Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Viana faz primeiro estudo sobre impacto socioeconómico da Romaria d’Agonia

Festas decorrem em agosto

em

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre anunciou hoje a realização do primeiro estudo “exaustivo” sobre o impacto económico e social da Romaria d’Agonia, cujas conclusões serão utilizadas na preparação da edição do próximo ano.

“Vamos fazer já este ano um estudo que nos permita estimar o impacto socioeconómico, cultural e artístico que a Romaria d’Agonia tem não só na cidade, como em todo o concelho. É a primeira vez que o vamos fazer, desejando iniciar a preparação das festas de 2023 já com conclusões estabelecidas e estabilizadas”, afirmou Luís Nobre.

O socialista adiantou que “os seis meses após a edição deste ano da Romaria d’Agonia, serão determinante para a realização desse trabalho”.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“É o primeiro estudo exaustivo do maior evento do distrito, um dos maiores do Norte e do país que permitirá definir o futuro da Romaria. Para isso, temos de saber o que fazemos e como melhorar a experiência dos vianenses e de quem nos visita”, sublinhou durante a apresentação do cartaz e programa da edição 2022 que vai decorrer entre de 17 a 21 de agosto, com o programa completo ao vivo, após dois anos de restrições devido à pandemia de covid-19.

Os cinco dias de festas serão marcados por 45 momentos. Até 20199, em cinco dias de festas, passavam pela cidade mais de um milhão de pessoas.

Luís Nobre adiantou que os resultados alcançados com aquele trabalho, será “estabelecida uma estratégia que permita a melhoria funcional das festas e promova o seu alcance, procurando atrair ainda mais turistas, aumentar o tempo médio de permanência dos visitantes na cidade, impulsionando a economia e a criação de emprego”.

A pesquisa que vai ser iniciada permitia “perceber os recursos materiais que o evento movimenta nas empresas, avaliar a forma como é promovida a cultura tradicional, como são recebidos os turistas no período das festas, o que retiram de positivo e negativo da experiência, para construir o seu futuro, assente na plena identidade do concelho, mas com um olhar vanguardista”.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Vamos utilizar dados secundários, através consulta de bibliografia especializada e informações disponíveis nas diferentes entidades envolvidas e dados primários, como abordagens quantitativas, pesquisa junto dos visitantes, inquéritos a entidades, movimentos associativos e culturais e outros agentes comprometidos com a organização das festas”, especificou.

Para Luís Nobre “nenhuma outra realização influencia tão profundamente e extensamente a vida coletiva popular e cultural do concelho”, afirmando que a Romaria d’Agonia “conquistou um papel central na cultura e economia, liderando e influenciando os fluxos turísticos, a sustentabilidade, a inovação, criação de oportunidades económicas em Viana do Castelo”.

“Contribui como nenhuma outra atividade para a correção de assimetrias, promove a coesão social, fomenta o emprego, a divulgação do território. A romaria transformou-se num dos principais motores do desenvolvimento da cidade e concelho. A estratégia do executivo municipal passa por posicionar a Romaria d’Agonia como um fator de competitividade e de alavanca para a economia local”, sustentou, na sessão realizada no teatro municipal Sé de Miranda.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

O cartaz oficial da Romaria da Senhora d’Agonia de 2022, da autoria do designer gráfico Renan Morgado, de 33 anos, de origem brasileira e a viver em Monção, foi o vencedor do concurso público deste ano, ao qual concorreram quase 40 autores de Portugal, de França e do Brasil, com um total de 60 diferentes propostas.

Renan Morgado explicou o fundo verde do cartaz com a necessidade de “esperança” que o mundo precisa após dois anos de pandemia de covid-19 e por ser a cor predominante do traje típico das Terras de Geraz do Lima.

Maria João, bordadeira de profissão, com 25 anos, é a mordoma que dá o rosto ao 110.º cartaz oficial ilustrado da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia de 2021.

Desfilou na Romaria d’Agonia pela primeira vez com dois anos. Desde então, tanto o folclore, como a Romaria, fazem parte da sua vida.

Hoje falou num “sonho” realizado, ser mordoma da festa, exibindo com chieira o traje verde de lavradeira das Terras de Geraz do Lima, incluindo um colete que pertenceu à avó, que o produziu, passando depois para a filha e, agora, para a neta, Maria João.

Ao peito vai levar ouro antigo, algum do tempo da bisavó que passou por todas as mulheres da família.

Este ano, do programa já definido para Romaria d’Agonia destaca-se no dia 17 de agosto a alvorada festiva e os concertos musicais, bem como a primeira revista de gigantones e cabeçudos e encontro de desgarradas e cantares ao desafio.

No dia 18 de agosto sai à rua o tradicional Desfile da Mordomia, com centenas de mulheres vianenses trajadas e ouradas a percorrerem durante a tarde as ruas da cidade de Viana do Castelo.

Na sexta-feira, 19 de agosto, destaque para a confeção dos tapetes floridos nas ruas da Ribeira, que durante a madrugada voltam a ser confecionados após dois anos de interrupção, devido às regras para contenção da pandemia de covid-19.

No dia 20 de agosto, dia da padroeira, feriado municipal será retomada a tradicional procissão ao mar e o fogo do meio ou da santa, tradicional sessão de fogo de artifício.

A festa de 2022 encerra no domingo, 21 de agosto, com o cortejo histórico e etnográfico à tarde, e a habitual serenata de fogo de artifício junto ao rio Lima.

Populares