Seguir o O MINHO

Braga

‘Vezeira’ do Gerês e Rio Caldo pode ser classificada como património imaterial

Subida do gado à serra durante o verão

em

As tradicionais ‘vezeiras’ do Gerês e de Rio Caldo, em Terras de Bouro, podem ser uma das próximas classificações no Inventário Nacional de Património Cultural Imaterial Português, anunciou a autarquia.

Em comunicado, a Câmara de Terras de Bouro dá nota da elaboração de um dossier de caracterização desta prática ancestral, que consiste na subida às serras do gado típico da região, para lá passarem o verão, onde são guardados ‘à vez’ pelos proprietários. Habitualmente, regressam às ‘terras-baixas’ em meados de setembro.

A subida do gado, este ano, deu-se a 17 de maio, com um evento que não contou com as tradicionais festividades face à pandemia de covid-19. Todavia, os bovinos não deixaram de subir às serras, onde se alimentarão no selvagem durante os próximos meses.

No mesmo comunicado, é explicado que a tentativa de inclusão desta tradição no inventário destina-se a proteger este tipo de manifestações que corre “risco de desaparecimento a curto e médio prazo”.

“Desta forma, espera-se poder ajudar a travar o declínio desta atividade tão importante e tão identitária das nossas populações, assumindo o município as ações de salvaguarda e valorização na edição de 2021”, destacam

A tradição, cuja descrição remonta ao século XIX, não é ímpar ao concelho terra-bourense. Também em Vieira do Minho, Ponte da Barca e em Arcos de Valdevez se cumpre a tradição, ainda que o gado seja em menor número.

Populares