Seguir o O MINHO

Região

UMinho entre as universidades mais sustentáveis do mundo

Universidades

em

Campus de Gualtar da Universidade do Minho (UMinho), em Braga. Foto: UMinho/Facebook

A Universidade do Minho é a melhor instituição portuguesa e a 55.ª no mundo no “UI GreenMetric World University Rankings 2019“, que avalia a sustentabilidade ambiental de 780 universidades de 85 países e que acaba de ser lançado. A UMinho é líder nacional desde 2017, quando se estreou na lista, e sobressai este ano nos indicadores de energia e alterações climáticas, resíduos, educação e investigação. O pódio inclui as universidades de Wageningen (Holanda), Oxford (Reino Unido) e Califórnia Davis (EUA). Há quatro academias britânicas no top 10.


Os resultados demonstram que a sustentabilidade ambiental é uma marca identitária da UMinho, faz parte de um compomisso estratégio de liderança nesta área e pretende-se construir uma comunidade mais saudável, vibrante e participativa, com vista a um futuro melhor. Revelam também o esforço da instituição em prol do desenvolvimento sustentável através do ensino, investigação e transferência de conhecimento, bem como nas suas práticas internas, políticas e procedimentos. O reitor Rui Vieira de Castro refere que as instituições de ensino superior têm “uma responsabilidade adicional” na sustentabilidade, considerada a única solução para os desafios globais segundo entidades como as Nações Unidas, o Fórum Económico Mundial e o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável.

A UMinho também surge este ano como a melhor instituição de Portugal, a terceira ibérica e a 83ª no mundo a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, segundo a primeira edição do “THE Impact Rankings“. A publicação da Times Higher Education destacou esta academia nos indicadores de parcerias, educação de qualidade, cidades e comunidades sustentáveis, saúde de qualidade e indústria, inovação e infraestruturas.

A UMinho foi a primeira universidade europeia a alinhar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a primeira do país a iniciar o relato público dos indicadores de sustentabilidade (em 2010), bem como a ser incluída na rede International Sustainable Campus Network, tendo ainda aderido à iniciativa United Nations Global Compact. Esta academia é um elemento catalisador da sua região, gerando impacto económico positivo anual acima de 200 milhões de euros, a que estão associados mais de 5000 postos de trabalho.

A estratégia é reforçada pelo plano de desenvolvimento integrado dos campi, pelo financiamento para projetos de I&D sobre sustentabilidade, pelo volume de publicações científicas, eventos e unidades curriculares sobre o tema, bem como pela valorização dos resíduos produzidos, pelo uso de mobiliário exterior inovador, pela redução de gastos de energia e, entre outros aspetos, pela parceria na candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia, envolvendo-se no território, aplicando investigação e integrando os vários saberes.

Anúncio

Alto Minho

Freguesias de Ponte de Lima vários dias sem água

Águas do Alto Minho

em

Foto: DR

Duas freguesias de Ponte de Lima estiveram vários dias sem água. A Águas do Alto Minho (AdAM) retomou o abastecimento esta segunda-feira e adiantou a O MINHO que está a estudar a implementação de “uma solução definitiva” para o problema que é “recorrente” nesta altura do ano.

Na freguesia de Serdedelo, há casas que estão sem água desde a passada quarta-feira, tendo a situação sido resolvida apenas na madrugada de hoje.

“Durante a noite de hoje andaram com camiões-cisterna a fazer reforço de água”, refere a O MINHO Maurício Pereira, proprietário da Casa do Cabo – Ponte de Lima, alojamento local que foi afetado pela falta de água no domingo durante “cinco ou seis horas”.

“De qualquer modo, o problema persiste. Neste momento temos água, o que não quer dizer que ao final do dia não volte a falhar, porque não estão a conseguir dar resposta”, aponta o empresário. “A infraestrutura, aparentemente, não tem as condições necessárias para o número de pessoas que utilizam a rede, no entanto essa infraestrutura já era utilizada nos anos anteriores e, este, apesar de estar muito calor, não é dos verões mais quentes. Nem ainda houve falhas das águas de nascente. Nunca tivemos falhas de quatro, cinco, seis dias, como é o caso, tínhamos falhas de duas horas e a situação era resolvida”, acrescenta.

Maurício Pereira nota que a solução é “muito temporária”. “Estão a encher os reservatórios de água com recurso aos camiões-cisterna, mas não garantem que os reservatórios não voltem a ficar vazios”, destaca.

“Condutas antigas rebentam todas”

Numa parte da freguesia vizinha de Ribeira, a água começou a falhar na sexta-feira. O abastecimento foi reposto esta manhã.

O MINHO contactou o presidente da Junta, Nuno Pimenta, que confirmou o corte do abastecimento, do qual deu conhecimento à Câmara e à AdAM.

O autarca revela que o problema já aconteceu outra vezes no passado, quando a gestão do abastecimento da água era municipal, mas não por tanto tempo. “Os funcionários da câmara resolviam logo o problema”, afirma Nuno Pimenta, considerando que um dos problemas são as fugas de água.

