Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Viana lança em 2020 novo modelo de laboratório para investigação do mar

Laboratório colaborativo

em

Foto: DR/Arquivo

O “primeiro laboratório colaborativo do país de iniciativa municipal” para o conhecimento do mar de Viana do Castelo vai começar a funcionar durante o primeiro semestre de 2020, após a aprovação hoje da proposta de regulamento da nova valência.

A proposta de regulamento do Observatório do Litoral Norte, apresentada hoje em reunião camarária pelo vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento, Ricardo Carvalhido, foi aprovada por unanimidade

O responsável explicou que aquele laboratório é o primeiro de três a criar na capital do Alto Minho, integrados na Rede Municipal de Ciência.

A proposta de regulamento hoje aprovada segue agora para apreciação da assembleia municipal e será, posteriormente, colocado à discussão pública.

Concluída a consulta pública, o documento voltará a ser apreciado pelo executivo municipal, para aprovação final.

O Observatório do Litoral Norte representa um investimento global de 384 mil euros, financiado pelo Programa Operacional Regional NORTE 2020.

A criação daquele ‘campus’ de ciência e conhecimento inclui a constituição de um “consórcio científico” de partilha de meios físicos e humanos, entre a Câmara de Viana do Castelo, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), o Instituto para a Biossustentabilidade da Universidade do Minho e o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto”.

O laboratório deverá abrir portas “durante o primeiro semestre de 2010” num edifício já construído na Praia Norte, no âmbito de uma empreitada de requalificação da Polis Litoral Norte.

Anteriormente à Lusa, o vereador Ricardo Carvalhido explicou que novo espaço será dotado de “um minissubmarino, um aquário com 14 metros cúbicos, três unidades de microscopia avançada e um hidrofone a instalar ao largo de Viana do Castelo”.

O laboratório de mar “será equipado com três unidades de microscopia avançada, para a realização de estudos com epifluorescência e contraste de fase, microscopia estereoscópica e invertida e disporá de um minissubmarino para estudo dos ambientes marinhos até cerca de 100 metros de profundidade”.

O minissubmarino estará equipado “com uma câmara de vídeo, sensores multiparamétricos e uma unidade de colheita de amostras”.

“O Observatório será uma área fundamental de apoio ao desenvolvimento de atividades de investigação científica, transferência de conhecimento e interatividade”, sustentou Ricardo Carvalhido.

Já a sonorização “será garantida pelo sinal acústico enviado do ‘offshore’, em tempo real, através de um hidrofone a instalar ao largo da costa”.

Outra das valências do novo laboratório será “uma exposição interativa, continuamente atualizada pelas equipas de investigação residentes que abordará os temas locais da evolução climática, dos ambientes e da biodiversidade”.

Também será possível “ver, através de imagem, em tempo real dos ambientes do estuário, de montanha e de mar de Viana do Castelo, as áreas classificadas como Sítios de Importância Comunitária da rede Natura 2000 e Monumentos Naturais”.

O observatório “permitirá uma contínua atenção da comunidade científica sobre as áreas classificadas, condição essencial na garantia da proteção e conservação dos interesses naturais, mas também na produção de conhecimento que poderá sustentar novos produtos e projetos de base inovadora”.

O equipamento disponibilizará também “três programas interativos gratuitos, com duração entre 30 minutos e cinco horas, destinados às escolas e ao público em geral, para contacto direto com os investigadores, permitindo uma abordagem centrada no laboratório e os seus equipamentos até uma abordagem da exploração remota das águas costeiras”.

O novo laboratório é o primeiro de “três observatórios instalados no concelho e dedicados às três unidades de paisagem principais, um segundo no rio, a instalar no estuário do Lima e, o outro, na montanha, na serra d’Arga, todos integrados na Rede Municipal de Ciência, iniciada em janeiro 2018 com a inauguração de laboratórios na rede escolar do concelho, num investimento de 150 mil euros.

Promovida pelo Geoparque do Litoral de Viana do Castelo, “a primeira rede escolar de ciência e de apoio à investigação científica do país, instalada nas sedes de sete agrupamentos de Viana do Castelo, envolve cerca de três mil alunos e 30 investigadores”.

Anúncio

Viana do Castelo

Câmara de Viana serviu cerca de mil refeições na última semana

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Câmara Municipal de Viana do Castelo já assegurou mais de mil refeições, só na última semana, a profissionais de saúde, forças de segurança pública, bombeiros e Cruz Vermelha, fornecendo ainda refeições a alunos com escalão tipo A e B através das Escolas de Referência e a famílias ou cidadãos com dificuldades económicas, anunciou hoje a autarquia.

Recorde-se que as Escolas de Referência para acolhimento de filhos de trabalhadores de serviços essenciais são EBS de Arga e Lima, Lanheses (Agr. Arga e Lima), Centro Escolar EB de Barroselas (Agr. Barroselas), ES de Monserrate (Agr. Monserrate), EB da Foz do Neiva, Castelo do Neiva (Agr. Monte da Ola), EB Frei Bartolomeu dos Mártires (Agr. Santa Maria Maior), Escola Básica de Abelheira (Agr. Abelheira) e EBS Pintor José de Brito, Santa Marta de Portuzelo (Agr. Pintor José de Brito).

As Escolas de Referência estão também abertas para fornecimento de refeições para os alunos com escalões A e B. As escolas de referência podem ainda fornecer, em regime de ‘take away’, refeições a crianças referenciadas pelas Instituições Particulares de Solidariedade Social. As IPSS sinalizam as crianças com necessidades e, assim, as famílias podem levantar a refeição em causa na escola de referência do respetivo agrupamento. Para fornecimento de refeições em regime ‘de take away’ a escola de referência do Agrupamento do Monte da Ola é a Escola EB2.3 Carteado Mena (Darque).

Em tempos de grande incerteza e vulnerabilidade, as autarquias de Viana do Castelo assumiram um papel fundamental, em parceria com todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho.

Há várias Juntas e Uniões de Freguesia do concelho de Viana do Castelo a apoiar diretamente famílias na compra de medicamentos, alimentação e outros bens essenciais. A par disto, a Câmara Municipal criou uma bolsa de voluntários municipais, onde vários trabalhadores municipais se disponibilizaram para entregar refeições em casa de pessoas mais vulneráveis, medicamentos e outros bens essenciais.

Através da Linha de Apoio Social, há uma grande articulação com todas as juntas de freguesia que estão no terreno, assim como com as IPSS’s. A Câmara Municipal de Viana do Castelo apela àqueles que estejam, neste momento, a precisar de apoio e ainda não o tenham obtido, a que consultem a página da respetiva Junta de Freguesia para perceber se é uma das juntas de freguesia a prestar apoio. Em caso negativo, poderá contactar a Linha de Apoio Social – 258 809 316 – para esclarecer todas as dúvidas.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana encerra cemitério municipal

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

O cemitério municipal de Viana do Castelo está encerrado a partir de ontem numa medida de conteção “adequada para evitar propagação” do novo coronavírus, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara local aponta o decreto n.º2-A/2020 de 20 de março para determinar o encerramento daquele equipamento municipal.

Informa ainda que o cemitério será aberto apenas para a realização de funerais, sugerindo-se que apenas compareçam nos mesmos os familiares mais próximos, “cumprindo a regra do distanciamento social”.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Antigos alunos do politécnico de Viana ensinam a criar máscaras em casa

Covid-19

em

Foto: ipvc.pt / DR

Quatro antigos alunos do curso de design do produto do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) criaram um modelo de documento a ensinar a confecionar máscaras de proteção por cerca de 10 cêntimos, informou, esta sexta-feira, a instituição.

“A ideia é que cada pessoa possa, em sua casa, produzir a sua própria máscara e proteger-se da covid 19”, acrescenta o IPVC na nota hoje enviada à imprensa, adiantando que a empresa dos quatro antigo alunos “disponibilizou um ‘template’ gratuito que ensina como produzir uma máscara para proteção pessoas a custo muito reduzido”.

“Penso que não custará mais do que dez cêntimos e é muito fácil de fazer com materiais que são muito fáceis de adquirir”, revelou, citado naquela nota, Emanuel Ferreira, um dos designers da DevelopKings, um grupo que desenvolve ferramentas gratuitas para criadores.

Segundo o designer, “a ideia foi criar uma forma extremamente simples que seja possível de ser feita com o mínimo de material e que possa ser realizada mesmo por quem não tem técnica ou experiência”.

Segundo Emanuel Ferreira, os interessados “têm de imprimir o template, usando-o para cortar uma folha de apresentação padrão A4 – folha de acetato, uma folha plástica mais rígida”.

“Ela irá ajudá-lo a evitar fluidos corporais de outras pessoas e redirecionar a sua respiração para trás. A máscara pode ser lavada normalmente com sabão. Pode usar qualquer fita que tenha disponível em casa”, adiantou.

Os quatro antigos alunos “disponibilizam-se ainda a ajudar quem precisar de ajuda na construção desta máscara e lançam o desafio: “Compartilhe isto com seus entes queridos e se você construir uma, compartilhe suas fotos connosco”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Continuar a ler

Populares