Seguir o O MINHO

Braga

Um jovem e três funcionários infetados na APPACDM de Lomar, em Braga

Covid-19

em

Foto: Divulgação

Há um jovem e três funcionárias infetadas com covid-19 no lar da APPACDM de Lomar, em Braga, que acolhe 18 jovens portadores de deficiência.


O presidente da direção, António Melo, disse a o MINHO que há um outro jovem que ontem esteve no Hospital de Braga por ter apresentado sintomas, febre de 38,5 graus centígrados, mas que saiu e foi levado para casa pela família. Desconhece-se, ainda, se fez testes e se está ou não infetado.

Para além disso, acrescentou, foram feitos testes de despistagem da doença a duas outras funcionárias, dos quais também não se sabe o resultado. Já o jovem infetado está a receber todos os cuidados médicos recomendados pelas autoridades de saúde.

O dirigente da associação adiantou que está com falta de funcionários, tendo apenas quatro no turno desta noite.

Está a esforçar-se por contratar mais trabalhadores, estando já combinada a contratação, a partir de amanhã, de um enfermeiro que termina um período de quarentena. Conseguiu, ainda, obter equipamento de proteção, o qual permite que se trabalhe em segurança.

Face à falta de recursos humanos, a APPACDM está a pedir às famílias dos jovens que não têm qualquer doença que os levem para casa: “hoje devem sair três e amanhã mais alguns, prevendo-se que fiquem apenas nove”, esclareceu.

O vírus – sublinhou – não chegou, ainda, às duas outras valências que acolhem jovens com deficiência. Ao todo, os três lares estão em segurança: “o nosso país não tem estruturas capazes para situações destas”, lamentou, sublinhando que esta opinião não visa o atual governo.

Anúncio

Braga

Socialistas na oposição pedem eleições na Federação de Braga

Política

em

Um grupo de socialistas de Braga, conotados com a oposição à direção, entre os quais, os ex-presidentes da Câmara de Guimarães e de Vizela, António Magalhães e Diniz Costa, exigem eleições para a Federação Distrital do PS e para a associação, próxima do PS, a Academia Salgado Zenha. Em resposta, o líder federativo, Joaquim Barreto disse a O MINHO que não se opõe à marcação do ato eleitoral, salientando que a decisão de adiamento das eleições e do congresso federativo subsequente foi decidida a 12 de março pela Direção Nacional, tendo a Federação respeitado essa posição.


O ato eleitoral, que estava marcado para março, punha frente a frente as listas de Joaquim Barreto e de Ricardo Costa, vereador na Câmara de Guimarães.

Jorge Faria, um dos rostos do grupo de oposição afeto a Ricardo Costa, adiantou a O MINHO que, com o desconfinamento estão criadas as condições para que as eleições se realizem, pelo que – sustenta – “não faz sentido que as eleições fiquem adiadas para 2021, já que os órgãos federativos têm de escolher os candidatos autárquicos”.

A O MINHO, Joaquim Barreto salientou que se opôs, em março, ao adiamento das eleições e que concorda com a sua realização, a curto prazo, “desde que se cumpram as normas da DGS e os estatutos e regulamentos internos do partido”. Compete à Direção Nacional tomar uma decisão”, sublinhou

Academia Salgado Senha

Aquele grupo opositor, em que pontuam também César Machado, João Polery, José Augusto Morais, José Manuel da Cruz, Luís Castro e João Nogueira, escreveu, também, uma carta ao presidente da Assembleia-Geral da Academia Salgado Zenha, Artur Sousa Lopes exigindo a realização de eleições na associação.

Sousa Lopes havia comunicado aos sócios que “tido o momento que vivemos provocado pela pandemia covid 19, com todos os conhecidos condicionalismos daí advindos e com horizonte temporal indefinido no que à normalização da nossa vida quotidiana concerne, está prejudicada a realização das eleições para os Corpos Sociais, que tínhamos a intenção de realizar por esta altura”.

E acrescenta: “ouvida que foi a direção da Academia, proponho que as eleições em apreço fiquem adiadas para o início de 2021, reunidas que estejam, então, as condições sanitárias para o podermos fazer. Fica à consideração de todos e desde já acertada esta decisão se nada for dito em contrário”.

Na missiva, aquele grupo discorda do adiamento e pede a realização imediata de eleições, de acordo com os estatutos, se for preciso com regras de distanciamento sanitário (nada difíceis). Pedem, ainda, que o ato seja marcado para antes do fim de julho.

Barreto diz que não manda na Academia

Sobre esta reivindicação, Joaquim Barreto realçou a O MINHO que a Academia tem órgãos próprios, não pertencendo ele a nenhum deles: “a associação tem entre os sócios muitos militantes do PS e outros que o não são. Compete à Assembleia-Geral decidir. Por mim, enquanto sócio, não me oponho a que se vá a votos”.

Continuar a ler

Braga

Centenas contra o racismo em Braga (com máscara mas sem grande distanciamento social)

FOTOGALERIA

em

Fotos: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O protesto solidário pela morte do norte-americano George Floyd, ocorrido no passado dia 25 de maio, às mãos de um agente de polícia, decorreu este sábado na Avenida Central, no centro de Braga, à semelhança das restantes maiores cidades do país.


Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Com testemunhos de vítimas de racismo e preconceito, dezenas de cartazes com mensagens e gritos de protesto, a manifestação juntou cerca de 200 pessoas, todas com máscara, mas sem grandes regras de distanciamento social, apesar do esforço da organização.

Continuar a ler

Braga

Todos os bombeiros de Amares infetados já recuperaram da covid

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os seis operacionais assalariados dos Bombeiros Voluntários de Amares que estavam infetados com covid-19 já recuperaram e regressaram ao trabalho.


O MINHO falou com Domingos Ferreira, responsável do comando daquela associação humanitária, que confirmou a ‘boa nova’, dando conta de que regressaram com “todas as medidas de segurança”.

O comandante-adjunto acrescenta ainda que já está formado uma equipa de combate a incêndios integrada no dispositivo especial, em prontidão, caso surja algum incêndio no concelho, algo que ainda não aconteceu desde que foi estabelecida.

Recorde-se que os primeiros casos de bombeiros contagiados ocorreu a 02 de maio, com dois casos positivos. Foram, entretanto, confirmados mais quatro casos, mas já todos recuperaram.

Durante o mês de maio, a sombra de novos contágios pairou sobre o corpo ativo, com o receio de que o quartel tivesse de ser encerrado, face à falta de operacionais. Mas a questão foi contornada com o serviço a ser assegurado em exclusivo por elementos voluntários.

Segundo o relatório da DGS por concelho de sexta-feira, existiam no concelho de Amares 78 casos confirmados de contágio pelo novo coronavírus.

Continuar a ler

Populares