Seguir o O MINHO

Vila Verde

Trovar D’Alma: Professores de Vila Verde juntos pela música tradicional e poesia

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

São um dos poucos grupos musicais do país compostos por professores no ativo. Juntam a música mais tradicional à poesia e acabam de lançar os dois primeiros videoclips.

Os ‘Trovar D’Alma’ têm seis anos de existência, 50% de reportório original e construíram um local de ensaios ecológico e moderno.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

À entrada da casa em madeira, que serve de local de ensaios, salta logo à vista a quantidade de instrumentos musicais pendurados nas paredes ou devidamente acondicionados em prateleiras. “Foram todos reconstruídos pelo grupo”, atira o líder do grupo Armando Machado, diretor do Agrupamento de Escolas de Moure e Ribeira do Neiva, em Vila Verde, como se adivinhasse a pergunta.

Adufes, maracas, pandeiros, gaita de foles, vários instrumentos de corda forram as paredes e estão ali ‘à mão de semear’ para uma qualquer eventualidade.

O ensaio começa por um dos temas mais conhecidos do grupo: ‘Por Igrejas e Capelas’ é um original de Zé Machado com arranjos do próprio grupo. Foi o primeiro videoclip lançado pela banda.

Dina Bicas, professora de Português-Francês e Carlos Esteves, de Expressões, são os vocalistas dos Trovar D’Alma. A única mulher é também a declamadora de serviço: “é uma das nossas particularidades. Vamos recitando algumas poesias de expressão portuguesa ao longo do espectáculo. Tivemos algum receio no início mas a aceitação tem sido muito boa”.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

‘Malhão do Souto’, também já disponível no youtube, ‘Rosa Tirana’ e ‘Flor de Chá’, um instrumental original do grupo dão sequência ao ensaio.

Armando Machado, em guitarra, é o líder do grupo, ele que esteve na fundação do grupo ‘Raízes’. Ao lado, também em guitarras estão José Martins, professor de Expressões e Arlindo Sousa da área das Ciências.

Paulo Antunes, de Geografia e Henrique Pereira, de Matemática ficam encarregues da percussão. As teclas são da responsabilidade de António Fonseca, docente de Matemática.

Presente em todos os ensaios e concertos está o responsável pela sonoplastia, Rui Vieira de Expressões.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“A nossa preocupação está na divulgação da música tradicional, dos nossos instrumentos, dos poetas mais clássicos”, refere Armando Machado. Nesta altura, têm 13 músicas totalmente prontas e que irão ser divulgadas ao longo dos próximos meses pelas redes sociais: “desta forma, chegamos mais longe e mais pessoas”.

Garrett

A estreia oficial do grupo aconteceu no mês de Fevereiro de 2012, durante uma iniciativa muito conhecida em Vila Verde, o ‘Mês do Romance’.

Uma nova pausa na conversa para ensaiar mais um tema: ‘Pescador da Barca Bela’ de Almeida Garrett e música dos Trovar é o mais recente tema e as paragens para ajustar vários pormenores são recorrentes.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Agora vamos tocar seguido”, desafia Armando Machado. A concentração está ao máximo e o tema é tocado e cantado sem qualquer interrupção. “Mais uns ensaios e está pronto”, remata o líder. O reportório dos ‘Trovar D’Alma’ já vai nas 50 músicas e promete não ficar por aqui.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“O nosso caminho é ter um espectáculo só com originais nossos”. Por isso, têm andado a escrever poemas e músicas. O mais recente exemplo é um tema dedicado a Santo António com letra de Dina Bicas e música de José Fernandes.

Poesia

“Uma das nossas características é incluir, nos concertos, poesia de expressão portuguesa porque nós somos um grupo de música e poesia e há pouca gente a juntar este dois tipos de arte”, refere a vocalista.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Camões e Garrett já tiveram direito a poemas musicados e Sá de Miranda pode ser o próximo. Dina Bicas não tem dúvidas que “as palavras ganham outro tipo sentido e o nosso público, que é especial, gosta bastante”. Os Trovar D’Alma já deram mais de 20 concertos na região do Minho mas querem chegar a mais pontos do país.

Outra das particularidades do grupo é não terem um disco: “optamos pelas redes sociais. Chegamos ao público que nos interessa e chegamos mais longe”, confirma Armando Machado que dá o exemplo de um contacto na Galiza: “ouviu os dois temas no youtube e estamos a alinhar parcerias para o futuro”.

Anúncio

Braga

Despedida de solteiro junta 100 quilos de alimentos para ajudar idosos em Vila Verde

A ideia partiu do padrinho do noivo, um antigo vereador na Câmara de Ponte da Barca

em

Foto: Facebook

A despedida de solteiro de Óscar Gomes, administrativo de 28 anos e natural de Valões, concelho de Vila Verde, ficará marcada na história pessoal do noivo, mas também na dos utentes do Centro Social de Covas, que, fruto de uma ação solidária, receberam perto de 100 quilos de comida.

A ideia partiu de José Costa, padrinho do noivo, médico de profissão e antigo vereador da Câmara de Ponte da Barca, sugerindo que cada um dos 25 convidados para a despedida de solteiro trouxesse pelo menos três quilos de bens alimentares para doação a uma instituição à escolha.

Óscar, noivo babado, contou a O MINHO que os amigos aderiram e trouxeram perto de 100 quilos de bens alimentares.

Foto: Facebook

“Decidimos depois oferecer os alimentos ao Centro Social de Covas, por ser aqui na União de Freguesias do Vade, de onde sou natural e por ser a instituição mais próxima de minha casa”, explica.

Os bens foram já entregues naquela instituição que aproveitará os mesmos para ajudar os utentes a quem prestam serviços em regime de domicílio. A noiva, Catarina Ribeiro, de 26 anos e optometrista de profissão, acolheu bem a ideia, adiantou o noivo.

O casamento está marcado para o próximo dia 10 de agosto e os noivos asseguraram, à partida, uma entrada com o pé direito no matrimónio, com uma ação solidária que dá que falar na região, recolhendo elogios de autarcas e da sociedade civil em geral.

Carlos Cação, presidente da União de Freguesias do Vade, foi quem sugeriu o Centro Social de Covas como recetor da oferta, e entrou assim na engrenagem que permitiu o gesto solidário.

Atualmente, este centro social, sob direção de Luísa Gonçalves, acolhe 37 utentes dos concelhos de Vila Verde e de Ponte da Barca, em regime de apoio ao domicílio, mas está para breve a inauguração de um novo espaço físico que perimitirá aumentar o número de utentes para perto de 60. A média de idades deste utentes é de 87 anos, sendo a União de Freguesias do Vade um dos locais mais envelhecidos de Vila Verde.

Continuar a ler

Vila Verde

Vila Verde: Foi ao quartel agradecer pessoalmente a bombeiro que lhe salvou a vida

Alberto, de 78 anos, esteve “como morto” perto de dois minutos, depois se sofrer uma paragem cardíaca, durante uma festa para idosos, mas o bombeiro Diogo conseguiu reanimá-lo. Hoje, reencontraram-se

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Viveram-se momentos de aflição durante o último passeio para idosos do concelho de Vila Verde, quando um septuagenário caiu na Quinta da Malafaia, em Esposende, fruto de uma paragem cardíaca. O homem, de 78 anos, esteve como morto durante cerca de dois minutos, acabando por ser reanimado por um bombeiro e pelo segundo-comandante dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde (BVVV), que se encontravam de prevenção. Vânia Rocha, enfermeira de profissão, também estava no local e foi parte ativa na tentativa de reanimação da vítima, frisando a premissa de união entre INEM e corpos de bombeiros, diariamente verificadas nas ocorrências registadas em todo o país.

Alberto Fernandes Sousa, 78 anos, natural da Póvoa de Lanhoso e a residir em Lage, no concelho vila-verdense, deslocou-se esta quinta-feira, dia 18 de julho, ao quartel dos BVVV para um agradecimento público ao bombeiro que, no espaço de dois minutos, lhe devolveu a vida.

A O MINHO, o antigo agente principal das esquadras da PSP de Braga e Guimarães, já recuperado, diz não ter palavras para descrever a gratidão perante os socorristas.

“Eu estava sentado numa cadeira e de repente senti-me mal e já só me lembro de acordar dentro de uma ambulância”, conta Alberto Sousa, acrescentando que “foi uma veia que entupiu e aparentemente fez-me parar o coração”. O veterano das forças de segurança esteve internado durante seis noites na Unidade de Cuidados Continuados do Hospital de Braga, estando agora em casa e em “boa recuperação”.

Alberto esteve no quartel de Vila Verde para agradecer pessoalmente aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Diogo Vaz, bombeiro que estava de prevenção durante aquele passeio concelhio, explica o procedimento que salvou a vida de Alberto.

“Alguém alertou que um senhor estava inconsciente e tivemos de atuar rapidamente”, realça Diogo Vaz, indicando que foram realizadas as manobras de suporte básico de vida mas que “o que o fez reavivar” foi o desfibrilhador que possuíam com eles naquele instante.

O bombeiro explicou, ainda, que decidiram levar o desfibrilhador para dentro da Quinta da Malafaia, em Esposende, já prevendo que alguma destas situações pudesse ocorrer, tendo em conta que se tratavam de cerca de 2 mil idosos num local onde dançam, comem e bebem. Recorde-se que, no passado, um idoso morreu durante um destes convívios organizados pela Câmara de Vila Verde, também na Quinta da Malafaia, quando um autocarro se destravou e o atropelou mortalmente.

Bombeiro Diogo Vaz visitou Alberto no Hospital de Braga. Foto: Facebook

Mas Alberto Sousa lutou pela vida e não quis entrar para uma estatística que se avizinhava negra. Diogo Vaz visitou a vítima no Hospital de Braga ao fim de alguns dias de internamento, para se inteirar do estado de saúde do mesmo.
“Foi uma situação marcante para mim e sem dúvida que são estas situações que nos enchem de orgulho por vestir este uniforme”, salienta.

Vila Verde devidamente equipada com desfibrilhadores

“Todas as nossas ambulâncias estão equipadas com estas máquinas que permitem salvar vidas”, sublinha Luís Morais, segundo-comandante da corporação e também ele de prevenção naquele evento. “Se não fosse a máquina, o senhor hoje não estava cá, isso é garantido”, disse o responsável por aquele corpo de bombeiros.

Nem todas as corporações têm este equipamento, mas a divisão de Vila Verde tem todas as ambulâncias equipadas com este tipo de máquinas que podem salvar vidas, como no caso relatado.

Já no que diz respeito a Alberto Sousa, a recuperação decorre com uma agradável velocidade, nada típica em alguém com 78 anos que esteve “como morto” durante perto de dois minutos.

Se pudessem, Alberto e Lurdes ofereciam uma “medalha de ouro” aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Se pudessem, Alberto e Lurdes ofereciam uma “medalha de ouro” aos bombeiros. Foto: Fernando André Silva / O MINHOAcompanheira, Lurdes Sousa, que estava presente no local, deixou ainda uma mensagem de agradecimento aos bombeiros, indicando que “se tivesse possibilidade, dava-lhes uma medalha de ouro”.

 

Notícia atualizada às 01h25, incluindo referência à presença da enfermeira Vânia Rocha, que também estava no local e foi parte ativa, e de grande importância, na reanimação.

Continuar a ler

Vila Verde

Lotaria de 600 mil euros saiu em Vila Verde

Sorte

em

Foto: Ilustrativa

As 10 frações com o número da Lotaria Clássica, dos Jogos Santa Casa, sorteado na segunda-feira, foram vendidas no Posto de Correios de Vila Verde, segundo avança o jornal O Vilaverdense na sua edição online.

Cada fração corresponde a um prémio de 60 mil euros, sendo o prémio total de 600 mil euros.

Na 30.ª extração, o número sorteado foi o 45.415.

 

Notícia atualizada às 14h59.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares