Seguir o O MINHO

Cávado

Fabricava notas falsas em Esposende para vender na internet

Contafação

em

Foto: Ilustrativa / DR

O Tribunal de Coimbra começa a julgar na segunda-feira o alegado líder de um grupo que se dedicava à contrafação de notas de euro, após uma investigação que levou à apreensão de mais de 20 mil notas por toda a Europa. Inicialmente, as notas eram fabricadas em Fão, no concelho de Esposende.


O arguido, de 34 anos, é acusado de liderar um grupo de quatro pessoas que se dedicava à produção e envio de notas de euro contrafeitas, tendo sido apreendidas e detetadas, entre início de 2017 e agosto de 2019, 24.775 notas de 50 euros e 10 euros criadas por esta organização, refere o Ministério Público, na acusação a que a agência Lusa teve acesso.

Os restantes quatro arguidos estão a ser julgados noutro processo, que começou no dia 18, também no Tribunal de Coimbra, e que conta já com leitura de sentença marcada para 15 de junho, às 13:30.

O alegado líder do grupo, que está em prisão preventiva, está a ser julgado num processo separado por ter requerido tribunal de júri, estando os restantes a ser julgados por um coletivo de juízes.

De acordo com a acusação, o grupo dedicava-se à contrafação de notas de euro e à sua venda na ‘darknet’, enviando para destinos na Europa, como Montenegro, Irlanda, Alemanha, Inglaterra, França, Áustria, Luxemburgo, Bélgica ou República Checa, sendo as encomendas pagas em ‘bitcoin’ (criptomoeda).

O grupo ter-se-á formado nos finais de 2016, sendo constituído pelo arguido, a companheira que teve entre 2016 e 2018, e os pais desta, aos quais se juntou um outro homem em 2019.

Segundo o Ministério Público, o líder do grupo tratava de publicitar a venda das notas na Internet (vendia a dez euros cada nota de 50), orientando depois os restantes membros para tratar de produzir as quantidades pretendidas e enviar as notas, que ao início eram fabricadas na residência da sua companheira e dos seus pais, em Fão, Esposende, bem como num anexo de uma casa que estes tinham em Valadares, Vila Nova de Gaia.

No início de 2018, o líder do grupo mudou-se para a Colômbia, mas manteve a atividade do grupo, contactando com a ex-companheira através de plataformas como o Signal e o Whatsapp.

Em 2019, o grupo passou a produzir as notas no concelho de Cantanhede, altura em que se juntou mais um elemento à organização.

O Ministério Público (MP) afirma que as notas começaram a ser identificadas logo em janeiro de 2017, a circular em Montenegro e na Irlanda, sendo depois detetadas ainda nesse ano também em Portugal, nas cidades do Porto e de Leiria.

Em junho de 2019, foram apreendidas várias encomendas com diversos destinos europeus, inclusive uma com 605 notas contrafeitas de 50 euros, inseridas dentro de uma câmara de vigilância, que tinham como destino a Inglaterra.

Nessa altura, nota o MP, a atividade estava a expandir-se ao ponto de o grupo estar à procura de “um serviço de estafetas para efetuar o envio pelos correios”, altura em que a operação da PJ pôs termo à sua atividade.

Para além das 24.775 notas de 50 e 10 euros detetadas entre 2017 e agosto de 2019, foram ainda apreendidas 287 notas de 50 euros e 87 notas de 10 euros nas buscas realizadas.

O líder do grupo, tal como os restantes arguidos, é acusado de um crime de contrafação de moeda e um crime de passagem de moeda falsa.

Anúncio

Cávado

Esposende vai recuperar moinhos para criar parque temático

Parque Temático de Moinhos de Vento

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

A Câmara de Esposende vai arrancar com a obra de recuperação de três moinhos de vento, propriedades do município, iniciando assim a primeira fase do processo de constituição do Parque Temático dos Moinhos de Vento da Abelheira, em Marinhas, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a autarquia dá conta de que esta recuperação dos moinhos insere-se no âmbito da candidatura Qualificação das Experiências de Turismo da Natureza no Minho – Redes de Visitação da Natureza – Moinhos da Abelheira/Esposende, integrada na Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE, financiada a 85% e terá um investimento de 155 mil euros.

Esta ação integra-se na estratégia de promoção do Turismo no Município de Esposende através da valorização e preservação do seu património material e imaterial.

A intervenção global está prevista para os sete moinhos, mas nesta fase a autarquia vai avançar com a recuperação dos três edifícios que são propriedade da Câmara.