Perguntas e Respostas: Águas do Alto Minho e suas “sucessivas trapalhadas”

“As condutas são muito antigas e a água vindo com mais um bocado de pressão rebentam todas, o problema também é por haver muitas fugas”, destaca, acrescentando que o problema afetou “entre 30 a 40 fogos”.

Na freguesia de Fornelos, onde o problema também se costuma verificar, contactado por O MINHO, o presidente da Junta, João Matos, revelou que, na semana passada, houve “dois ou três dias” em que o abastecimento foi interrompido durante “algumas horas”, mas as equipas da AdAM resolveram o problema.

“Falhas são situação recorrente” e AdAM “está a estudar solução definitiva”

Questionada por O MINHO, a AdAM confirmou que “o abastecimento de água em Ponte de Lima já foi restabelecido”.

“Durante os últimos dias, e tendo em vista garantir que não faltava água às populações, foi efetuado o abastecimento de água por recurso a transporte em camião-cisterna”, acrescenta a empresa.

Considerado que “as falhas de abastecimento são uma situação recorrente que resultam do aumento da temperatura e do elevado consumo de água que se faz sentir nesta época do ano”, a AdAM garante que “está a estudar a situação com vista a implementar uma solução definitiva para este problema que ocorre todos os anos”.

Em declarações à Antena 1, o presidente do conselho de administração da AdAM, Carlos Martins, afirmou que, “infelizmente, as infraestruturas que existem no local não permitem criar expectativas muito elevadas de conseguirmos resolver o problema num curto período de tempo. Vamos tentar que no próximo Verão criemos as condições para não se repetir”.

Carlos Martins refuta também que o problema tenha que ver com a AdAM, que começou a operar no início deste ano. “É um problema estrutural, não é por causa da mudança da empresa. O problema que se coloca é que as origens dessa água quando chega o verão esgotam-se”, realça.

A Águas do Alto Minho é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% por sete municípios do distrito de Viana do Castelo (Arcos de Valdevez, Caminha, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Continuar a ler

Barcelos

Plano de integração da comunidade cigana em Barcelos renovado com fundos comunitários

Alto Comissariado para as Migrações

em

Foto: DR / Arquivo

Os fundos comunitários vão cofinanciar a implementação de mais seis planos locais de integração das comunidades ciganas (PLICC), e permitir a continuidade e acompanhamento dos 12 já existentes, um dos quais em Barcelos, adiantou hoje o Alto Comissariado para as Migrações (ACM).

Em comunicado, o ACM adiantou que foi aprovada a candidatura do ACM ao Programa da União Europeia de Direitos, Igualdade e Cidadania para uma segunda edição do PLICC.

“A nova edição do projeto (PLICC2), que será implementada em breve e terá a duração de 24 meses, prevê o acompanhamento dos 12 Planos Locais para a Integração das Comunidades Ciganas concebidos na primeira fase e a criação de seis novos Planos Locais, a implementar por municípios portugueses que serão selecionados posteriormente”, lê-se no comunicado hoje divulgado.

O ACM define como prioridade da segunda edição do PLICC o acompanhamento dos 12 planos já existentes, com a criação e fortalecimentos de plataformas e grupos de trabalho locais, e “o envolvimento de novos municípios para a elaboração de Planos Locais, tendo por base a metodologia já testada”.

O comunicado refere que a candidatura aprovada teve por base a Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2022.

“A primeira edição do projeto foi executada entre junho de 2018 e julho de 2019, tendo a criação de 12 Planos Locais (dois intermunicipais), decorrido entre novembro de 2018 e abril de 2019, com o envolvimento de 14 municípios, que abrangem as cinco regiões de Portugal Continental: Albufeira, Almada, Barcelos, Borba, Castelo Branco, Estremoz, Évora, Figueira da Foz, Matosinhos, Moura, Mourão, Oeiras, Porto e Tomar. Os dois Planos intermunicipais foram concebidos por Borba e Estremoz, e por Moura e Mourão”, recorda o ACM.

O organismo refere ainda que o Guia para a Conceção de Planos Locais para a Integração de Comunidades Ciganas foi um dos resultados da primeira edição do PLICC.

Continuar a ler

Barcelos

“Livros na Rua” em Barcelos para estimular leitura e comércio local

Cultura

em

Foto: Turismo Porto e Norte

A Câmara de Barcelos promove, entre 18 de julho e 02 de agosto, a iniciativa “Livros na Rua”, no Campo 5 de Outubro, para estimular a leitura, mercado livreiro e o tecido produtivo e comércio local, anunciou hoje.

No Campo 5 de Outubro (jardim velho) serão instalados dois stands para acolher quatro livrarias (Livraria Cecílio, ETC Livraria, Livraria Ler é Saber e Livraria Liz), referiu, em comunicado.

O “Livros na Rua” funcionará todos os dias das 17:00 às 22:00 e terá como principal fim a venda de livros com descontos, sublinhou.

Continuar a ler

Populares