Seguir o O MINHO

Alto Minho

Viana manifesta disponibilidade para acolher refugiados

em

A Câmara Municipal de Viana do Castelo aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, uma moção proposta pela CDU a manifestar ao Governo a disponibilidade do município para acolher refugiados mas “com o enquadramento necessário a um assunto com esta seriedade”.


“A Câmara Municipal de Viana do Castelo decide que, no quadro de um plano da responsabilidade do Estado central, apoiará o esforço de integração destas vítimas, honrando as tradições de solidariedade e humanismo do povo do nosso concelho”, lê-se no documento aprovado em reunião ordinária do executivo.

No final da sessão, em declarações aos jornalistas, o autarca socialista José Maria Costa sublinhou que tratar-se de “um assunto sensível”, que “exige o devido enquadramento por estarmos a falar de pessoas, famílias e expectativas de vida”.

A vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, autora da moção, realçou que o facto de o documento ter sido aprovado por unanimidade e acrescentou que “o governo português deve assumir a sua parte de responsabilidade neste processo”, considerando que, “nesse contexto a Câmara de Viana do Castelo apoiará o esforço de integração destas vítimas”.

“O Estado português deve, por razões humanitárias e por obrigação constitucional, tomar as medidas para dar o devido acolhimento a refugiados e imigrantes numa expressão da solidariedade para com os povos vítimas das agressões e políticas. Um acolhimento que permita a integração plena, nos planos social, económico, e laboral, bem como dos direitos à saúde e à educação”, acrescentou a moção a enviar ao governo.

A Europa tem estado sob intensa pressão para lidar com um afluxo sem precedentes de refugiados e migrantes, maioritariamente oriundos da Síria, abraços com um conflito iniciado em março de 2011 que já matou mais de 240.000 pessoas.

A Suécia e Alemanha estão entre os destinos mais procurados pelos que fogem da guerra e dos conflitos no Oriente Médio e norte da África.

Anúncio

Alto Minho

Baloiço do Mezio instala pontos de desinfeção poucas horas depois de polémica

Parque Nacional Peneda-Gerês

em

Foto: Facebook de Baloiço do Mezio

O Baloiço do Mezio, em Cabana Maior, concelho de Arcos de Valdevez, já tem pontos de desinfeção de mãos, depois da polémica levantada na terça-feira pela Rádio Vale do Minho, a quem uma cidadã avançou críticas por não existir este tipo de equipamento no local.

Joaquim Campos, presidente da Junta de Cabana Maior, tinha dito ontem a O MINHO que as pessoas é que tinham a responsabilidade de levar pequenos frascos de gel para a higienizarão antes da utilização do baloiço, mas, horas depois, em declarações ao jornal Pasquim da Vila, resolveu anunciar que estaria para breve a instalação desses postos.

A meio da tarde desta quarta-feira, a página do baloiço nas redes sociais divulgou fotografias a dar conta da novidade, que alegrou visitantes por poderem agora utilizar o equipamento em segurança.

Baloiço do Mezio com aglomerados. Autarca apela ao respeito pelas normas sanitárias

Recorde-se que, independentemente dos novos postos, o autarca deixou o apelo através no nosso jornal para que a população respeite as normas sanitárias, como a utilização de máscara e o distanciamento social.

Considerado o “maior baloiço de corda em Portugal”, o baloiço do Mezio tem mais de sete metros de altura e permite uma vista panorâmica para o Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Maior baloiço do país com vista panorâmica às portas do Gerês

Foi inaugurado no passado dia 11 de julho, no alto do Mezio, em Arcos de Valdevez, numa estrutura de madeira com 7,60 metros de altura.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho apresentou condolências à família de piloto que morreu em Lindoso

Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo

em

Foto: DR

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo informou hoje ter apresentado condolências à família do piloto que na sequência da queda de um ‘Canadair’ em Ponte da Barca, quando combatia um incêndio na Peneda Gerês.

Na nota de pesar pela morte do piloto português de 65 anos, que vivia em Leiria, aquela comissão distrital, liderada pelo presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, manifesta ainda os votos de recuperação ao copiloto da aeronave, de 39 anos e de nacionalidade espanhola, que ficou ferido no mesmo acidente, e aos operacionais feridos no combate às chamas que lavraram durante três dias.

“Neste momento de pesar, o Alto Minho agradece e enaltece o compromisso e o empenho com que todos os agentes de proteção civil e demais intervenientes, que por terra ou por via aérea, colaboraram na defesa da floresta contra incêndios, nomeadamente no incêndio no Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG)”, refere a nota hoje enviada à imprensa.

O acidente ocorreu no sábado, quando o avião ‘Canadair’ português em que seguiam se despenhou em território espanhol, a cerca de dois quilómetros da fronteira.

O copiloto do avião ‘Canadair’ encontra-se “estável e fora de perigo”, no hospital de Braga.

Segundo o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), quando o primeiro helicóptero mobilizado para o socorro aos pilotos do ‘Canadair’ chegou ao local, cerca de uma hora depois do alerta, o piloto português estava “em paragem cardiorrespiratória”.

A equipa do INEM fez manobras de suporte básico de vida “sem conseguir reverter a paragem”.

De acordo com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o avião despenhou-se junto à Barragem do Alto do Lindoso, na sequência de uma operação de reabastecimento de depósito de água.

O incêndio, que deflagrou na madrugada de sábado, na Galiza, foi dominado na madrugada de terça-feira.

No domingo, o secretário de Estado da Conservação da Natureza revelou que o incêndio já tinha consumido cerca de 200 hectares, não chegando a atingir a Mata de Cabril, classificada como Área de Proteção Integral, inserida no PNPG.

Do lado espanhol, dados da Junta da Galiza apontam para 400 hectares ardidos.

Continuar a ler

Alto Minho

Arcos de Valdevez inaugura posto de turismo na Peneda

Turismo

em

Foto: DR

A Câmara de Arcos de Valdevez inaugurou um novo posto de turismo no concelho, no edifício da Casa das Estampas, do santuário de Nossa Senhora da Peneda, informou hoje a autarquia.

O espaço, cedido ao município pela Confraria de Nossa Senhora da Peneda, pretende “promover a região junto dos visitantes que todos os dias circulam pelo santuário e por esta zona do Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG)”.

Além de prestar informação e acolhimento a turistas, o novo posto de turismo “funcionará como espaço de promoção e comercialização de produtos locais, contribuindo para a valorização e incremento do rendimento dos produtores”.

Continuar a ler

Populares