Seguir o O MINHO

Alto Minho

Vila Nova de Cerveira avalia queixas sobre a cobertura de rede de telemóvel

em

Foto: DR/Arquivo

A Câmara de Vila Nova de Cerveira vai avaliar o funcionamento da rede móvel de comunicações no concelho na sequência de queixas de falta de cobertura que motivaram um abaixo-assinado da população da freguesia de Sopo, informou esta quinta-feira fonte autárquica.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Câmara Municipal explica que a autarquia de Sopo apresentou um abaixo-assinado em que cerca de 250 signatários sublinham “os transtornos provocados no dia-a-dia, difíceis de quantificar”, e a “falta de respeito gritante das empresas prestadoras de serviços para com os clientes” daquela freguesia.

No documento, a população de Sopo realça as “sucessivas reclamações/alertas feitas junto das operadoras e da ANACOM [entidade reguladora das telecomunicações], numa conversa de surdos que não surtiu qualquer efeito”.

O levantamento “mais alargado e exaustivo junto das várias freguesias”, que a Câmara Municipal vai fazer, destina-se a “perceber que outros pontos do concelho estão a ser afetados pelo mesmo problema de cobertura de rede móvel”, sustenta a autarquia. Na nota, o presidente da Câmara, Fernando Nogueira, adianta que o “objetivo é ter um dossiê completo e fundamentado para solicitar uma reunião à ANACOM”.

Em resposta escrita, na sequência de um pedido de esclarecimento feito pela agência Lusa, a ANACOM explicou que “as licenças atribuídas aos operadores não obrigam a garantir a cobertura total do território nacional”.

A autoridade reguladora das comunicações adiantou que “quando foram atribuídas as licenças de 4.ª geração móvel foram fixadas, no Regulamento do Leilão Multifaixa, obrigações de cobertura face à existência de várias freguesias tendencialmente sem cobertura de banda larga móvel (BLM)”.

De acordo com esse regulamento, “os operadores passaram a ter que cobrir 480 freguesias onde não existia banda larga móvel”.

“Também quando foram renovadas as licenças de UMTS dos operadores móveis, a ANACOM impôs a obrigação de cobertura com banda larga móvel de mais 588 freguesias. Está incluída nesta lista a freguesia de Covas, no concelho de Vila Nova de Cerveira”, especificou.

A ANACOM acrescentou que “apesar de os prestadores apresentarem, na globalidade do país, um bom nível de cobertura e desempenho de rede, subsistem ainda, mesmo no interior de uma dada freguesia, “zonas de sombra” – nomeadamente decorrentes das próprias características do serviço, que se suporta no espetro radioelétrico – as quais poderão refletir-se numa perda da qualidade do serviço prestado ou na impossibilidade total de utilização do serviço”.

Segundo a ANACOM “a orografia do terreno, a barreira de edifícios, por exemplo, podem fazer com que numa zona que é considerada coberta afinal existam zonas sombra”.

Anúncio

Alto Minho

Conhecido empresário e benemérito de Cerveira morre em Nova Jérsia

Óbito

em

Foto: DR / Arquivo

João Loureiro, conhecido empresário natural de Vila Nova de Cerveira, morreu na quinta-feira, em Nova Jérsia, nos Estados Unidos da América.

Fundador do restaurante Ibéria, um dos mais conhecidos por entre a comunidade portuguesa local, estava internado em estado crítico no Hospital de Saint Barnabas, onde acabou por falecer. Segundo o Correio da Manhã, terá morrido de infeção de covid-19, mas O MINHO, após contacto com pessoas que lhe eram próximas, não conseguiu confirmar que estaria infetado.

Foi, ao longo das últimas décadas, um dos principais beneméritos dos Bombeiros de Vila Nova de Cerveira, para além de apoiar outras instituições locais da região do Minho.

Era frequente João Loureiro organizar festas por entre a comunidade portuguesa de Nova Jérsia para angariar receitas para as instituições do distrito de Viana do Castelo.

“Todos recordaram, o homem que soube com o seu trabalho marcar uma página no seio da comunidade portuguesa. Quem não se lembra das festas do parque do Ibéria, quem não se lembra das grandes passagens de ano, quem não se lembra das festas para os seus bombeiros e a sua Cerveira natal. E a todos aqueles que o seu enorme coração ajudou”, escreve o portal LusoAmericano.

Também a Câmara de Vila Nova de Cerveira publicou uma homenagem, referindo-se a João Loureiro como um “cidadão de grande humanismo” e que “deixa um grande legado de bem fazer ao próximo fruto do seu espírito altruísta”.

Segundo avança o Correio da Manhã, o conhecido empresário lutava contra a infeção do novo coronavírus quando terá perdido a vida, informação que ainda não foi confirmada de forma oficial.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Fundação Belmiro de Azevedo doa 60 mil máscaras cirúrgicas a Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Fundação Belmiro de Azevedo vai doar 59.200 máscaras cirúrgicas à Câmara de Viana do Castelo, que posteriormente as irá distribuir pelas instituições sociais do concelho, foi hoje anunciado.

“Este equipamento é mais apropriado para proteção individual e a sua distribuição integra-se na política municipal que já permitiu entregar, nas primeiras duas semanas de Estado de Emergência, dez mil máscaras P1 e cinco mil pares de luvas às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho”, refere a mesma nota.

A Proteção Civil tem preparado diversas ações e medidas de proteção para fazer face à pandemia de covid-19. “Para além da instalação da Reserva Estratégica Hospitalar no Centro Cultural de Viana do Castelo e do fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual a quem trabalha nas IPSS, as medidas definidas incluem a disponibilização de testes de Covid-19 nos lares residenciais de idosos, desde que cumpram as prescrições médicas, e a criação de lugares de confinamento para quarentena profilática nos Centros Náuticos Municipais e Sedes dos Grupos Folclóricos do concelho, para cidadãos idosos com autonomia”.

Em comunicado, a autarquia capital do Alto Minho acrescenta ainda que serão entregues mil máscaras P2 ao Hospital de Viana do Castelo e 500 à Cruz Vermelha e aos Bombeiros Voluntários.

Continuar a ler

Alto Minho

Presidente da Câmara de Viana doa salário para ajudar sem-abrigo e pobres

Covid-19

em

Foto: Divulgação / Arquivo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo disse hoje que vai dar o seu salário de abril, de 2.500 euros líquidos, ao refeitório da paróquia de Nossa Senhora de Fátima, que serve diariamente cerca de 200 refeições.

No comunicado enviado às redações a informar da decisão de entregar o vencimento deste mês, o socialista José Maria Costa destaca “o trabalho do refeitório social do Centro Social e Paroquial de Nossa Senhora de Fátima, liderado pelo pároco Artur Coutinho, que serve diariamente cidadãos sem-abrigo e com extrema fragilidade económica”.

Em março, por proposta da maioria socialista, o executivo municipal aprovou, por unanimidade, “um apoio extraordinário de 20 mil euros” a esta instituição particular de solidariedade social, “cujo refeitório social está a servir cerca de 200 refeições por dia”.

Esta valência do Centro Social e Paroquial foi criada em 1990, inicialmente num espaço com capacidade para servir 36 utentes, que ali recorrem para ir buscar o almoço ou o jantar.

As novas instalações, num investimento de cerca de 250 mil euros, construídas com verbas do Centro Social da paróquia e com apoio da autarquia e do Centro Distrital da Segurança Social, abriram em agosto 2019, para responder ao aumento do número utentes que a antiga estrutura não tinha capacidade.

A paróquia de Nossa Senhora de Fátima, com outras valências de apoio social à infância, juventude e terceira idade, foi fundada 08 de dezembro de 1967, e o Centro Social surgiu em 1982. Tem atualmente cerca de 60 trabalhadores.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 94 mil.

Dos casos de infeção, mais de 316 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 409 mortes, mais 29 do que na véspera (+7,6%), e 13.956 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 815 em relação a quarta-feira (+6,2%).

Dos infetados, 1.173 estão internados, 241 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 205 doentes que já recuperaram.

 

Notícia atualizada às 23h19 com mais informação.

Continuar a ler

Populares