Seguir o O MINHO

Alto Minho

Vila Nova de Cerveira avalia queixas sobre a cobertura de rede de telemóvel

em

Foto: DR/Arquivo

A Câmara de Vila Nova de Cerveira vai avaliar o funcionamento da rede móvel de comunicações no concelho na sequência de queixas de falta de cobertura que motivaram um abaixo-assinado da população da freguesia de Sopo, informou esta quinta-feira fonte autárquica.


Em comunicado enviado à agência Lusa, a Câmara Municipal explica que a autarquia de Sopo apresentou um abaixo-assinado em que cerca de 250 signatários sublinham “os transtornos provocados no dia-a-dia, difíceis de quantificar”, e a “falta de respeito gritante das empresas prestadoras de serviços para com os clientes” daquela freguesia.

No documento, a população de Sopo realça as “sucessivas reclamações/alertas feitas junto das operadoras e da ANACOM [entidade reguladora das telecomunicações], numa conversa de surdos que não surtiu qualquer efeito”.

O levantamento “mais alargado e exaustivo junto das várias freguesias”, que a Câmara Municipal vai fazer, destina-se a “perceber que outros pontos do concelho estão a ser afetados pelo mesmo problema de cobertura de rede móvel”, sustenta a autarquia. Na nota, o presidente da Câmara, Fernando Nogueira, adianta que o “objetivo é ter um dossiê completo e fundamentado para solicitar uma reunião à ANACOM”.

Em resposta escrita, na sequência de um pedido de esclarecimento feito pela agência Lusa, a ANACOM explicou que “as licenças atribuídas aos operadores não obrigam a garantir a cobertura total do território nacional”.

A autoridade reguladora das comunicações adiantou que “quando foram atribuídas as licenças de 4.ª geração móvel foram fixadas, no Regulamento do Leilão Multifaixa, obrigações de cobertura face à existência de várias freguesias tendencialmente sem cobertura de banda larga móvel (BLM)”.

De acordo com esse regulamento, “os operadores passaram a ter que cobrir 480 freguesias onde não existia banda larga móvel”.

“Também quando foram renovadas as licenças de UMTS dos operadores móveis, a ANACOM impôs a obrigação de cobertura com banda larga móvel de mais 588 freguesias. Está incluída nesta lista a freguesia de Covas, no concelho de Vila Nova de Cerveira”, especificou.

A ANACOM acrescentou que “apesar de os prestadores apresentarem, na globalidade do país, um bom nível de cobertura e desempenho de rede, subsistem ainda, mesmo no interior de uma dada freguesia, “zonas de sombra” – nomeadamente decorrentes das próprias características do serviço, que se suporta no espetro radioelétrico – as quais poderão refletir-se numa perda da qualidade do serviço prestado ou na impossibilidade total de utilização do serviço”.

Segundo a ANACOM “a orografia do terreno, a barreira de edifícios, por exemplo, podem fazer com que numa zona que é considerada coberta afinal existam zonas sombra”.

Anúncio

Alto Minho

Trio de jovens assaltava casas de férias em Caminha

Crime

em

Foto: GNR

Três jovens foram constituídos arguidos por furtos em residências no concelho de Caminha, anunciou hoje a GNR.

Os detidos, de 20, 24 e 27 anos, já têm antecedentes criminais por furto e ofensas à integridade física.

A ação do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Viana do Castelo aconteceu quarta-feira, no âmbito de uma investigação por dois furtos em residência que decorria desde o início do ano.

Em comunicado, a GNR explica que os militares “apuraram que os suspeitos arrombaram as portas das residências de veraneio para conseguirem entrar e furtar os bens”.

No cumprimento de dois mandados de busca, uma domiciliária e uma em veículo, foi apreendido material furtado: consola e acessórios, um aparelho via verde e material de casa (candeeiros).

Os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Caminha.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Padre de Viana infetado com covid pede aos fiéis para estarem atentos a sintomas

Monsenhor Manuel Vilar

em

Foto: Diocese de Viana do Castelo

O pároco da Meadela, em Viana do Castelo, confirmou hoje à Lusa ter testado positivo para o novo coronavírus e pediu aos fiéis que com ele contactaram nos últimos dias para estarem atentos a eventuais sintomas da covid-19.

“Pedi ao sacerdote que me veio substituir na paróquia e que tem celebrado as missas desde a última sexta-feira para informar as pessoas do que se está a passar comigo, para estarem atentas a eventuais sintomas”, afirmou monsenhor Vasco Vilar.

