Seguir o O MINHO

Alto Minho

Viagens gratuitas no ‘ferry’ de Caminha para atrair visitantes da Galiza

em

A travessia do rio Minho no ‘ferry’ internacional que liga Caminha a La Guardia (Galiza) vai ser gratuita no último dia do ano como forma de atrair visitantes da Galiza, anunciou esta terça-feira a autarquia portuguesa.

Em comunicado, a Câmara de Caminha explicou tratar-se de uma medida “excecional”, que tem “como alvo o mercado galego”, e que pretende “valorizar as iniciativas de animação preparadas pelo município para a passagem do ano”.

“Quer na noite em que se festeja a transição do último dia do ano velho para o primeiro do ano novo, quer a dinâmica criada em torno do próprio dia 31 de dezembro, têm servido para tornar ainda mais atrativo o nome do concelho e da vila de Caminha, quer em Portugal quer em Espanha, junto dos nossos vizinhos galegos”, sustentou o autarca Miguel Alves citado naquela nota.

O ‘ferryboat’ Santa Rita de Cássia começou a cruzar o rio Minho em 1995.

De acordo com números avançados pela Câmara de Caminha, a embarcação transportou entre abril e setembro deste ano quase 90 mil passageiros, “mais do que os registados em todo o ano de 2013”, quando contabilizou 46 mil passageiros.

De acordo com aqueles dados “só a receita de bilheteira no mês de agosto último foi superior à média dos últimos cinco anos, tendo ultrapassado os 61.733 euros”.

Desde abril que “toda a receita da bilheteira do ‘ferry’ entra nos cofres da Câmara de Caminha, por esta ter assumido, sozinha, o investimento de recuperação do canal de navegação da embarcação”.

Depois de uma paragem de cerca de 11 meses, devido ao assoreamento do canal de navegação, o “Santa Rita de Cássia” retomou o funcionamento em abril passado, de forma condicionada, só aos fins de semana.

Em junho fazia a travessia apenas durante as marés altas, tendo começado a trabalhar de forma interrupta a partir de 01 de julho.

O ‘ferryboat’ parou em abril de 2014 para a renovação do certificado de navegabilidade e para a realização de obras no pontão flutuante e de extração de areias junto ao cais.

Aquela dragagem começou em junho daquele ano, orçada em cerca de 16.875 euros, e não resolveu o assoreamento junto ao cais.

Em março de 2015 arrancou nova operação de dragagem de mais de 19 mil metros cúbicos de areia do cais de atracação, num investimento de 72 mil euros “integralmente” suportado pela Câmara de Caminha.

Caminha é único concelho do vale do Minho que depende do transporte fluvial para garantir a ligação regular à Galiza, enquanto os restantes quatro concelhos da região dispõem de pontes internacionais.

Populares