Seguir o O MINHO

Braga

TUB com 12,4 milhões de passageiros em 2019: “Um exemplo para o país”

Transportes públicos

em

Foto: DR / Arquivo

Os Transportes Urbanos de Braga (TUB) ultrapassaram os 12,4 milhões de passageiros em 2019 e registaram um aumento de 6,22% da receita e um crescimento de utentes de 3,99%, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Braga salienta que 2019 foi o “sexto ano consecutivo” em que aquela empresa municipal apresentou resultados positivos, sendo que em 2019 a receita total foi superior a 7,2 milhões de euros, “resultante do aumento da venda de títulos em cerca de 6,5 milhões de euros (mais 4,66%)” e do “incremento do aluguer de viaturas que superou os 722 mil euros (mais 22.86%) face ao ano anterior”.

Segundo o texto, “os TUB fecharam o ano com um resultado líquido positivo superior a 153 mil euros, percorreram 6,1 milhões de quilómetros, tendo prestado mais de 399 mil horas de serviço público e em 64 dias do ano passado ultrapassaram mesmo os 50 mil passageiros transportados num só dia”.

Sobre a “nova área de atuação” dos TUB, a fiscalização o Estacionamentos Urbanos de Braga (EUB), a autarquia revela que em 2019 foram emitidas 580 avenças para moradores, 256 para comerciantes e 10 para viaturas elétricas.

“Desde que entraram em funcionamento, os TUB registaram uma receita superior a 59 mil euros nos paquímetros, 3.100 euros na aplicação ‘Via Verde Estacionar’, 240 euros na aplicação ‘iParque’ e quase 23 mil euros em pagamentos de avisos”, lê-se.

“Os TUB são um exemplo a nível nacional ao apresentar um crescimento contínuo e sustentado ao longo dos últimos seis anos. Esta empresa tem feito um percurso verdadeiramente notável no setor que se traduz, ano após ano, no aumento do número de passageiros, no aumento de receita, na redução de custos de operação e manutenção e nos números excecionais no desempenho e cumprimento das obrigações sem que, para isso, seja necessário penalizar os utilizadores com aumento de tarifários”, enlate o presidente da autarquia, Ricardo Rio

Com 345 colaboradores e 136 viaturas, os TUB possuem uma rede de 301 quilómetros e mais de 1860 paragens. Em 2019, os autocarros efetuaram 592.363 mil viagens, apresentando uma taxa de serviços efetuados na ordem dos 99.91%.

Anúncio

Braga

Um jovem e três funcionários infetados na APPACDM de Lomar, em Braga

Covid-19

em

Foto: Divulgação

Há um jovem e três funcionárias infetadas com covid-19 no lar da APPACDM de Lomar, em Braga, que acolhe 18 jovens portadores de deficiência.

O presidente da direção, António Melo, disse a o MINHO que há um outro jovem que ontem esteve no Hospital de Braga por ter apresentado sintomas, febre de 38,5 graus centígrados, mas que saiu e foi levado para casa pela família. Desconhece-se, ainda, se fez testes e se está ou não infetado.

Para além disso, acrescentou, foram feitos testes de despistagem da doença a duas outras funcionárias, dos quais também não se sabe o resultado. Já o jovem infetado está a receber todos os cuidados médicos recomendados pelas autoridades de saúde.

O dirigente da associação adiantou que está com falta de funcionários, tendo apenas quatro no turno desta noite.

Está a esforçar-se por contratar mais trabalhadores, estando já combinada a contratação, a partir de amanhã, de um enfermeiro que termina um período de quarentena. Conseguiu, ainda, obter equipamento de proteção, o qual permite que se trabalhe em segurança.

Face à falta de recursos humanos, a APPACDM está a pedir às famílias dos jovens que não têm qualquer doença que os levem para casa: “hoje devem sair três e amanhã mais alguns, prevendo-se que fiquem apenas nove”, esclareceu.

O vírus – sublinhou – não chegou, ainda, às duas outras valências que acolhem jovens com deficiência. Ao todo, os três lares estão em segurança: “o nosso país não tem estruturas capazes para situações destas”, lamentou, sublinhando que esta opinião não visa o atual governo.

Continuar a ler

Braga

Misericórida de Vila Verde coloca em ‘lay-off’ 40% dos trabalhadores

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vila Verde anunciou que a instituição vai entrar em regime lay-off para cerca de 40% dos colaboradores, devido à suspensão de valências sociais e de educação. A medida será reavaliada no final de abril.

“Suspenderam os serviços do Infantário de Vila Verde, da Creche de Prado, do Colégio da Misericórdia, do Centro de Atividades Ocupacionais (CAO), entre outras valências, depois do decreto de emergência social”, explica Bento Morais, notando que “este regime excepcional se deve às circunstâncias da pandemia Covid-19 que trouxe constrangimentos no sector da saúde e no sector social”.

A Santa Casa da Misericórdia de Vila Verde é a maior empregadora daquele concelho, com mais de 600 trabalhadores.

O hospital tem as consultas e exames suspensos e continua com o Serviço de Atendimento Permanente aberto 24 horas por dia. O laboratório de análises mantém-se a funcionar, tal como a entrega de exames aos doentes e serviços de enfermagem pós-cirúrgicos e urgentes estão assegurados.

“Este é um momento difícil para todos, mas sabemos que com a determinação e garra de toda a equipa iremos ultrapassar as contrariedades desta pandemia que assola todo o mundo. Estamos a trabalhar para conseguir que os nossos doentes e utentes tenham 24 horas o apoio e serviço de excelência que sempre lhe foi prestado”, garantiu o provedor.

Continuar a ler

Braga

Português no Canadá leiloa camisolas raras para ajudar hospitais de Braga e Barcelos

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Um emigrante português no Canadá, natural e Barcelos pretende ajudar os hospitais de Braga e de Barcelos, leiloando duas camisolas autografadas da vasta coleção que possui, por uma licitação mínima de 2500 euros.

Num vídeo divulgado nas redes sociais, o barcelense mostra a coleção que foi recolhendo “desde miúdo”, apontando a camisola da Seleção Nacional de 1966 como uma das mais valiosas.

“Que haja força, garra e determinação para passar este obstáculo e tentar que não entre nas nossas portas”, refere.

“Tenho estas camisolas todas desde miúdo, que fui conseguindo através de contactos com jogadores. São camisolas oficiais, a maior parte autografadas. Queria leiloar duas camisolas, uma para o hospital de Braga outra para Barcelos”, diz, indicando que devem valer “2.500 dólares” cada uma.

Camisola autografada do Zé Manel (SC Braga), Nuno Gomes (Benfica) ou até a camisola do Jonas autografada por todo o plantel encarnado são outras das relíquias que o bracarense, natural de Arentim, pretende ver envolvidas neste leilão.

Continuar a ler

Populares