Seguir o O MINHO

Vila Verde

Vila Verde: Foi ao quartel agradecer pessoalmente a bombeiro que lhe salvou a vida

Alberto, de 78 anos, esteve “como morto” perto de dois minutos, depois se sofrer uma paragem cardíaca, durante uma festa para idosos, mas o bombeiro Diogo conseguiu reanimá-lo. Hoje, reencontraram-se

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Viveram-se momentos de aflição durante o último passeio para idosos do concelho de Vila Verde, quando um septuagenário caiu na Quinta da Malafaia, em Esposende, fruto de uma paragem cardíaca. O homem, de 78 anos, esteve como morto durante cerca de dois minutos, acabando por ser reanimado por um bombeiro e pelo segundo-comandante dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde (BVVV), que se encontravam de prevenção. Vânia Rocha, enfermeira de profissão, também estava no local e foi parte ativa na tentativa de reanimação da vítima, frisando a premissa de união entre INEM e corpos de bombeiros, diariamente verificadas nas ocorrências registadas em todo o país.

Alberto Fernandes Sousa, 78 anos, natural da Póvoa de Lanhoso e a residir em Lage, no concelho vila-verdense, deslocou-se esta quinta-feira, dia 18 de julho, ao quartel dos BVVV para um agradecimento público ao bombeiro que, no espaço de dois minutos, lhe devolveu a vida.

A O MINHO, o antigo agente principal das esquadras da PSP de Braga e Guimarães, já recuperado, diz não ter palavras para descrever a gratidão perante os socorristas.

“Eu estava sentado numa cadeira e de repente senti-me mal e já só me lembro de acordar dentro de uma ambulância”, conta Alberto Sousa, acrescentando que “foi uma veia que entupiu e aparentemente fez-me parar o coração”. O veterano das forças de segurança esteve internado durante seis noites na Unidade de Cuidados Continuados do Hospital de Braga, estando agora em casa e em “boa recuperação”.

Alberto esteve no quartel de Vila Verde para agradecer pessoalmente aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Diogo Vaz, bombeiro que estava de prevenção durante aquele passeio concelhio, explica o procedimento que salvou a vida de Alberto.

“Alguém alertou que um senhor estava inconsciente e tivemos de atuar rapidamente”, realça Diogo Vaz, indicando que foram realizadas as manobras de suporte básico de vida mas que “o que o fez reavivar” foi o desfibrilhador que possuíam com eles naquele instante.

O bombeiro explicou, ainda, que decidiram levar o desfibrilhador para dentro da Quinta da Malafaia, em Esposende, já prevendo que alguma destas situações pudesse ocorrer, tendo em conta que se tratavam de cerca de 2 mil idosos num local onde dançam, comem e bebem. Recorde-se que, no passado, um idoso morreu durante um destes convívios organizados pela Câmara de Vila Verde, também na Quinta da Malafaia, quando um autocarro se destravou e o atropelou mortalmente.

Bombeiro Diogo Vaz visitou Alberto no Hospital de Braga. Foto: Facebook

Mas Alberto Sousa lutou pela vida e não quis entrar para uma estatística que se avizinhava negra. Diogo Vaz visitou a vítima no Hospital de Braga ao fim de alguns dias de internamento, para se inteirar do estado de saúde do mesmo.
“Foi uma situação marcante para mim e sem dúvida que são estas situações que nos enchem de orgulho por vestir este uniforme”, salienta.

Vila Verde devidamente equipada com desfibrilhadores

“Todas as nossas ambulâncias estão equipadas com estas máquinas que permitem salvar vidas”, sublinha Luís Morais, segundo-comandante da corporação e também ele de prevenção naquele evento. “Se não fosse a máquina, o senhor hoje não estava cá, isso é garantido”, disse o responsável por aquele corpo de bombeiros.

Nem todas as corporações têm este equipamento, mas a divisão de Vila Verde tem todas as ambulâncias equipadas com este tipo de máquinas que podem salvar vidas, como no caso relatado.

Já no que diz respeito a Alberto Sousa, a recuperação decorre com uma agradável velocidade, nada típica em alguém com 78 anos que esteve “como morto” durante perto de dois minutos.

Se pudessem, Alberto e Lurdes ofereciam uma “medalha de ouro” aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Se pudessem, Alberto e Lurdes ofereciam uma “medalha de ouro” aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHOAcompanheira, Lurdes Sousa, que estava presente no local, deixou ainda uma mensagem de agradecimento aos bombeiros, indicando que “se tivesse possibilidade, dava-lhes uma medalha de ouro”.

 

Notícia atualizada às 01h25, incluindo referência à presença da enfermeira Vânia Rocha, que também estava no local e foi parte ativa, e de grande importância, na reanimação.

Anúncio

Braga

UMinho quer ajudar a puxar crianças ciganas para a escola – e, em Vila Verde, já está a conseguir

Projeto que procura a “inclusão emancipada”, ao colocar o aluno “no centro das atenções”, está a ser testado num agrupamento escolar de Vila Verde

em

Foto: Ilustrativa / DR

O projeto “Rise”, aplicado num agrupamento escolar de Vila Verde, “conseguiu” diminuir o absentismo e insucesso escolar de alunos ciganos ao “inverter” o paradigma Ensino/ Apendizagem, procurando uma “inclusão emancipada” ao colocar o aluno “no centro das atenções”.

Em declarações à Lusa, a professora da Universidade do Minho e coordenadora do programa, RISE – Roma Inclusive School Experiences”, Maria José Casa-Nova, explicou que o projeto assenta em três pilares: articulação entre famílias e escola, interculturalidade e diálogo, formação de professores e articulação curricular.

Com base neste projeto, que teve início em 2018 e com data prevista para terminar em março de 2020, pretende-se que seja feito um ‘booklet’ de boas práticas para serem seguidas noutras escolas frequentadas por crianças ciganas e de outras minorias socioeconómicas, sendo que o “Rise” foi aplicado no pré-escolar, primeiro e segundo ciclo.

“Mais do que resultados quantitativos deste tipo de projetos é preciso retirar resultados qualificativos. Se por um lado é possível quantificar um menor abandono escolar e taxas de insucesso a diminuir, por outro é preciso salientar esses resultados foram conseguidos pela inversão do paradigma Ensino/ Aprendizagem para Aprendizagem/Ensino, colocando o aluno como o centro das atenções na sala de aula”, explicou a docente da Universidade do Minho e também membro do Observatório das Comunidades Ciganas, Maria José Casa-Nova

Para aquela “inversão”, os professores incluídos no projeto usaram “dispositivos pedagógicos” para levar os alunos a aprender as matérias escolares através do uso de mecanismos que fizeram deles “os protagonistas” das aulas.

“Por exemplo, foi pedido que levassem materiais para construir casas e nelas colocar aquilo que eles têm em casa deles. Neste exercício foi possível ver a multiculturalidade entre as crianças envolvidas e evidenciar as diferenças mas de forma positiva, enquanto aprendiam noções de matemática, meio-físico e português”, apontou a investigadora.

Quanto ao primeiro dos pilares referidos por Maria José Casa-Nova, a participação das famílias nas atividades e dinamização escolar, a investigadora disse ser possível concluir que “os pais e familiares das crianças ciganas aderiram e entraram em diálogo com os pais das outras crianças, que se mostraram cada vez mais recetivos às suas ideias e forma de participar no contexto escolar”.

“Conseguiu-se criar uma rede de sociabilidade sem que tenha havido má receção de nenhuma das partes”, salientou.

No segundo pilar, a formação dos professores, a investigadora apontou a “boa recetividade às ações de formação e o bom entendimento por parte dos docentes da inversão da equação Ensino/ Aprendizagem”.

O terceiro pilar, a articulação curricular, “foi aquele do qual mais resultados qualitativos foi possível retirar com o uso e construção dos dispositivos pedagógicos”.

Para Maria José Casa-Nova uma das “mais-valias” do projeto é ter tornado possível “incutir nas crianças, desde cedo, a consciência o não uso de práticas de desigualdade de género, trabalhar com elas para que percebam que homem e mulher podem fazer as mesmas coisas e que estão em igualdade de circunstâncias.

A coordenadora do “Rise”, embora reconhecendo que “estas alterações de mentalidades não acontecem num ano, nem em dois ou três”, salientou que “por algum lado tem que começar e ao começar desde cedo nos mais novos permite que eles levem estas ideias para casa e as comecem também a difundir e aplicar na sua comunidade”.

Por isso, Maria José Casa-Nova fala em “inclusão emancipada”: “Grande parte destas crianças, como outras noutros contextos socioeconómicos de descriminação, se não forem à escola buscar ferramentas de educação não as vão ter em lado nenhum. Por isso a escola tem que agir e formar ao mesmo tempo, trabalhando de forma a que cada sujeito possa fazer o seu caminho de emancipação”, explicou.

Os resultados do projeto, aplicado também em Itália e na Eslovénia, financiado pelo programa Direitos, Igualdade e Cidadania da Comissão Europeia, vão hoje ser apresentados na Universidade do Minho.

ATUALIZAÇÃO

Governo quer replicar programa da UMinho que quer puxar crianças ciganas para a escola

Continuar a ler

Braga

Suspeito de abusar de enteadas detido pela PJ em Vila Verde

Abuso sexual de criança

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga anunciou hoje a detenção de um homem de 48 anos, residente em Vila Verde, por alegado abuso sexual de duas enteadas desde 2015 até à atualidade.

Em comunicado, a PJ refere que o homem foi detido fora de flagrante delito e é “suspeito da eventual prática de vários crimes de abuso sexual de crianças”.

O detido vai ser presente a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação.

Continuar a ler

Braga

Prisão efetiva para cinco examinadores de condução de centro de exames de Vila Verde

Caso com 47 condenados, envolveu escolas de Vila Verde, Barcelos, Ponte de Lima, Vizela e Guimarães. Tribunal da Relação reduziu as penas a três deles

em

Penas de prisão efetiva confirmadas pelo Tribunal da Relação de Guimarães. Os juízes decretaram-na, para cinco ex-examinadores do centro de exames da ANIECA- Associação Nacional dos Industriais de Condução, que existia em Vila Verde. Por corrupção nos exames, teóricos e práticos, para obtenção de cartas de condução.

ANIECA. Foto: O MINHO / Arquivo

Em princípio, apenas o examinador, Joaquim Oliveira, pode recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça, dado que a sua pena é de oito anos. Aos outros, aplica-se o princípio da dupla conforme, ou seja, o de que a decisão se torna definitiva quando é aplicada duas vezes.

Aquele Tribunal da Relação diminuiu as penas a Joaquim Oliveira, de dez para oito anos, a José Miguel Mota, de seis para cinco anos e seis meses, e a João Abreu, de sete para cinco anos e seis meses.

Os juízes mantiveram as penas a 25 outros condenados em primeira instância no Judicial de Braga, não alterando as de prisão efetiva, dos examinadores, João Ribeiro, (quatro anos e três meses) e João Cancela (quatro e nove meses).

Estes cinco arguidos ficam, ainda, obrigados a entregar ao Estado um total de 730 mil euros.

47 condenados

Em 2018, o Tribunal condenou, ao todo, 47 arguidos, 42 com penas suspensas,entre examinadores, donos de escolas de condução, instrutores e alunos. Estes arguidos ficaram obrigados a entregar quantias em dinheiro – de cinco a mil euros – a diversas instituições sociais.

O Coletivo de Juízes sentenciou, ainda, um agente da GNR, que apanhou dois anos e meio por alegadamente ter pedido favores para três alunos. Houve, ainda, dois arguidos absolvidos.

O tribunal considerou provado que os alunos eram auxiliados pelos examinadores, a troco de quantias monetárias que, em média, variavam de 1.000 a 1.500 euros, no caso dos exames teóricos, e de 100 a 150 euros nos práticos.

Mas havia quem pagasse mais, como foi o caso do futebolista Fábio Coentrão, que desembolsou 4.000 euros, tal como o próprio testemunhou em tribunal. O caso envolveu escolas de Vila Verde, Barcelos, Ponte de Lima, Vizela e Guimarães, sendo que os factos decorreram entre 2008 e 2013.

Continuar a ler

Populares