Seguir o O MINHO

Braga

UMinho e o Instituto Nacional para a Reabilitação assinam acordo para inclusão social

Protocolo

em

Foto: O MINHO/Arquivo

A Universidade do Minho (UMinho) e o Instituto Nacional para a Reabilitação (INR) assinaram hoje um protocolo que “vai mais além” no desenvolvimento, investigação sobre a deficiência e inclusão social das pessoas com deficiência.

O acordo, no qual o Instituto de Ciências Sociais (ICS) representou a UMinho, pretende desenvolver “ações conjuntas de promoção cultural, científica e técnica”, como cursos de formação profissional, tendo sido dado como exemplo uma formação sobre acessibilidade e evacuação de emergência para pessoas com deficiência, sobre língua gestual portuguesa e sobre técnicas de guia no atendimento a invisuais.

Para a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, presente na cerimónia, acordo tem a “capacidade de ir mais além” e “”perceber o futuro da inclusão” social.

“Este protocolo, não obstante promover estas ações de formação, (…) para quem tenha vontade e interesse em saber sobre mais sobre inclusão e das pessoas com deficiência, (…) vai mais além e tem como grande mérito a capacidade de perceber que a colaborações entre as instituições e diferentes organizações da sociedade civil é verdadeiramente frutífera”, salientou a governante.

Para a presidente do ICS, Helena Machado, o acordo representa uma “verdadeira cooperação técnico-científica e cultural, sendo esta missão de um dos pilares essenciais” desta escola.

“É nosso dever e nossa satisfação podermos contribuir para uma sociedade humanista, solidária e orientada e contribuir para resolver problemas do quotidiano o aumentando o bem-estar de pessoas com deficiência”, disse.

Segundo o texto do protocolo os objetivos a atingir são, entre outros, “Cooperar na prossecução de iniciativas e ações concertadas, designadamente da formação, informação, investigação, promoção cultural e divulgação das iniciativas, mobilizando sempre que necessário, outras entidades públicas e outras organizações da sociedade civil”.

“Promover a reflexão e análise de informação considerada relevante pelas partes, visando a organização de ciclo de estudos” e “consolidar esforços, rentabilizar conhecimento e otimizar recursos, com vista ao planeamento, conceção e lançamento de uma revista técnica, de âmbito nacional e multidisciplinar, que vise discutir e promover o debate académico e contribuir para o conhecimento científico evidenciando o “estado da arte” sobre o protocolado”.

Do lado do INR, o presidente da instituição referiu a “excelência da parceria” para o desenvolvimento de conhecimento e informação sobre a deficiência, inclusão e participação social.

“Estas são parcerias que permitem a construção de linhas de investigação em que se possam apoiar diagnósticos, estudos e investigações de caráter continuado ancorados nas necessidades destas pessoas com necessidades especiais”, afirmou Humberto Santos.

Anúncio

Braga

Braga: Advogados pedem 2,2 milhões ao banco Santander e aos três homens que esvaziaram cofres

Assalto milionário em noite de São João

em

Foto: DR / Arquivo

2,2 milhões de euros. É esta a quantia pedida, a título de indemnização, por nove lesados aos três autores do assalto ao banco Santander, em Braga, em junho de 2018 e à própria entidade bancária.

Ao que O MINHO soube, os advogados Artur Marques, Licínio Ramalho e Nuno Albuquerque, representando nove dos 50 clientes que ficaram sem o conteúdo dos cofres existentes na dependência da Avenida Central do banco, e que o Ministério Publico considera que soma quatro milhões entre dinheiro e bens, avançaram com os respetivos pedidos de indemnização cível. Vários outros juristas estão a fazer o mesmo já que o prazo para o requerimento da fase de instrução foi alargado por 30 dias, correndo até final de agosto.

Conforme O MINHO noticiou, no fim de junho, o MP de Guimarães acusou dez arguidos, membros de um gangue que fez uma dezena de assaltos a residências em Braga e no Minho e ao banco Santander. Furtando dinheiro e bens que o Ministério Público avalia em 4,7 milhões de euros. Entre os lesados estão, também, o empresário Domingos Névoa, o cantor arcuense Delfim Júnior, e o médico e antigo atleta do SC Braga, Romeu Maia.

No pedido, os juristas visam, ainda, os arguidos Joaquim Marques Fernandes, Vítor Manuel Martins Pereira e Luís Miguel Martins de Almeida.

O banco vai ter de contestar os pedidos de indemnização, isto depois de ter vindo a público afirmar que daria toda a colaboração aos clientes lesados.

Nos pedidos, os advogados sustentam que o banco Santander Totta “incumpriu a obrigação a que, por força do contrato celebrado, estava vinculado, de guardar em condições de integridade, segurança e proteção, em especial contra furtos e roubos, os bens móveis e valores que os clientes tinham no cofre alugado”.

Incumprimento

O incumprimento dessa obrigação foi decisivo para os arguidos executarem o assalto”, afirmam, lembrando que, “desde 15 de junho de 2018, a porta blindada que trancava a antecâmera existente antes da porta gradeada que dá acesso aos cofres particulares de que se trata ficou aberta devido às obras que nesse espaço teriam lugar e assim permaneceu até ao dia do assalto”.

O banco “não adotou quaisquer medidas eficazes para compensar essa enorme diminuição das condições de segurança e da inviolabilidade dos cofres” e, “contra o que estava previsto, permitiu que o Joaquim Fernandes, a 19 de junho, acedesse à zona de cofres particulares num momento em que a agência não estava aberta ao público e tivesse percebido que aquela porta blindada permanecia aberta e que o alarme estava inativo e com a indicação “falta ligar”.

Para os lesados, tal “consubstancia uma grosseira falta de cuidado e diminuição das condições de segurança que o banco se obrigou a garantir por contrato”.

Assaltos em Braga, Arcos, Ponte de Lima e Viana

O gangue fez, ainda, assaltos a várias casas na região do Minho (Braga, Arcos de Valdevez, Ponte de Lima e Viana do Castelo), onde, diz o Ministério Público, terá furtado mais 700 mil euros.

Foto: Arquivo

Tinha como informador o agente da PSP de Ponte de Lima, Carlos Alfaia, apanhado em escutas e mensagens telefónicas a contar a sua participação nos crimes e a pedir a sua “prenda”, ou seja, o dinheiro correspondente.

A coberto do São João

Os lesados dizem que a culpa do banco é “tanto mais agravada e incompreensível quanto é certo que, localizando-se a agência na Avenida Central de Braga, numa zona da cidade onde era notório que iriam concentrar-se, como se concentraram, sobretudo nos dias e noites de 23 e 24 de junho, de São João, dezenas ou mesmo centenas de milhares de pessoas. Ou seja, os larápios esvaziaram os 52 cofres (dois estavam vazios) durante várias horas a coberto do ruído.

Continuar a ler

Braga

Dinossauros “invadem” o Braga Parque

Na escadaria central

em

Foto: DR/Arquivo

Centrosauros, Iguanodon, Velaciraptor e Deinonychus são alguns dos novos habitantes do Braga Parque durante o mês de agosto. A escadaria central do shopping é o palco da iniciativa desenvolvida em parceria com o Dino Parque da Lourinhã. A exposição dos modelos à escala real está patente de 26 de julho a 26 de agosto e a entrada é gratuita.

Também estão preparadas várias atividades didáticas para os mais pequenos. A “Escavação de Blocos” irá desafiar os mais novos a ser paleontólogos por um dia e a retirar um dinossauro ou fóssil de blocos compactos de sedimentos; com a “Modelagem de Barro” será possível “pôr as mãos na massa” e criar dinossauros; os mais criativos poderão elaborar a sua máscara personalizada no atelier criado para o efeito e estará ainda disponível um espaço dedicado à pintura de desenhos de dinossauros e a diversos jogos, como descubra as diferenças, labirintos e encontra o erro.

As atividades estão disponíveis todos os dias, das 15:00 às 22:00.

Continuar a ler

Braga

Despedida de solteiro junta 100 quilos de alimentos para ajudar idosos em Vila Verde

A ideia partiu do padrinho do noivo, um antigo vereador na Câmara de Ponte da Barca

em

Foto: Facebook

A despedida de solteiro de Óscar Gomes, administrativo de 28 anos e natural de Valões, concelho de Vila Verde, ficará marcada na história pessoal do noivo, mas também na dos utentes do Centro Social de Covas, que, fruto de uma ação solidária, receberam perto de 100 quilos de comida.

A ideia partiu de José Costa, padrinho do noivo, médico de profissão e antigo vereador da Câmara de Ponte da Barca, sugerindo que cada um dos 25 convidados para a despedida de solteiro trouxesse pelo menos três quilos de bens alimentares para doação a uma instituição à escolha.

Óscar, noivo babado, contou a O MINHO que os amigos aderiram e trouxeram perto de 100 quilos de bens alimentares.

Foto: Facebook

“Decidimos depois oferecer os alimentos ao Centro Social de Covas, por ser aqui na União de Freguesias do Vade, de onde sou natural e por ser a instituição mais próxima de minha casa”, explica.

Os bens foram já entregues naquela instituição que aproveitará os mesmos para ajudar os utentes a quem prestam serviços em regime de domicílio. A noiva, Catarina Ribeiro, de 26 anos e optometrista de profissão, acolheu bem a ideia, adiantou o noivo.

O casamento está marcado para o próximo dia 10 de agosto e os noivos asseguraram, à partida, uma entrada com o pé direito no matrimónio, com uma ação solidária que dá que falar na região, recolhendo elogios de autarcas e da sociedade civil em geral.

Carlos Cação, presidente da União de Freguesias do Vade, foi quem sugeriu o Centro Social de Covas como recetor da oferta, e entrou assim na engrenagem que permitiu o gesto solidário.

Atualmente, este centro social, sob direção de Luísa Gonçalves, acolhe 37 utentes dos concelhos de Vila Verde e de Ponte da Barca, em regime de apoio ao domicílio, mas está para breve a inauguração de um novo espaço físico que perimitirá aumentar o número de utentes para perto de 60. A média de idades deste utentes é de 87 anos, sendo a União de Freguesias do Vade um dos locais mais envelhecidos de Vila Verde.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares