Seguir o O MINHO

Futebol

Vídeo mostra cântico de ódio de adeptos do Boavista com alusão à morte da mãe de Rochinha

Antes de jogo com o Vitória, no passado domingo, em Guimarães

em

Os adeptos do Boavista FC dirigiram cânticos de ódio ao futebolista Rochinha, antes o jogo da segunda jornada da I Liga portuguesa, entre o clube portuense e o Vitória, disputado no domingo, em Guimarães.

Num vídeo divulgado nas redes sociais, ouvem-se algumas destas pessoas a cantar uma música com letra imprópria dirigida ao jogador vitoriano, que, em janeiro, deixou os boavisteiros, situação que, de acordo com vários relatos, se manteve já dentro do estádio, durante a partida.

Atenção: Vídeo com linguagem imprópria

“A p*** da tua mãe, Rochinha. A p*** da tua mãe, Rochinha. Antes a tua do que a minha”, ouviu-se em vários momentos.

Recorde-se que, em fevereiro, o médio de 23 anos, natural de Espinho, perdeu a mãe, que morreu vítima de doença.

O caso levou a que o Sindicato de Jogadores de Futebol viesse, esta quarta-feira, condenar a situação.

“O Sindicato dos Jogadores teve conhecimento de que ao longo do último jogo entre o Vitória Sport Clube e o Boavista Futebol Clube, o jogador e associado Rochinha foi alvo de um conjunto de insultos por adeptos da equipa adversária, inaceitáveis em qualquer contexto, por mais tenso que seja o ambiente de um jogo de futebol ou vulgar que seja a utilização de determinadas expressões nas bancadas”, lê-se num comunicado publicado no site daquele sindicato.

“Os referidos insultos não foram dirigidos de forma indiscriminada, foram antes uma manifestação de ódio e ameaça, com o aproveitamento de um acontecimento recente da vida do jogador, o falecimento da sua mãe”.

O sindicato garante que irá fazer chegar os factos às entidades competentes.

“Por constituírem uma agressão verbal especialmente violenta, o Sindicato vem desde já condenar o sucedido, manifestando total solidariedade com o jogador Rochinha e estando a averiguar os vários registos existentes sobre estes acontecimentos, de modo a encaminhar às entidades competentes”, remata.

EM FOCO

Populares