Seguir o O MINHO

País

Vem aí a primeira Super Lua do ano

Na próxima terça-feira

em

Foto: DR / Arquivo

A primeira Super Lua do ano acontece na da próxima terça-feira, dia 27 de abril.

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), esta Super Lua acontece quando a Lua se encontra em fase de Lua Cheia e a uma distância do planeta Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita.

“Na terça-feira dia 27 às 04h32 (hora de Lisboa) a Lua estará em fase de Lua Cheia, atingirá o perigeu no mesmo dia às 16h22 (a 357377,973 quilómetros da Terra), e estando os dois acontecimentos apenas desfasados entre si de 11h50. No dia 27 a Lua nasce às 21h06 no azimute 70º, contado de Sul para Este. Nessa altura, a Lua vai parecer maior do que o habitual, não apenas devido à ocorrência de Super Lua, mas também porque estando próxima do horizonte vê-se mais ampliada, o que é apenas uma ilusão de ótica. A Super Lua encontra-se na constelação de Balança e logo acima ver-se-á o triângulo da Primavera formado pelas estrelas: Arcturo, Espiga e Régulo. Marte estará localizado mais acima do lado oeste na constelação de Gémeos, como mostra a figura abaixo. No dia seguinte, dia 28, a Lua nasce às 22h25 e continuará a parecer maior do que o habitual”, explica o Observatório Astronómico de Lisboa.

A segunda Super Lua do ano está prevista para 26 de maio. No mesmo dia ocorre um Eclipse total da Super Lua, por volta das 12:00, mas a sua observação não vai ser possível por causa da luz do dia.

No ano passado aconteceram três Super Luas: em março, abril e maio. Este ano, haverá apenas duas.

Até ao final do mês, há uma chuva de meteoros das Líridas.

As Líridas estão associadas aos restos de poeira deixados pela passagem do cometa Tatcher. Quando estas partículas entram na nossa atmosfera provocam um fenómeno de “chuva de meteoros” ou “estrelas cadentes”. O nome desta chuva de meteoros resulta dos traços das suas estrelas cadentes nos parecerem sair dum ponto da constelação da Lira.

Ainda no mês de abril, os planetas vão estar visíveis a olho nu. É o caso de Mercúrio, a partir de dia 24, ao anoitecer, ou de Vénus, que já é possível ser visto desde quarta-feira. Marte é visível durante a primeira parte da noite. Júpiter e Saturno ao amanhecer, ambos na constelação de Capricórnio.

EM FOCO

Populares