Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Ventura fez de Viana um “escritório” onde desafiou PSD a não ser muleta do PS

Inauguração da sede distrital do Chega

em

André Ventura em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

O presidente do Chega disse hoje que o PSD de Luís Montenegro “está a perfilar-se para ser muleta do PS” e, avisou que a votação da moção de censura ao Governo, vai ser marcante para os social-democratas.

“O PSD de Montenegro está a perfilar-se, como o PSD de Rio, para ser uma muleta do Partido Socialista”, afirmou André Ventura à chegada a um encontro com militantes, em Viana do Castelo, onde inaugurou a nova sede distrital do partido, localizada na Avenida dos Combatentes, na capital do Alto Minho.

Inauguração da sede em Viana. André Ventura. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Inauguração da sede em Viana. André Ventura. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Numa publicação das redes sociais, ilustrada com um registo de dentro do carro onde era transportado ao Minho, Ventura afirma que o seu escritório “são os distritos de Portugal”.

Para Ventura, que chegou com duas horas de atraso ao restaurante onde o aguardavam cerca de 180 pessoas, avisou que quarta-feira vai ser “um dia marcante para o PSD”, porque “o país vai ver como é que o PSD vota uma moção de censura”.

André Ventura recebido em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

André Ventura em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Comitiva do Chega em Viana, com representantes nacionais, distritais e concelhios. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Se vai continuar na mesma lógica de Rio de suportar o governo PS ou, se vai finalmente dizer que estamos aqui para ser contra o PS, para mostrar uma alternativa”, sustentou

André Ventura disse que ao longo do dia de hoje lhe chegaram “sinais muito preocupantes” do congresso dos social-democratas, que decorre no Porto.

“A maior parte dos oradores que fui ouvindo continuam na narrativa de que preferem estar perto do PS do que perto do Chega. Montenegro disse que se candidatava para gerar outra atitude no PSD e, o que nós vemos, é os protagonistas da era Montenegro a dizerem exatamente o que diziam os protagonistas de Rui Rio. Com o Chega não. Temos de chegar a acordos com o PS em algumas matérias. Outros a dizer que não querem nada com o Chega porque é racista e xenófobo. Isto é o mesmo que o PSD de Rui Rio”, afirmou.

André Ventura. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Jantar/Comício do Chega na quinta da Presa, em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

André Ventura no Jantar/Comício do Chega na quinta da Presa, em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“O PSD não percebeu o que aconteceu a 30 de janeiro e se continua exatamente no mesmo caminho, eu podia dizer que é bom para o Chega, mas é mau para país, para a oposição e para a direita”, insistiu.

André Ventura confessou que estava à espera “que a nova liderança do PSD não viesse com a atitude de 2011, nem de 2015”, mas que “aparentemente é o mesmo PSD de 2015, com uma agravante, com os tiques de Rui Rio de ser muleta do PS”.

André Ventura no Jantar/Comício do Chega na quinta da Presa, em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

André Ventura no Jantar/Comício do Chega na quinta da Presa, em Viana. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“O espectro político não é como nos queremos. É o que é. Neste momento, há o Chega, o PS e, no meio, o PSD. Não há varinhas mágicas. O PSD só tem duas hipóteses: ou se aproxima ao centro e faz acordos com o PS, ou tenta ganhar a direita com o Chega. A vida é o que é. Temos de saber lidar com o que temos e o PSD não está a saber lidar com o Chega. Esperava outra coisa de Montenegro. Mas estamos muito no início, estamos nos primeiros momentos da direção de Luís Montenegro. Vamos ver amanhã [domingo] o discurso de encerramento do congresso. Não estarei, mas acompanharei o discurso. E damos o benefício da dúvida”, adiantou.

Questionado sobre a presença do Chega no encerramento do congresso social-democrata, André Ventura disse que o partido vai estar, “em princípio” representado pelos deputados Diogo Pacheco Amorim e Rita Matias.

O 40.º Congresso Nacional do PSD termina no domingo com a eleição dos órgãos nacionais e o discurso de Luís Montenegro já como presidente em exercício do partido.

Populares