Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Vereadora de Viana entre os cem jovens autarcas europeus que debatem futuro da UE na Roménia

Carlota Borges, de 28 anos, natural de Ponte de Lima, foi eleita vereadora em 2017, na lista do Partido Socialista, encabeçada por José Maria Costa. Em Bucareste terá a companhia de Pedro Brás, outro jovem autarca português

em

Foto: Facebook de Carlota Borges (Arquivo)

Temas como o ‘Brexit’, a participação de mulheres na política ou a abstenção nas eleições estão a marcar o debate da comitiva de autarcas jovens de todos os Estados-membro da União Europeia (UE) reunida em Bucareste, na Roménia.

Carlota Borges, 28 anos, é vereadora da Coesão Social, Juventude, Voluntariado e Serviços Urbanos da Câmara de Viana do Castelo, e Pedro Brás, 36 anos, vai no segundo mandato à frente da União das Freguesias de Massamá e Monte Abraão, concelho de Sintra, no distrito de Lisboa.

São a ‘dupla’ de autarcas jovens portugueses presente na 8.ª Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios, num total de cerca de uma centena de políticos de várias regiões e nacionalidades que tem menos de 40 anos e se reuniu para debater o futuro da UE.

“Esta é uma oportunidade de debater temas atuais e temas futuros. Os jovens têm maneiras diferentes de se pronunciar. E nós, políticos, temos que tentar sair da nossa caixa de formato tradicional e tentarmo-nos aproximar mais dos jovens e dessas ideias”, descreveu Pedro Brás.

Carlota Borges partilha da opinião, mas vinca que “os jovens mais interessados na política são melhor informados”, defendendo a importância de envolver todas as gerações na discussão da UE porque, afirmou, “os jovens serão o grande futuro desta Europa”.

A autarca do Alto Minho, que disse priorizar no projeto europeu “uma agenda social forte” para “promover uma verdadeira coesão social”, admitiu que em Portugal a abstenção jovem às eleições europeias tem sido elevada, voltando, de forma a combater esses dados, a frisar a importância da informação.

“Acho que quando as pessoas estão informadas percebem realmente a grande importância da Europa e que tendem a ir votar. Portanto passa por nós, Câmaras Municipais, poder local, informar, ir às escolas e informar. Informar, por exemplo, que os meninos só têm uma escola com grandes condições graças a fundos da UE”, exemplificou.

Já Pedro Brás contou que o ‘Brexit’ e a presença de mulheres na política também estão a marcar o debate, admitindo que a saída do Reino Unido da UE está a gerar “grande preocupação”, mas preferindo realçar que Portugal está a ser citado por boas práticas no que diz respeito à representatividade feminina na vida pública.

“Apenas 15% das mulheres estão em cargos de decisão na Europa. Nesse aspeto, nós enquanto país, Portugal, estamos mais à frente. Temos matérias de igualdade de género definidas e em curso”, disse.

Carlota Borges, igualmente orgulhosa e otimista do caminho português feito nesta matéria, lembrou, no entanto, que existiu “um ponto em que foi necessário impor a presença das mulheres na política” através da atribuição de cotas.

“Foi necessário impor tanto na política como em outros setores, mas Portugal está no bom caminho e, em termos de política, temos cada vez políticas e jovens políticas mais fortes e temos os partidos sem dúvida a apostar nas mulheres”, considerou a vereadora minhota.

Por fim, questionado sobre se em Portugal existe uma identidade europeia, Pedro Brás, autarca de Massamá/Monte Abraão, freguesias com cerca de 49 mil habitantes, lembrou o passado de Portugal no alargamento de fronteiras para responder afirmativamente.

“Somos, desde sempre, um país que procura novos desafios. Nós encontramos portugueses em todo o lado e, desse ponto de vista, os jovens portugueses cada vez mais têm esse sentimento de que Portugal não se restringe às suas fronteiras, Portugal é um pouco mais além do que isso”, analisou.

Pedro Brás e Carlota Borges integram a delegação portuguesa presente na 8.ª Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios, uma iniciativa que acontece de dois em dois anos e que neste é coorganizada pelo Comité das Regiões Europeu, pela presidência romena do Conselho da UE e por associações romenas de órgãos de poder local e regional.

O objetivo do encontro é garantir que os órgãos de poder local e regional contribuem plenamente para os debates mais relevantes na UE.

O Comité das Regiões Europeu, criado em 1994 na sequência da assinatura do Tratado de Maastricht, é a assembleia da UE dos representantes regionais e locais dos 28 Estados-membros, sendo atualmente composto por 350 membros efetivos, 12 deles portugueses.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Viana: Biblioteca promove “Poesia à solta”

No Dia Mundial da Poesia

em

Foto: Divulgação/CM Viana do Castelo

A biblioteca de Viana do Castelo vai promover, na quinta-feira, para assinalar o Dia Mundial da Poesia, a iniciativa “Poesia à solta na Biblioteca”, para refletir sobre o poder da linguagem poética.

A ação, promovida pela Câmara local, em parceria com a escola secundária de Santa Maria Maior, está integrada também nas comemorações do centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner (1919-2019), a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999.

Para assinalar a data, no Dia Mundial da Poesia, os leitores da biblioteca de Viana do Castelo terão acesso a momentos de declamação de poesia de Sophia de Mello Breyner.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana: Plantadas 3.500 árvores no Dia Mundial da Floresta

Em Vilar de Murteda

em

Foto: DR/Arquivo

Viana do Castelo vai assinalar o Dia Mundial da Árvore e da Floresta, na quinta-feira, com a plantação de 3.500 carvalhos e pinheiros numa área de três hectares em Vilar de Murteda, informou hoje a Câmara local.

Segundo a autarquia, a plantação vai envolver 98 estudantes da escola de Hotelaria e Turismo, escola Básica Pintor José de Brito e centro de formação Despertar.

A ação, promovida pela Câmara de Viana do Castelo, vai contar com a colaboração do Núcleo Escola Segura da Guarda Nacional Republicana (GNR), Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), equipas de Sapadores, associações de baldios, União das Freguesias de Nogueira, Meixedo e Vilar de Murteda, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

Ainda no âmbito destas comemorações, na sexta-feira, os cafés da cidade vão distribuir papiros com poesia, com os 90 poemas que participaram no passatempo “Um poema pela Árvore”.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Teatro do Noroeste estreia “Rottweiler” e lança reflexão sobre verdade e mentira na sociedade atual

Com estreia no Dia Mundial do Teatro, a peça vai permanecer em cena no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, partindo, depois, em digressão por Portugal e Espanha

em

Foto: Divulgação

O Teatro do Noroeste estreia no dia 27, em Viana do Castelo, a sua mais recente produção, baseada num texto de Guillermo Heras que pretende pôr o público a refletir sobre a verdade e a mentira na sociedade atual.

“É um texto muito cru, violento, polémico e que põe o dedo em algumas feridas que, acreditamos, farão o espectador questionar-se acerca do que vemos, ouvimos, lemos, e sobretudo colocará a dúvida sobre uma questão muito importante: Em que podemos acreditar neste mundo digitalizado e mediatizado quando ouvimos, lemos ou vemos uma notícia?”, disse à Lusa o diretor artístico do Teatro do Noroeste, Ricardo Simões.

O encenador de “Rottweiler”, inspirada no texto de Guillermo Heras escrito em 2006, explicou que, a propósito do fenómeno “cada vez mais atual” das ‘fake news’ a peça “propõe um jogo cénico que pretende levar as pessoas a pensarem a forma como são feitas as notícias”.

“A distância que vai entre o que acontece num estúdio de televisão e o que vemos em casa. O que é que tecnologia permite fazer a esse respeito. Queremos por isso tudo a nu, num espetáculo de teatro, à frente do espectador, ao vivo. Fazer com que o espectador se envolva no jogo e que perceba o jogo que está a acontecer, de manipulação informativa e de sensacionalismo”, reforçou.

Para Ricardo Simões, há pertinência em levar à cena um texto “extraordinário”, escrito há mais de uma década por Guillermo Heras, “premonitório do tempo” da sociedade atual.

Em palco, um jornalista entrevista um ‘skin-head’, interpretados pelos atores Tiago Fernandes e Alexandre Calçada, acerca das “ideias de uma personagem polémica, nazi, racista, xenófobo, homofóbico”.

“Esta personagem está em ‘prime-time’, em direto, a fazer apologia de ideologias intolerantes e, o que pretendemos que as pessoas percebam como isso tudo é embrulhado, empacotado e enviado para [sua] casa”, referiu.

“Já me perguntaram se é um espetáculo violento. Eventualmente. Há uma fala da peça, em que a personagem Rottweiler pergunta: Mas afinal que é a violência? É um bom mote para nos questionarmos”, realçou.

Para Ricardo Simões, a 139.ª criação da companhia de Viana do Castelo retrata a realidade atual, “num espetáculo que não pretende ser bonito, não pretende entreter, não pretende divertir”.

“Pretende ser apenas teatro, com tudo o que isso possa significar”, referiu. “Temos atentados transmitidos em direto de formas impensáveis até há bem pouco tempo. Obviamente que o teatro é afetado por todos esses fenómenos”, realçou.

A peça “Rottweiler” estreia-se no Dia Mundial do Teatro, às 21:30, e vai permanecer em cena no Teatro Municipal Sá de Miranda até 13 de abril.

O espetáculo entrará depois em digressão por várias cidades portuguesas e espanholas. Em maio, no âmbito do Circuito Ibérico de Artes Cénicas, vai ser representado em Sevilha, Saragoça, Badajoz e Cáceres.

A partir de maio será apresentado no Theatro Circo, em Braga, no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, e no Teatro Municipal Garcia de Resende, em Évora.

Estão ainda previstas representações no Porto, em Lisboa e no Rio de Janeiro, no Brasil.

Continuar a ler

Populares