar mais pormenores sobre os infetados.

A autarquia também tem levado a cabo o plano de contingência, agora desvinculado face à proclamação de Estado de Emergência.

Braga com 27 confirmados

Conforme já noticiado por O MINHO ao início da tarde deste sábado, no concelho de Braga existem 27 casos confirmados, revelou fonte oficial da proteção civil.

12 mortos e 1.280 casos confirmados

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 1.280 casos em Portugal, anunciou, este sábado, a Direção-Geral da Saúde (DGS), mais 260 do que na sexta-feira. Estão confirmados 12 óbitos.

Fonte: DGS

Foram confirmados mais seis óbitos em relação a sexta-feira.

Há 1.509 casos suspeitos que aguardam resultado laboratorial e cinco pacientes dados como curados.

Fonte: DGS

Dos 1.280 confirmados, 156 estão internados enquanto os restantes recuperam em casa.

Existem 35 em estado grave/crítico.

644 casos são no Norte do país, 448 na Grande Lisboa e 137 no Centro. Algarve tem 31 casos confirmados, Açores três e Madeira cinco. O Alentejo regista três casos. Há ainda nove portugueses no estrangeiro com confirmação de infeção.

Notícia atualizada às 18h14 com a identificação das fontes oficiais

Anúncio

Barcelos

Violenta colisão corta estrada Famalicão-Póvoa e faz um ferido

EN 206

em

Foto: José Fischer Cruz no grupo de Facebook "Moina na Estrada"

Uma pessoa sofreu ferimentos na sequência de uma colisão entre duas viaturas ligeiras ao final da tarde desta quinta-feira, na EN 206, que liga Famalicão à Póvoa de Varzim.

O sinistro ocorreu num cruzamento na freguesia de Negreiros, concelho de Barcelos, provocando o corte da estrada.

Para o local acorreram meios dos Bombeiros de Viatodos e da Cruz Vermelha de Macieira de Rates.

Mais pessoas ficaram feridas na sequência do acidente mas recusaram transporte hospitalar.

A vítima foi transportada pela ambulância INEM dos Bombeiros de Viatodos para o Hospital de Povoa de Varzim.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Vítimas de assalto ao Santander de Braga lamentam perda de jóias de valor sentimental

Crime

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O Tribunal de Braga ouviu, hoje, vários dos assistentes no processo, concretamente pessoas que tinham dinheiro e joias nos cofres alegadamente assaltados, em 2018, por um gangue no banco Santander, em Braga.

O Ministério Público calcula que, só do banco três dos dez arguidos levaram 2,6 milhões em dinheiro e 400 peças de 52 cofres. Ao todo, quatro milhões.

Os lesados pormenorizaram ao coletivo de juízes quais os valores em causa e a sua proveniência, e o sentimento de perda que sentiram aquando do furto e que ainda sentem hoje, já que, em vários casos, havia recordações de família com dezenas de anos, de “inestimável valor sentimental”. “Algo insubstituível e que ainda hoje lhes causa “mágoa”.

Os dez arguidos estão acusados de terem assaltado o banco Santander, na dependência da Avenida Central, em Braga, e várias vivendas na região minhota.

Na semana passada, o Tribunal concluiu a audição das vítimas de assaltos, os militares do NIC (Núcleo de Investigação Criminal) da GNR, que coordenaram o inquérito policial.

As audiências, que decorrem no pavilhão desportivo de Maximinos, foram, agora, abertas ao público, o que não sucedeu nas últimas três sessões.

Em julgamento, estão nove homens – quatro em prisão preventiva e um em domiciliária – e uma mulher, por assaltos ao Santander e a dez vivendas.

Eles estão acusados de associação criminosa e furto qualificado, e a mulher, companheira de um deles, apenas por furto. O grupo está acusado pelo MP de furtar 4,7 milhões, em dinheiro e bens, (sem contabilizar a moeda estrangeira), em dez assaltos a casas e ao Santander, em Braga, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez e Viana do Castelo.

Entre os lesados, com casas assaltadas e carros furtados, estão o empresário Domingos Névoa, o cantor limiano Delfim Júnior, e o médico e antigo atleta do SC Braga, Romeu Maia. A investigação foi da GNR e da PJ/Porto.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Autarca de Viana vai ‘dar tudo’ para travar exploração de lítio na Serra d’Arga

Minério

em

Foto: DR

O presidente da Câmara de Viana do Castelo afirmou hoje que tudo será feito para impedir a exploração de lítio na Serra d’Arga, sublinhando que em causa está “uma pérola” ambiental que não pode ser desperdiçada com explorações mineiras.

Na reunião do executivo, em resposta a uma pergunta do PSD, José Maria Costa (PS) acrescentou que os municípios de Viana, Caminha, Ponte de Lima e Cerveira estão a trabalhar no processo de classificação da Serra d’Arga como Área de Paisagem Protegida, naquele que poderá ser um triunfo decisivo para travar a exploração de lítio.

“Tudo faremos para impedir a exploração de lítio. A Serra d’Arga é uma pérola que não podemos desperdiçar com explorações mineiras”, sublinhou o autarca.

José Maria Costa vincou a intenção da região em transformar aquela serra num “santuário ambiental”, rentabilizando-a através de uma aposta no turismo da natureza.

Por isso, e com a ajuda de uma equipa técnica contratada para o efeito, os quatro municípios estão a preparar o processo para o avanço do pedido da classificação como Área de Paisagem Protegida.

José Maria Costa adiantou ainda que os municípios dispõem de informação de que a qualidade do lítio e da matéria-prima que existe na Serra d’Arga “não é relevante”.

“Mais uma razão para podermos ter um outro tipo de aproveitamento, na área ambiental e na valorização de um recurso turístico sustentável”, disse ainda.

Na semana passa, no Porto, o secretário de Estado da Energia disse à Lusa que a lei que regulamenta as regras ambientais em sede de prospeção de lítio está “pronta” e “deve ser aprovada em Conselho de Ministros brevemente”, sendo posteriormente lançado o concurso público.

Em julho de 2019, o Governo decidiu “excecionar” o sítio Rede Natura 2000 Serra d’Arga do conjunto de áreas a integrar no concurso para a prospeção de lítio, mas o porta-voz do movimento SOS Serra d’Arga, Carlos Seixas, assegurou em janeiro que se mantém a pretensão de exploração mineira naquela serra.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado, o Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio e minerais associados em nove zonas do país.

Devem ser abrangidas as áreas de Serra d’Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira.

Continuar a ler

Populares