Seguir o O MINHO

Braga

UMinho e Câmara de Braga querem recuperar convento com fundos comunitários

Convento de S. Francisco de Real

em

Foto: Divulgação / CM Braga

A Universidade do Minho (UMinho) e a Câmara de Braga apresentaram esta terça-feira uma candidatura a fundos comunitários para recuperar o Convento de S. Francisco de Real, tornando o local “um ativo turístico” e “preservar muita da história da cidade”.

Apresentada hoje, a candidatura ao Programa Operacional Regional do Norte (Norte 2020) está orçada para um milhão de euros, embora o projeto inicial da universidade visasse o investimento de dois milhões de euros pelo que “teve que se deixar algumas coisas de fora”, como a instalação no local de um centro interpretativo e da unidade de Arqueologia da UMinho.

Com este projeto, “Conservação, Valorização e Promoção do Convento de São Francisco de Real, Braga”, o objetivo é recuperar o Convento e inseri-lo num circuito de visita integrada que contempla também o Mausoléu de S. Frutuoso e a Igreja de S. Francisco de Real.

“O que vai ser feito tem a ver com uma leitura feita a este espaço, que é complexo. Tem a igreja, o mausoléu e o convento, que eram unidade arqueológicas relativamente desagregadas. Uma das ideias foi precisamente procurar devolver alguma da unidade através da promoção de articulações entre as três unidades”, explicou o reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro no final da apresentação do projeto.

O reitor não deixou de fazer algumas críticas à forma como decorreu a elaboração do projeto, que no seu início “era ambicioso” no sentido em que “não foi pensado em função de limitação de natureza orçamental, senão aquelas que decorriam do entendimento do edifício e com a criação de uma área interpretativa de todo conjunto”.

“O que para mim trouxe alguma perplexidade foi que, nos momentos inicias do processo, procuramos sensibilizar os responsáveis nacionais e regionais de orientações no plano financeiro. As pessoas, toda a gente sabia que não era possível com um orçamento de um milhão de euros, o financiamento seria mais ambicioso, cerca do dobro”, afirmou.

A revisão do projeto em função dos programas de financiamento levou a desenhar-se como “essencial no projeto” a recuperação do convento, “a área interpretativa e a instalação da área de arqueologia não ficará cá mas vai ter um papel importante em toda a atividade de visitação do edifício”.

Aliás, a possibilidade e a forma de visitar o complexo é “essencial” para o projeto: “a ideia da visitação é essencial, que quem vem aqui possa ver os três espaços, lê-los e interpretá-los”, definiu o responsável.

As exigências dos programas de financiamento, adiantou ainda, levaram a uma “componente de frustação” e a uma alteração nas condições de acesso, tendo que ser a autarquia a assumir a candidatura.

“Em tempos entendemos que a melhor forma de o fazer [a recuperação do Convento] era delegar na UMinho, infelizmente alteraram-se as circunstâncias mas o objetivo final mantém-se”, explicou o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio.

O objetivo, salientou o autarca é que “todos possam contribuir par a valorização do patrimonial, para a fruição de forma integrada, e criando mais um polo de dinâmica patrimonial, social e turística na cidade”.

“Este e ainda um ativo patrimonial único e com muita da história da cidade e temos aqui uma oportunidade única”, reforçou.

O autarca explicou ainda que o projeto que se candidata a um milhão de euros de fundos comunitários “está projetado para valor superior que terá que ser suportado pela câmara municipal”, pudendo ir até “cerca de dois milhões de euros”.

Ricardi Rio mostrou-se ainda confiante a elegibilidade do projeto.

“Não queremos acreditar que um projeto desta envergadura e importância não venha a ser abrangido por esta candidatura do Norte2020”, disse.

Anúncio

Braga

845 já recuperaram da covid em Braga e não morre ninguém do vírus há cinco dias

Covid-19

em

Arco-íris sobre Braga. Foto: Redes sociais

Mais duas pessoas estão infetadas com covid-19 no concelho de Braga subindo para 1.354 os casos confirmados. O número de óbitos mantém-se nos 63 desde a passada sexta-feira.

Depois de na segunda-feira não se ter registado nenhum caso novo de infeção por covid-19 em Braga, hoje, os serviços sanitários registaram mais dois, sendo, agora, 1.354 as pessoas portadoras do vírus.

O número de óbitos mantém-se estável, sendo 63 as pessoas falecidas com o coronavírus no concelho.

Fonte do setor local da saúde disse a O MINHO que o número de cidadãos curados é, agora, de 845.

A mesma fonte precisou que estão agora sob vigilância ativa da autoridade local de saúde 67 pessoas, o que significa que são contactadas com frequência pelos técnicos para se saber o seu estado sanitário, já que estiveram em contacto com alguém que contraiu o coronavírus.

Continuar a ler

Braga

Delegado de saúde de Braga alerta para onda de calor: “Pode matar”

Saúde pública

em

Foto: Ilustrativa / DR

Face ao alerta amarelo e às temperaturas elevadas esperadas até final do fim de semana, o delegado de saúde dos agrupamentos de saúde Cávado I (Braga) João Manuel Cruz elaborou alguma informação, á qual O MINHO se associa, de forma a divulgar os riscos a evitar durante este período.

QUAIS OS RISCOS DO CALOR ?

A exposição a calor intenso é uma agressão para o organismo, podendo conduzir a desidratação, ou agravamento de doenças crónicas, a um esgotamento ou a um golpe de calor.

Deve ter em atenção certos sintomas associados a um esgotamento por calor, tais como cãibras musculares, cansaço, fraqueza, desmaio, náuseas e vómitos, respiração rápida e superficial, grande transpiração, palidez, pele fria e húmida, pulso fraco e rápido e dor de cabeça.

O RISCO MAIS GRAVE

O golpe de calor é a situação mais grave e pode provocar danos irreversíveis à saúde e até levar à morte. Os principais sintomas são febre alta, dores de cabeça, tonturas, pulso rápido e forte, náuseas, confusão, perda de consciência, contracções musculares e pele vermelha, quente e seca, sem suor.

São mais vulneráveis ao calor:
• Crianças nos primeiros anos de vida
• Idosos
• Portadores de doenças crónicas (cardiovasculares, respiratórias, renais, diabetes e alcoolismo)
• Obesos
• Acamados
• Pessoas com problemas de saúde mental
• Pessoas que tomam medicamentos, tais como, anti-hipertensores, antiarrítmicos, diuréticos, antidepressivos, neurolépticos, entre outros.

Proteja-se do Sol e do calor

• Evite a exposição directa ao Sol, em especial, entre as 11 e as 16 horas
• Na praia, mesmo debaixo do chapéu de sol não está protegido. A água do mar também reflecte os raios solares podendo provocar queimaduras solares
• Sempre que se expuser ao Sol ou andar ao ar livre, use protector solar (índice>30)
• Use chapéu e óculos escuros (especialmente para pessoas de pele clara). Proteja a cabeça das crianças com chapéu de abas
• Use roupa solta, de preferência de algodão e aplique sempre protector solar
• Nos dias de grande calor, os bebés e os idosos não deverão ir à praia
• Diminua os esforços físicos e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados

Beba e faça uma alimentação equilibrada

• Aumente a ingestão de água ou de sumos de fruta naturais, sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede
• Evite bebidas alcoólicas e com elevados teores de açúcar
• Faça refeições leves, pouco condimentadas e mais frequentes

Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes podem não sentir sede. Ofereça- lhes água!

Refresque-se

• Permaneça 2 a 3 horas por dia num ambiente fresco. Se isso não for possível em sua casa, visite centros comerciais, museus, cinemas ou outros locais com ar condicionado.
• No período de maior calor tomar um banho de água tépida. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura.

Em casa

• Evite que o calor entre. Corra as persianas ou portadas e mantenha o ar a circular
• Abra as janelas durante a noite
• Use menos roupa na cama, sobretudo, dos bebés e doentes acamados.

Em viagem

• Se o carro não tiver ar condicionado não feche completamente as janelas
• Leve água ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar
• Sempre que possível viaje de noite
• Evite a permanência em viaturas expostas ao Sol, em especial, de crianças, doentes ou idosos

PROCURE E DÊ AJUDA

• Não hesite em pedir ajuda a um familiar ou vizinho no caso de se sentir mal com o calor
• Informe-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas ou com dependência que vivam perto de si e ajude-as a protegerem-se do calor

No caso de

• Sofrer doença crónica ou estiver a fazer uma dieta com pouco sal ou restrição de líquidos
• Estar a tomar medicamentos
• Ter sintomas pouco habituais

Consulte o seu médico ou contacte a SAÚDE 24 (808 24 24 24).

Uma vítima de um golpe de calor corre risco de morte. São indispensáveis cuidados médicos de emergência. LIGUE 112.

Continuar a ler

Braga

Condutor que atropelou ciclista em Braga continua em fuga e arrisca pena de prisão até 2 anos

Crime

em

Imagem via Google Maps

O condutor que atropelou um ciclista num dos túneis da Avenida Imaculada Conceição, na cidade de Braga, ainda não se entregou às autoridades, apurou O MINHO junto de fonte da PSP.

O MINHO sabe que a PSP está a tentar apurar a identidade do homem mas a ausência de testemunhas não permite uma maior agilização do processo. O carro seguiria em excesso de velocidade no túnel da intersecção com a Avenida João XXI quando terá abalroado um ciclista de 65 anos, projetando a vítima. Recorde-se que o ciclista circulava legitimamente naquela infraestrutura.

O acidente ocorreu por volta das 10:30 da manhã de domingo, com a vítima a ser assistida no local pelos Bombeiros Voluntários de Braga e transportada de urgência para o Hospital de Braga, onde deu entrada com ferimentos graves.

Já o condutor do veículo automóvel colocou-se em fuga não prestando assistência, incorrendo em crime de omissão de auxílio após acidente criado pelo próprio, punível com pena de prisão até dois anos ou multa até 240 dias.

Continuar a ler

Populares