Redes Sociais

Braga

Tribunal de Braga condena estrangeira por tentativa de casamento de conveniência

a

O Tribunal de Braga condenou uma mulher estrangeira a pena de sete meses de prisão, substituída por multa de 750 euros, pelo crime de casamento de conveniência, na forma tentada, anunciou hoje o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em comunicado, o SEF refere que a arguida “pretendia obter autorização de residência em Portugal” e, só com esse objetivo, “convenceu” um homem português a casar-se com ela.

Acrescenta que nenhum dos dois tinha qualquer intenção de constituir família e passar a viver como cônjuges, “pois não mantinham nem pretendiam manter nenhuma relação amorosa ou de afinidade”.

A fundamentação da sentença, sublinha o SEF, “teve em atenção o percurso migratório da arguida, com a identificação da mesma em diferentes estabelecimentos conotados com a prática do alterne e prostituição”.

Foi-lhe instaurado um processo coercivo de afastamento, que culminou na decisão de expulsão de Portugal e subsequente interdição de entrada pelo período de seis anos.

Pesaram igualmente na sentença o facto de a arguida não se encontrar presente em território nacional aquando da organização do processo preliminar de casamento, a diferença de idade dos “nubentes” e o facto de o processo ter sido conduzido e pago por uma terceira pessoa, proprietário de um dos referidos estabelecimentos de diversão noturna.

“Apenas a atuação preventiva por parte do SEF e da Conservatória do Registo Civil permitiu impedir os arguidos de concretizarem o plano criminoso gizado”, lê-se ainda no comunicado.

A arguida, recentemente localizada em Portugal, foi agora condenada pela prática de um crime de casamento ou união de conveniência, na forma tentada, na pena de sete meses de prisão, substituída por 150 dias de multa, à taxa diária de cinco euros, num total de 750 euros.

O falso noivo já tinha sido condenado pela prática do mesmo crime, na pena de seis meses de prisão, substituída por 180 horas de trabalho a favor da comunidade, após confissão integral dos factos de que estava acusado.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Vila Verde

Festa do Caldo do Pote vai servir dezenas de sopas diferentes

Evento espera contar com mais de mil pessoas.

Publicado

a

Foto: DR

Os antigos potes em ferro estão, de novo, no centro de todas as atenções em Sabariz, no concelho de Vila Verde, já que a população local e das freguesias vizinhas do Vale do Homem trabalham já para que tudo esteja pronto para, no próximo sábado, dia 22, ao final da tarde sirvam a mais de mil pessoas os sabores dos caldos feitos à moda antiga da aldeia.

É a Festa do Caldo do Pote, num serão de sábado que promete muita animação, onde mais de duas dezenas de homens e mulheres vão dedicar-se a confecionar os mais diversos caldos, com os potes em ferro, sobre o lume de diferentes fogueiras a lenha espalhadas por um terraço ao ar livre.

Estão previstos 24 caldos diferentes, estimando-se que venham a ser confecionados cerca de 1.500 litros de caldos à moda antiga, pois não há recurso a aparelhos elétricos e, tal como no tempo das boas cozinheiras deste mundo rural em que não havia varinhas mágicas, a batata cozida, por exemplo, é esmagada à colher.

Os produtos hortícolas são colhidos do campo e oferecidos pelas pessoas da terra que vão estar a preparar os caldos. Couves, repolho, nabos, nabiças e os mais variados feijões, sem esquecer as boas carnes – de vaca, porco ou galinha –, fazem parte do leque de ingredientes.

Os potes de caldo, expostos numa fileira com as respetivas fogueiras e com os vastos ingredientes bem visíveis ao público, assumem tamanhos variados, desde os 100 e 80 litros de capacidade até aos de menor dimensão, como 40 e 30 litros.

A variedade de caldos vai desde o de Pedra ao de Galinha, à Lavrador, de Ossobuco, de Farinha e o de Bacalhau. Além das propostas a apresentar por emigrantes vindos de França, Suíça e Alemanha, a listagem inclui os caldos de Ministros, Rabo de Boi, Feijão do Campo, Feijão Mireinho com Castanhas e o tradicional Caldo Verde, entre outros.
Num ambiente de festa e boa animação popular, todas as pessoas, de diferentes idades, podem provar os caldos que entenderem.

A entrada tem um preço de quatro euros, que inclui a oferta de um ‘kit’ (com oferta de malga, colher e broa) e as pessoas podem comer de todos os caldos que entenderem.

É um desafio para um final de tarde de sábado com muito convívio e recordação da saudável gastronomia campestre do interior minhoto, no recinto da sede da Junta de Freguesia de Sabariz, no centro da localidade, a festa inclui feira de produtos agrícolas e animação popular, afirmaram a O MINHO o presidente da Junta de Freguesia de Sabariz, Fernando Silva, com outro fundador, Mário Fernandes, da Associação Popular de Sabariz e sendo ambos quem desde o início do evento que se tornou um êxito, a têm impulsionado.

Integrada na Rota das Colheitas, promovida pelo Município de Vila Verde, a Festa do Caldo do Pote é organizada pela Junta de Freguesia e pela Associação Popular de Sabariz.

No recinto, que abrirá ao público a partir das 17h00, mas onde os caldos são servidos apenas a partir das 19h00, estão ainda disponíveis pataniscas – confecionadas igualmente sobre lume a lenha.

Forasteiros até da Galiza

É um evento anual de grande mobilização popular, que junta gentes vindas de todo o país e também da Galiza, incentivando a população para a recuperação dos antigos potes de ferro, considerados hoje verdadeiros artigos de luxo, mas que foram deixados quase em desuso por força de alternativas mais cómodas nas cozinhas modernas.