O sacerdote de 76 anos que, na terça-feira, viu confirmada a infeção pelo novo coronavírus adiantou que a saúde pública de Viana do Castelo contactou as três pessoas da paróquia por ele indicadas por manterem relações de maior proximidade e que estão, como ele, em confinamento.

“As pessoas mais próximas de mim foram informadas pelas entidades de saúde pública. Estão todas bem. Eu também estou bem. Até estou intrigado por não ter nenhum sintoma”, declarou.

Desde 2013 integrada na União de Freguesias de Santa Maria Maior, Monserrate e Miadela.

Meadela tinha, de acordo com os Censos 2011, 9.782 habitantes.

“Acredito que tudo vai correr bem, mas é preciso que as pessoas estejam atentas”, alertou, referindo-se à necessidade do rastreio para evitar um surto da doença.

Vasco Vilar adiantou ter sido contactado, na sexta-feira passada, pelo delegado de saúde de Vila Nova de Famalicão, no distrito de Braga, após ter sido confirmada a infeção pelo novo coronavírus ao pároco de Ribeirão.

“Estive com o meu colega em finais de julho e na última sexta-feira fui contactado pelo delegado de saúde pública de Vila Nova de Famalicão e logo que me comunicaram meti-me em casa e pedi a outro padre para assegurar o serviço religioso da paróquia”, explicou o monsenhor.

Vasco Vilar afirmou que, desde o princípio da pandemia, se preocupou “em cumprir” as normas impostas pelas entidades de saúde e que, após estar curado, vai ser “mais exigente”.

“A igreja é desinfetada sempre, as pessoas usam máscara, temos gel desinfetante à entrada do templo, e para a comunhão mandei fazer uns acrílicos para não haver contacto com os féis”. especificou.

Contactada hoje pela Lusa, fonte do Secretariado Diocesano de Viana do Castelo disse tratar-se do primeiro caso de infeção entre sacerdotes, garantindo que os serviços religiosos no distrito de Viana do Castelo “cumprem as normas impostas pelas autoridades de saúde”.

“A Diocese de Viana do Castelo sempre colaborou com as autoridades de saúde no cumprimento das medidas de prevenção da covid-19 e assim continuará a ser”, salientou a mesma fonte.

A Diocese de Viana do Castelo, fundada através de uma bula do beato Paulo VI, publicada em 03 de novembro de 1977, abrange os 10 concelhos do Alto Minho.

A diocese mais jovem do país integra 291 paróquias espalhadas pelos 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo e tem cerca de 120 sacerdotes.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 743 mil mortos e infetou mais de 20,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.764 pessoas das 53.223 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Alto Minho

Baloiço do Mezio instala pontos de desinfeção poucas horas depois de polémica

Parque Nacional Peneda-Gerês

em

Foto: Facebook de Baloiço do Mezio

O Baloiço do Mezio, em Cabana Maior, concelho de Arcos de Valdevez, já tem pontos de desinfeção de mãos, depois da polémica levantada na terça-feira pela Rádio Vale do Minho, a quem uma cidadã avançou críticas por não existir este tipo de equipamento no local.

Joaquim Campos, presidente da Junta de Cabana Maior, tinha dito ontem a O MINHO que as pessoas é que tinham a responsabilidade de levar pequenos frascos de gel para a higienizarão antes da utilização do baloiço, mas, horas depois, em declarações ao jornal Pasquim da Vila, resolveu anunciar que estaria para breve a instalação desses postos.

A meio da tarde desta quarta-feira, a página do baloiço nas redes sociais divulgou fotografias a dar conta da novidade, que alegrou visitantes por poderem agora utilizar o equipamento em segurança.

Baloiço do Mezio com aglomerados. Autarca apela ao respeito pelas normas sanitárias

Recorde-se que, independentemente dos novos postos, o autarca deixou o apelo através no nosso jornal para que a população respeite as normas sanitárias, como a utilização de máscara e o distanciamento social.

Considerado o “maior baloiço de corda em Portugal”, o baloiço do Mezio tem mais de sete metros de altura e permite uma vista panorâmica para o Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Maior baloiço do país com vista panorâmica às portas do Gerês

Foi inaugurado no passado dia 11 de julho, no alto do Mezio, em Arcos de Valdevez, numa estrutura de madeira com 7,60 metros de altura.

Continuar a ler

Populares