Seguir o O MINHO

Braga

Vieira do Minho homenageou Aurorinha da Farmácia, fundadora do Encontro de Reisadas

em

A tradição cumpriu-se pela 25.ª vez e foram muitos aqueles que assistiram a mais uma edição do Encontro de Reisadas, este domingo, no Auditório Municipal, em Vieira do Minho.

A edição deste ano do Encontro de Reisadas, organizada pelo Município de Vieira do Minho, contou com a presença de vinte e dois Grupos de Reis, oriundos daquele concelho e ainda de Braga, Guimarães e Famalicão.

“Os acordes dos instrumentos, as melodias, as vozes afinadas e o público presente foram um exemplo de uma tradição que continua viva em Vieira do Minho, regozijou-se a autarquia liderada por António Cardoso, que assistiu a esta “grande manifestação cultural”, mostrando grande satisfação com a “grande adesão das várias freguesias do concelho à iniciativa, o que demonstra que as tradições se mantêm vivas no seio da nossa comunidade”.

“Para assinalar a marca, o Município decidiu homenagear a fundadora do Encontro, a Dona Aurora Freitas, mais conhecida como Aurorinha da Farmácia“, que, contudo, acabou por não poder estar presente devido a um problema de saúde, “mas foi lhe entregue pelo Município uma salva alusiva à comemoração dos vinte e cinco anos do Encontro de Reisadas“.

 

logo Facebook Fique a par das Notícias de Braga. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Braga

Polícia e bombeiros resgatam mulher encarcerada em Braga

Choque em cadeia

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Um acidente que envolveu três carros, esta noite de quinta-feira, na rotunda junto ao McDonald’s, em Gualtar, cidade de Braga, provocou um ferido, apurou O MINHO no local.

O choque ter-se-á dado na sequência de uma travagem do carro da frente. A condutora do último veículo sofreu ferimentos e não conseguiu sair pelos próprios meios, sendo necessária a intervenção dos meios de socorro.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Acabou retirada do interior da viatura por elementos dos Bombeiros de Amares e por agentes da equipa de intervenção rápida da PSP de Braga, que estavam no local, assim como uma patrulha de dois elementos da divisão de trânsito.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foi transportada para o Hospital de Braga com ferimentos considerados ligeiros.

Continuar a ler

Braga

Manel Cruz apresenta novo espetáculo em 2020 e começa em janeiro por Braga

Theatro Circo

em

_ © Hugo Lima | fb.me/hugolimaphotography | hugolima.com

O músico Manel Cruz, vocalista dos Ornatos Violeta, vai apresentar em 2020 um novo espetáculo, “concebido especificamente para auditórios”, cuja digressão arranca em janeiro em Braga, foi esta quinta-feira anunciado.

De acordo com informação hoje divulgada nas contas de Manel Cruz nas redes sociais, “Tour Nedó” é o novo espetáculo do músico e da sua banda (António Serginho, Eduardo Silva e Nico Tricot), “pensado para auditórios e teatros”.

O primeiro espetáculo da digressão “Tour Nedó” está marcado para 04 de janeiro, no Theatro Circo, em Braga, e em relação a outras datas “haverá mais novidades em breve”.

“Tour Nedó” é “um pretexto para se fazer e reinventar música, tendo como ponto de partida o mais recente ‘Vida Nova’, mas também o reportório mais antigo, passando por inéditos e outros temas que nunca vão existir”.

“Vida Nova”, editado em abril deste ano, é o primeiro álbum de Manel Cruz em nome próprio, antes disso tinha editado com os Ornatos Violeta, Pluto, Supernada ou enquanto Foge Foge Bandido.

Continuar a ler

Braga

Tribunal marcou alegações finais do julgamento de Mesquita Machado e António Salvador

Caso dos parcómetros

em

Foto: O MINHO / Arquivo

O Tribunal de Braga agendou, hoje, para 17 de dezembro, terça-feira, as alegações finais do julgamento que envolve o ex-presidente da Câmara, Mesquita Machado e o empresário António Salvador. Em causa está um alegado crime de prevaricação, que ambos terão cometido aquando do alargamento da concessão dos parcómetros, em 2013, à Britalar.

Hoje foram ouvidas duas testemunhas, arroladas pela acusação, mas os advogados de defesa dos dois arguidos, prescindiram das suas próprias testemunhas, terminando-se, assim, a chamada produção de prova.

No tribunal entrou, entretanto, a reposta escrita do ex-vereador com o pelouro do Trânsito e atual deputado na Assembleia da República, Hugo Pires,do PS, que é testemunha no julgamento.

“Mesquita Machado agiu em defesa do Município e de acordo com o parecer dos técnicos”. É esta a sua convicção.O ex-presidente da Câmara local, Mesquita Machado e o empresário António Salvador respondem por um crime supostamente cometido aquando da entrega do estacionamento à Britalar, de António Salvador.

A acusação diz que gizaram, “em conluio”, um plano para alargar, “sem base legal”, a concessão a mais 27 ruas, não previstas no contrato, apenas um dia antes da sua assinatura. O que – salienta – aumentou para 2.319 lugares, os 1.147 previstos no concurso. Prejudicando os outros três concorrentes.

Alargamento necessário

Embora respondendo como testemunha arrolada pela acusação, o parlamentar defende o ex-autarca, dizendo que o alargamento das artérias com parcómetro era uma necessidade sentida desde 2003.

Afirmou que Mesquita Machado concordou com as propostas que lhe foram apresentadas pelo então diretor do Trânsito, Alfredo Barata (já falecido), e ratificadas por si próprio e pelo vice-presidente, Vítor Sousa, a quem já “tinha passado a pasta”, como candidato à Câmara,

“Mesquita raramente pedia explicações aos vereadores porque confiava neles e na avaliação técnica”, disse, justificando, assim, a ratificação do aumento da concessão assinada pelo ex-presidente em janeiro de 2013. Garantiu, ainda, que ex-autarca não participou em nenhuma reunião sobre o tema das havidas com a concessionária.

Hugo Pires nega, ainda, a interpretação da acusação, segundo a qual a assinatura teria sido feita para “beneficiar os interesses financeiros da Britalar, postos que esta teria de investir em novos parcómetros e a verba arrecadada era dividida com o Município.

A sua argumentação coincide, também, com a de Mesquita, o qual afirmou que, com o alargamento feito fora do âmbito do concurso, não havia direitos adquiridos e a Câmara poderia revoga-lo, se quisesse.

Continuar a ler

Populares