As cozinheiras e cozinheiros vêm das mais diferentes áreas de atividade, desde domésticas, professoras e assistentes sociais, a madeireiros, maquinistas e construtores. São quase todos de Sabariz, a que se juntam também moradores de freguesias vizinhas do Vale do Homem, acrescentaram a O MINHO ambos os organizadores.

Continuar a ler

Braga

Confiança: Caderno de encargos para venda impede centro comercial ou hipermercado

Venda em hasta pública.

Publicado

a

Foto: DR

O Caderno de Encargos que vai regular a venda, em hasta pública, da antiga fábrica Confiança, inviabiliza a sua transformação em centro comercial ou em hipermercado, disse esta terça-feira a O MINHO fonte camarária.

A mesma fonte adiantou que, por isso, “não fazem qualquer sentido os rumores e boatos postos a circular pelos partidos e outros setores de oposição à atual maioria PSD/CDS que governa a Câmara, segundo os quais o Presidente do Município, Ricardo Rio teria concluído um negócio com a empresa Mundicenter, a proprietária do centro comercial Braga Parque, e que visava a sua expansão precisamente para a Fábrica Confiança”.

“Não há acordo com nenhum empresário, da cidade ou de fora dela, o assunto é transparente, é uma hasta pública onde todos os interessados podem aparecer e oferecer, e tudo o resto são boatos melévolos”, frisou.

A possível venda à Mundicenter foi abordada, ainda que à “boca pequena”, por vários dos participantes no debate que a Junta de Freguesia de São Victor orgaizou na última sexta-feira e onde se ouviram várias vozes contra a venda da Confiança, algumas delas falando em “negócio pouco claro”.

No final do debate, foi lançado um abaixo-assinado – que agora está na internet – contra a venda em hasta pública pela Câmara de Braga da Confiança com o preço-base de licitação de quatro milhões de euros. A proposta, que vai ser votada esta quarta-feira em reunião de vereadores, estipula regras urbanísticas obrigatórias para quem o vier a comprar.

Na ocasião, o Partido Socialista anunciou votará contra a alienação, posição adiantada ao «O Minho» pelo vereador Miguel Corais. disse que essa posição foi tomada, ontem, num debate realizado na Junta de Freguesia de São Victor sobre a possível venda: “quer eu, quer os outros dois vereadores socialistas manifestámos essa posição”, frisou.
A decisão camarária não agradou à Junta de Freguesia de São Victor (PSD/CDS) cujo presidente, Ricardo Silva reafirmou que está contra a alienação e quer que o imóvel sirva fins públicos.

Já o advogado Luís Tarroso Gomes, um dos 70 bracarenses presentes no evento, adiantou a O MINHO que não comprende qual o motivo que leva a Câmara a vender, depois de em 2012, Ricardo Rio, então na oposição, ter dito publicamente que se tratava de um edifício único e da memória da indústria tradicional da cidade.

“Despachar a Confiança soa a negócio, como no tempo de Mesquita Machado”, acusa.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Braga

Primeiros autocarros eléctricos marcam novo ciclo nos TUB

Actualmente os TUB transportam cerca de 50 mil passageiros por dia.

Publicado

a

Cerimónia de apresentação. Foto: Facebook de TUB - Transportes Urbanos de Braga

Um momento histórico que demonstra que os Transportes Urbanos de Braga (TUB) estão na vanguarda da inovação tecnológica e que se traduz na qualificação do serviço prestado à população. Esta terça-feira, os TUB apresentaram os seis primeiros autocarros eléctricos da sua frota, num investimento de três milhões de euros.

Ricardo Rio. Foto: Facebook de Município de Braga

“Actualmente, Braga tem uma empresa de transportes de topo que estabeleceu parcerias com empresas de renome nacional e internacional e que resultam em projectos que marcam a diferença na inovação para a área dos transportes urbanos”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, adiantando que nos próximos dois anos os TUB pretendem renovar a sua frota em cerca de 30% com viaturas eléctricas ou a gás natural comprimido iniciando, dessa forma o processo de descarbonização.

Vídeo: TUB – Transportes Urbanos de Braga

A constante procura em melhorar o seu serviço, a qualificação dos recursos humanos, o reforço das linhas, o aumento do número de passageiros, o progresso em diversas áreas da empresa ou a ligação à comunidade e à vida da Cidade, foram também aspectos evidenciados pelo Autarca durante a cerimónia de apresentação das novas viaturas, que contou ainda com a presença de José Mendes, secretário de Estado adjunto e do Ambiente.

Foto: Facebook de Município de Braga

“Este desempenho tem sido alcançado com muito rigor e muito sacrifício potenciando um conjunto de recursos da Cidade. Os Bracarenses têm confiado nos TUB e para o futuro temos o objectivo de alcançar os 20 milhões de passageiros por ano”, adiantou Ricardo Rio, acrescentando que os novos autocarros estarão ao serviço das linhas que cobrem a malha urbana.

Novos autocarros elétricos. Foto: Facebook de Município de Braga

Actualmente, os TUB transportam cerca de 50 mil passageiros por dia servindo a totalidade do Concelho com 74 linhas regulares. Nos últimos anos, e graças ao seu esforço estratégico, a empresa municipal tem reforçado o seu crescimento. Com um sistema de bilhética renovado, os TUB disponibilizam 88 pontos de venda e apostam numa estratégia de inovação constante fruto de parcerias com empresas como a Cisco ou a Bosch.

“Às melhorias dos serviços, os TUB juntam agora as melhorias na frota com a aquisição de seis novas viaturas eléctricas que assinalam um passo importante na promoção da mobilidade urbana sustentável do Concelho”, concluiu Ricardo Rio.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares