Seguir o O MINHO
[the_ad id='438601']

Alto Minho

Um século de história. Mais de 10 mil fotografias de Viana doadas à câmara

em

Mais de 10 mil fotografias que retratam usos, costumes, tradições e habitantes e história de Viana do Castelo são doadas, na quarta-feira, pela mais antiga casa de fotografia da cidade, com 105 anos de existência, à Câmara local.

Em declarações, o filho do proprietário da Foto Roriz, explicou que a decisão de doar aquele material à autarquia “assentou na necessidade de preservar um espólio muito importante da história da cidade”.

O início de construção do prédio Coutinho, na segunda metade da década de 1970, é apenas um dos exemplos do desenvolvimento urbanístico da cidade captado pelas objetivas daquela casa.

Desde a escavação das fundações, no terreno de 975 metros quadrados onde estava instalado o mercado municipal da época, que a Câmara vendeu em hasta pública, à elevação dos 13 andares do edifício construído por Fernando Coutinho, na altura emigrante no Zaire, todo o processo foi registado em fotografia.

Tio da coreógrafa e bailarina Olga Roriz, Joaquim Roriz, hoje com 80 anos de idade e 70 de atividade, ainda mantém, com o filho, Victor Roriz, a casa de fotografia com 105 anos de existência.

“Eu, como o único elemento da família que pode dar continuidade ao negócio, e o meu pai decidimos que esta é a única forma de preservar este material que corria o risco de se perder. Assim pode ser consultado e utilizado, sem fins lucrativos, por toda a gente e a Câmara Municipal vai poder divulgar as imagens”, afirmou Vítor Roriz.

Cerca de 50 fotografias vão estar expostas, a partir de quarta-feira no Museu do Traje, no âmbito das comemorações dos 168 anos de elevação de Viana do Castelo a cidade.

Além da inauguração da exposição “Foto Roriz – Evocações, Paisagens e Fotografias” irá ainda realizar-se o ato de doação do espólio do fotógrafo Joaquim Roriz à Câmara Municipal.

Em comunicado, hoje, a Câmara Municipal sublinhou o registo de um século de reportagens sociais e históricos da cidade, entre negativos em vidro e em película, a preto e branco e a cores, de vários formatos com milhares de imagens.

“É, assim, de realçar, o relevante contributo que Joaquim Roriz deu a Viana do Castelo, consubstanciado na preservação e oferta de um espólio documental fotográfico importantíssimo para a história desta cidade”, sublinhou o presidente da Câmara, José Maria Costa, citado naquela nota.

O autarca socialista destacou “o importante contributo que o fundador e o seu sucessor emprestaram a Viana do Castelo com a reunião e a preservação de um espólio documental fotográfico importantíssimo para a história da cidade”.

Em 2012, pelo contributo documental que o fundador e o seu sucessor constituíram para a história do município, a autarquia atribui à Fotografia Roriz, o título de Instituição de Mérito.

Um ano antes, em 2011 a autarquia descerrou uma placa alusiva ao centenário do estabelecimento comercial.

Além da abertura da exposição, o programa das comemorações dos 168 anos de elevação de Viana do Castelo a cidade inclui, na quarta-feira, às 21:00, no teatro municipal Sá de Miranda, a sessão solene com a atribuição de 32 títulos honoríficos a personalidades ligadas à cultura, ao ensino, ao desporto, a empresas e instituições de várias áreas.

O agente desportivo Jorge Mendes é uma das personalidades que vai receber o título de cidadão de honra de Viana do Castelo pelos “notáveis serviços prestados ao desporto a nível nacional e internacional”.

O nome de Jorge Mendes foi proposto pelos vereadores do PSD e aprovado por unanimidade pelo executivo da capital do Alto Minho.

Na proposta, os vereadores do PSD sublinham o facto “de, enquanto jogador de futebol, Jorge Mendes ter vestido a camisola do Sport Clube Vianense e do Lanheses e de ter iniciado a sua atividade empresarial em Viana do Castelo, obtendo a sua primeira licença FIFA nesta cidade”.

Populares