Seguir o O MINHO

Alto Minho

Vila de Castro Laboreiro está “deserta” e sob um “silêncio total”

Covid-19

em

Castro Laboreiro é um dos pontos mais a norte de Portugal. Fica a 27 quilómetros da vila de Melgaço, sede do concelho. Foto: DR / Arquivo

A vila de Castro Laboreiro, a cerca de 27 quilómetros da sede do concelho, Melgaço, “está deserta” e sob um “silêncio total”, com o recolhimento imposto pelo surto do novo coronavírus.

“O silêncio é total. Não anda ninguém na rua. Hoje de manhã fui ao banco, a Melgaço, e em 27 quilómetros de caminho até à sede do concelho cruzei-me com quatro carros. Veja lá que fartura”, afirmou hoje à Lusa Adílio Pereira.

Integrada numa União de Freguesias que junta a aldeia de Lamas de Mouro, com um total de cerca de 500 habitantes, a vila de Castro Laboreiro, a mais de 100 quilómetros da capital do Alto Minho, Viana do Castelo tem, habitualmente, “pouco movimento”, mas como agora “nunca se viu”.

“Em agosto, com a chegada dos emigrantes, há mais gente a circular, mas agora acabou tudo. A pouca gente que há, sobretudo idosos, está metida em casa. A vila está deserta”, explicou o empresário de 67 anos.

Adílio vive com a família “mesmo no centro da vila”, onde residem “não chega a 100 pessoas”.

“Por ora não sei de casos de pessoas doentes por aqui, mas não sei como isto vai correr”, desabafou.

Os três restaurantes “que até aqui tinham clientela com os vizinhos galegos” que atravessavam a aldeia a caminho de Espanha, fecharam portas. Já quanto às duas mercearias, uma delas é de Adílio Pereira, não “há mãos a medir”.

Além do mercado Domingues, Adílio, a mulher e as duas filhas gerem ainda uma padaria/pastelaria, a Castrejinha.

Tal como nos grandes centros urbanos, o surto do novo coronavírus fez disparar o movimento.

“Nunca vi uma invasão como esta. Levam comida que sei lá. Para já tenho tido facilidade em repor a mercadoria mas não se sabe como vai ser”, referiu o “meteorologista” como é conhecido localmente.

Ganhou a alcunha quando criou uma página no Facebook e começou a publicar fotografias, uma “paixão”, a par da astrologia, das “belezas” de Castro Laboreiro.

“Não criei a página para andar a dizer mal deste ou daquele. Gosto muito de fotografar e como me levanto muito cedo, por volta das 05:00, tiro logo uns poucos de retratos e publico. Ao mesmo tempo vou dizendo se está um dia de sol, se está a chover ou se vai nevar. Cheguei a um ponto que não passo sem isso. Por isso é que me começaram a chamar o meteorologista de Castro Laboreiro”, explicou.

O novo coronavírus já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral de Saúde.

Dos infetados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

Anúncio

Alto Minho

Centro de rastreio em Viana do Castelo fez mais de 500 testes em nove dias

Covid-19

em

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

O centro de rastreio em regime de ‘Drive Thru’ instalado em Viana do Castelo efetuou, desde 30 de março e até hoje, 531 testes de despiste da covid-19, disse o presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Em declarações à agência Lusa, José Maria Costa congratulou-se com a atividade daquela estrutura, que “realiza, em média, por dia 76 testes”, por “aumentar a capacidade de resposta do distrito de Viana do Castelo no combate à pandemia de covid-19”.

Na capital do Alto Minho, aquela estrutura está montada no parque da Escola Superior de Saúde (ESS) em Viana do Castelo, funciona todos os dias entre as 09:00 e as 17:00, disponibilizando o diagnóstico móvel para a recolha de exames a pacientes referenciados e com prescrição pelo médico de Medicina Geral e Familiar do Centro de Saúde e cujos resultados demoram entre 24 a 48 horas.

“Esta resposta veio minimizar as necessidades de despistagem de covid-19”, destacou.

José Maria Costa, que é também presidente da Câmara de Viana do Castelo, destacou ainda “a entrada em funcionamento de outros dois centros de rastreio no Alto Minho. Na segunda-feira, abriu um ‘Drive Thru’ em Ponte de Lima e, na terça-feira, em Valença”.

“Estes dois centros vão também aumentar a capacidade de despistagem de covid-19 em toda a região do Alto Minho. Estamos satisfeitos porque a sua entrada em funcionamento veio minimizar o impacto da doença e estão a corresponder às expectativas dos autarcas da região”, referiu.

José Maria Costa adiantou que a instalação dos centros de rastreio de Viana do Castelo, Ponte de Lima e Valença resulta de um pedido da CIM do Alto Minho junto do Ministério da Saúde e da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), em articulação com a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC).

Nestes centros de modelo ‘Drive Thru’, “os pacientes referenciados deslocam-se dentro do seu veículo ao ponto de recolha sem entrar em contacto com outras pessoas, reduzindo assim o risco de infeção em cada colheita”.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Continuar a ler

Alto Minho

Quinze ventiladores encomendados pela Unidade de Saúde do Alto Minho chegam este mês

Covid-19

em

Foto: DR

A Unidade de Saúde do Alto Minho estimou hoje para o final de abril a chegada dos 15 ventiladores que encomendou e apontou para a próxima semana a abertura de nova área para receber doentes com a covid-19.

Contactada pela agência Lusa, fonte do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), adiantou que 10 daqueles equipamentos foram encomendados em meados em março a uma empresa portuguesa, “mas [a encomenda] não chegou”, adiantando que a Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo (LAHVC) doou 100 mil euros para ajudar a custear os aparelhos”.

Os restantes cinco ventiladores também deverão chegar ainda este mês, disse.

Sobre a abertura da nova área para receber doentes infetados, prevista para terça-feira no piso de especialidades cirúrgicas, a fonte da administração hospitalar adiantou “estar a ser ultimada a instalação de equipamento, estimando a sua entrada em funcionamento durante a próxima semana” e garantindo “não existir uma necessidade urgente” do novo espaço.

A ULSAM explicou que, no âmbito da pandemia, “foram reavaliados e reorganizados os recursos humanos”, sendo que, “neste momento, apesar de alguns profissionais de saúde estarem ou de baixa ou suspeitos de ter contraído a doença, os funcionários que estão disponíveis asseguram os serviços urgentes de toda a estrutura”.

Também, “no imediato”, a ULSAM garantiu ter os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) “suficientes para salvaguardar a segurança de doentes e dos profissionais de saúde, continuando no mercado a adquirir aquele material, que nunca é demais pela incerteza do comportamento e da duração da pandemia”.

A fonte referiu que “tem sido inúmeras as doações que a ULSAM tem recebido” no âmbito da pandemia de covid-19.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

Continuar a ler

Alto Minho

Viana do Castelo oferece equipamento de proteção individual aos profissionais de saúde

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CMVC

A Câmara de Viana do Castelo vai fornecer equipamento de proteção individual aos profissionais e saúde. Para o Hospital Distrital serão entregues mil máscaras P2 e para a Cruz Vermelha de Viana do Castelo e para os Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo 500 máscaras P2, anunciou hoje a autarquia em comunicado.

“Este equipamento é mais apropriado na proteção individual e a distribuição integra a política municipal que já permitiu entregar, nas primeiras duas semanas de Estado de Emergência, dez mil máscaras P1 e cinco mil pares de luvas às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho”, acrescenta o Município.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Continuar a ler

Populares