“No futuro ficará ali implantado o parque temático ligado às energias renováveis e ao ciclo do pão”, refere Benjamim Pereira, presidente da Câmara de Esposende.

As obras de conservação abrangem os moinhos de vento números “3”, “6” e “7”, os quais são já propriedade do município, mas o futuro parque temático abrange sete espaços expositivos, onde será apresentado todo o processo que envolve a sementeira e a recolha do grão, assim como os diversos processos necessários à sua preparação para a moagem.

Aos moinhos estarão associados os temas da eletricidade; do ciclo do pão e da etnografia a ele associado; das questões ambientais do uso de energias; das respostas sensoriais que a cultura do cereal permite experimentar através do tato, olfato e visão, às questões sobre os cereais híbridos ou geneticamente modificados. Um dos espaços, distinto pelo aspeto arquitetónico vanguardista, abordará o futuro da energia.

Relativamente ao moinho “3”, a autarquia pretende3 fazer a recuperação funcional a partir dos vestígios remanescentes no local, recuperando toda a informação tecnológica e capitalizando os resultados na reconstituição fidedigna do moinho (no que respeita a materiais, técnicas construtivas, volumes, paleta de cores, soluções tecnológicas tradicionais e molinologia local).

No que se refere aos outros dois moinhos, pretende uma recuperação parcial, garantindo emprego de técnicas não invasivas e consequentemente a preservação da integridade dos elementos existentes.

Esposende reúne vários moinhos eólicos e hidráulicos. Entre os núcleos dos engenhos de moagem movidos pela força do vento, além dos de Abelheira estão referenciados os de Cedovém em Apúlia, entre outras unidades disseminadas pelo concelho.

Refira-se que a Casa das Marinhas, foi inspirada, arquitetada e construída a partir de um moinho e transformada em habitação, pelo conceituado arquiteto esposendense Viana de Lima. Portugal assinala o Dia Nacional dos Moinhos a 07 de abril

Continuar a ler

Barcelos

Mulher em estado grave após colisão frontal em Barcelos

EN 205

em

Foto: DR

Uma mulher de 40 anos sofreu ferimentos graves na sequência de uma colisão entre duas viaturas ligeiras, esta noite de sexta-feira, na EN 205, em Barcelos.

Ao que apurou O MINHO, as duas viaturas colidiram frontalmente, por razões ainda desconhecidas, em frente ao restaurante Taberna O Manhoso, em Tamel São Veríssimo.

Para além da vítima grave, outros dois homens, de 40 e 45 anos, sofreram ferimentos ligeiros.

As três vítimas foram transportadas ao Hospital de Braga pelos Bombeiros de Barcelos, que estiveram no local com três ambulâncias, viatura de desencarceramento e uma viatura tática com dois elementos do comando.

A vítima grave foi acompanhada para o hospital pela equipa médica da VMER de Barcelos.

O Destacamento de Trânsito da GNR registou a ocorrência.

O alerta foi dado às 23:02.

Pelas 00:10 horas, o trânsito encontra-se condicionado para limpeza da via.

Continuar a ler

Barcelos

Intermarché de Barcelos abre na próxima quinta-feira com posto de combustíveis

Junto ao Estádio Cidade de Barcelos

em

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

A inauguração do Intermarché de Barcelos vai realizar-se na próxima quinta-feira, 24 de setembro, anunciou hoje a empresa.

O hipermercado, localizado na Rua do Faial, freguesia de Vila Boa, junto ao Estádio Cidade de Barcelos, conta também com um posto de combustíveis.

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

O Intermarché é a primeira insígnia do Grupo Os Mosqueteiros a atuar há mais de 40 anos por toda a Europa.

Em Portugal há mais de 20 anos, conta com mais de 240 pontos de venda, espalhados por mais de 180 concelhos, nos 18 distritos do país.

O grupo é dirigido diretamente por empresários independentes, que são donos e responsáveis, na íntegra, pela gestão de cada loja, e que beneficiam de um conjunto de estruturas comuns de vendas, logística, direção comercial, desenvolvimento e qualidade.

No caso de Barcelos, a gerência é a mesma dos hipermercados de Ponte de Lima e Prado (Vila Verde).

“Depois de Ponte de lima (15 anos) de Vila de Prado (4 anos) chegamos a Barcelos. A mesma qualidade, o mesmo serviço de excelência, o foco em si, o foco desta feita nos barcelenses, são para nós bandeiras inegociáveis”, lê-se no anúncio de abertura do Intermarché de Barcelos nas redes sociais.

Continuar a ler

Populares