Seguir o O MINHO

Futebol

Treinador do Famalicão garante equipa preparada para “encontro difícil”com Benfica

Encontro realiza-se este sábado, ás 18:00, no Estádio da Luz

em

João Pedro Sousa. Foto: Arquivo

O treinador do Famalicão, João Pedro Sousa, admitiu esta quinta-feira que a equipa está preparada para “ultrapassar a difícil tarefa” que é a visita ao Benfica, na 14.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

“Vai ser um jogo extremamente difícil, uma tarefa árdua. Vamos encontrar um adversário muito competente, que nas últimas 13 jornadas só não ganhou uma vez. Têm o melhor ataque, e é a equipa que menos golos sofreu. Mas temos noção que estamos preparados para a tarefa. Vamos disputar e ir à luta pelos três pontos”, disse em conferência de imprensa de antevisão da partida com o Benfica.

João Pedro Sousa falou ainda dos últimos jogos e dos resultados menos positivos da equipa, ainda assim aproveitou para frisar que o Famalicão “está melhor do que no início da temporada”.

“Os resultados dos últimos jogos não têm sido os melhores, mas na nossa opinião estamos melhores. Estamos a criar jogo como idealizámos. Estamos melhor do que no início do campeonato. Sabemos que há aspetos do jogo que temos que corrigir. O nosso adversário está cada vez mais confiante e seguro. Não podemos fugir da nossa ideia”, referiu o treinador que sabe bem a estratégia que tem que utilizar na Luz:”Temos que tentar controlar para depois criar problemas e depois tentar vencer”.

O treinador famalicense garantiu que o facto de o Famalicão nunca ter vencido no Estádio da Luz não é algo que desmotive.

“Nunca ganhámos no Estádio da Luz. Tivemos saídas complicadas esta época e em todas fomos competentes e competitivos e só numa delas é que perdemos. Mas não olhamos para trás, não vamos entrar na Luz a pensar no jogo em Alvalade. Vamos lá disputar o jogo e vamos tentar não fugir da nossa ideia, da nossa filosofia”, admitiu ainda.

Em relação aos maus resultados dos últimos jogos, o técnico garantiu que o problema está identificado e que tudo está a ser feito para reverter.

“O problema é coletivo. Não é num setor. O número reduzido da nossa linha defensiva não ajuda o processo. O que identificamos tem a ver com a forma como atacamos. Estamos a tentar corrigir isso. Não queremos mudar porque vamos deixar de ser tão eficazes na frente. Se calhar seria mais cómodo para nós fechar as nossas linhas. Mas não vamos por aí”, garantiu ainda.

João Pedro Sousa recusou-se, como vem sendo habitual, a comentar a arbitragem, ainda assim, teceu comentários sobre o videoárbitro.

“De arbitragem não vou falar. Mas há uma coisa que eu não gosto, jogos parados durante 7 ou 10 minutos. É demasiado tempo. O árbitro erra, como eu errei no último jogo, como os jogadores erram, mas o VAR não pode errar. Aceito erros do árbitro do VAR já não”, disse.

O Famalicão, terceiro classificado, desloca-se este sábado ao Estádio da Luz para defrontar o líder Benfica, às 18:00 horas, numa partida relativa à 14.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Anúncio

Futebol

Bis de Rafa (Benfica) deixa Braga a dois pontos do Sporting

I Liga

em

Foto: DR

Dois golos de Rafa garantiram, esta sexta-feira, a vitória do Benfica no terreno do Sporting, por 2-0, em jogo da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, com os ‘encarnados’ a aumentarem a vantagem na liderança do campeonato.

O internacional português, que tinha entrado em campo no decorrer da segunda parte, marcou o primeiro golo do jogo aos 80 minutos e aumentou a vantagem aos 90+9, garantindo os três pontos para o Benfica, que termina a primeira volta com 19 pontos de vantagem sobre o Sporting.

O Benfica, que somou a 14.ª vitória consecutiva na prova, lidera o campeonato com 48 pontos, aumentando para sete a vantagem sobre o FC Porto, que perdeu hoje com o SC Braga, enquanto o Sporting mantém o quarto lugar, com 29 pontos, mais dois que os bracarenses.

Continuar a ler

Futebol

“Foi um resultado histórico, mas não é mais importante que o jogo com o Moreirense”

Braga vence no Dragão 15 anos depois

em

Imavem via PressNet

Declarações no final do encontro FC Porto-SC Braga (1-2), da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

Rúben Amorim (treinador do SC Braga): “Entrámos com a nossa forma de ser, sabíamos que o FC Porto era muito forte. O mais importante foi que os jogadores perceberam quando tinham de pressionar na frente, quando tinham de baixar. Perceberem esses momentos em tão pouco tempo de treino, revela muita qualidade e muita inteligência dos nossos jogadores.

A equipa teve a ‘estrelinha’, eu tive a ‘estrelinha’. Jogou bem, mereceu vencer, adaptou-se muito bem a todas as situações, mas, depois, é preciso a ‘estrelinha’. Felizmente, tivemos nos dois penáltis. Foi um dia bom e uma vitória muito importante.

Não está a nascer um novo paradigma. Não nos estamos a desviar da nossa forma de ser consoante as equipas. Agora, os jogadores têm de entender que são três vitórias.

Depois, temos o Moreirense. E se correr mal? O que eles têm de ter na cabeça é que se corre mal, volta tudo ao mesmo patamar. O futebol hoje é verdade, amanhã é mentira. Sim, foi um resultado histórico, mas não é mais importante do que o Moreirense, porque se não ganharmos ao Moreirense, volta tudo à estava zero.

Todos os adeptos do Braga têm de estar felizes.

Eu sei que é histórico e sou o primeiro a estar feliz. Mas não é uma prenda. O Braga já teve outros jogos importantes. É levar isto com naturalidade”.

– Sérgio Conceição (treinador do FC Porto): “O primeiro lance em que o Braga chega à baliza foi num canto, que surgiu do nada, e faz o golo. Até aos 20 minutos, demorámos a encaixar o espaço e a condicionar o Braga, depois disso conseguimos fazê-lo. Merecíamos ir para o intervalo com outro resultado.

Na segunda parte, entrámos muito fortes. Até aos 75 minutos, penso que fomos o melhor FC Porto deste ano aqui no Dragão. Muito intenso. Conseguimos fazer o golo do empate e, noutro canto, o Braga castigou-nos mais uma vez.

Assumo na totalidade a responsabilidade desta derrota. O futebol é isso, foi um jogo muito ingrato, infeliz da nossa parte e muita ‘estrelinha’ para o Braga.

Cada jogo que passa, e perdendo pontos, começa naturalmente a ser mais difícil de chegar ao título. Acabou a primeira volta, ainda há muito para jogar, estão muitos pontos em disputa, e tenho um grupo que me faz acreditar que é possível. Ninguém atira a toalha ao chão.

Estamos desiludidos, tristes. Se calhar, igual ao que estavam nas bancadas. Mas, isto é futebol e amanhã estamos a treinar novamente.

Quando as coisas correm bem, toda a gente é amigo, toda a gente aplaude. Os adeptos querem resultados, vitórias, querem ganhar, como nós”.

Continuar a ler

Futebol

SC Braga vence FC Porto no Dragão

15 anos depois

em

Foto: SC Braga

O SC Braga venceu hoje o FC Porto, por 2-1, em pleno Estádio do Dragão, em jogo da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Os golos dos bracarenses foram marcados por Fransérgio, logo aos 5 minutos, e Paulinho, aos 75. Tiquinho Soares marcou o golo do FC Porto, aos 65.

Com este triunfo no reduto ‘azul e branco’, algo que não acontecia há 15 anos, o SC Braga passou a somar 27 pontos, conseguindo o terceiro triunfo em três jogos sob o comando de Rúben Amorim, seguindo no quinto lugar do campeonato.

Já o FC Porto, que não perdia no seu reduto, para o campeonato, desde março de 2019, mantêm-se no segundo lugar da I Liga, com 41 pontos, mas poderá ver a desvantagem para a liderança do Benfica aumentar para sete pontos, dependendo do que os ‘encarnados’ fizerem hoje no dérbi lisboeta com o Sporting.

As dificuldades para os ‘dragões’ começaram logo aos cinco minutos, quando no primeiro lance de perigo do desafio, os minhotos, numa recuperação de bola, se colocarem em vantagem, num remate de Fransérgio.

O tento até foi inicialmente invalidado pelo árbitro Carlos Xistra, por um eventual fora de jogo de Raul Silva, mas depois de ver as imagens do VAR, o juiz de Castelo Branco, acabou por dar o lance como legal.

Com a madrugadora desvantagem, o FC Porto teve de forçar o ritmo de jogo, e até conseguiu reagir ao inicial revés, instalando-se no meio campo adversário e ameaçando o empate em lances protagonizados por Manafá e Marcano, este com um cabeceamento à barra da baliza do guardião Matheus.

O guarda-redes brasileiro do SC Braga voltou a sentir um calafrio já perto da meia hora, quando o companheiro Bruno Viana fez um atraso arriscado, com a bola a sair perto da baliza bracarense.

Apesar de insistência e do ritmo frenético colocado no jogo, o FC Porto fechou a primeira parte com queixas próprias, pois, aos 44 minutos, desperdiçou uma grande penalidade, quando na sequência de uma falta de Raul Silva sobre Corona, Alex Telles assumiu a responsabilidade de cobrar o castigo, mas permitiu que Matheus defendesse o remate com os pés.

No regresso do descanso, o FC Porto conseguiu repetir o embalo da etapa inicial, voltando a revelar-se mais ambicioso nas tarefas ofensivas, perante um SC Braga que perdeu alguma coesão defensiva com a saída do central Raul Silva e a entrada do jovem David Carmo.

O estreante defesa acabou por claudicar aos 54 minutos, rasteirando na sua área Otávio, numa falta para grande penalidade, desta feita cobrada por Soares, mas também desperdiçada, com o remate a levar a bola ao poste esquerdo.

O avançado brasileiro dos ‘azuis e brancos’ acabaria por se ‘redimir’ do desperdício, aos 58 minutos, conseguindo o golo do empate, num desvio a um passe de Marega.

O Sporting de Braga não se intimidou com a reação do FC Porto, e passou a aventurar-se mais nas saídas para o contra-ataque, criando o seu primeiro lance de perigo na segunda parte numa arrancada de Paulinho a que Marchesin, guardião dos locais, se impôs com uma saída corajosa.

Só que, desse lance, resultaria um canto, em que Paulinho, deste feita, revelou-se letal, com um desvio de cabeça, que devolveu a vantagem aos bracarenses, aos 75 minutos.

Este segundo golo dos minhotos foi um golpe demasiado duro para os ‘dragões’ recuperarem, e, embora continuando a insistir, a equipa de Sérgio Conceição já não teve a força anímica, e sobretudo a lucidez, para minimizar os ‘estragos’, e o melhor que conseguiu foi um cabeceamento de Soares, aos 84 minutos, que Matheus segurou.

No final do encontro, o público do Dragão mostrou a insatisfação com a prestação da equipa ‘azul e branca’, com um forte coro de assobios na saída do conjunto portista do relvado.

“Foi um resultado histórico, mas não é mais importante que o Moreirense”

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio do Dragão, no Porto.

FC Porto – SC Braga, 1-2.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

0-1, Fransérgio, 05 minutos.

1-1, Soares, 58.

1-2, Paulinho, 75.

Equipas:

– FC Porto: Marchesín, Manafá, Mbemba, Marcano, Alex Telles, Danilo (Sérgio Oliveira, 90+1), Uribe (Luis Díaz, 76), Otávio, Corona, Soares e Marega (Aboubakar, 78).

(Suplentes: Diogo Costa, Diogo Leite, Luis Díaz, Aboubakar, Sérgio Oliveira, Fábio Silva e Vítor Ferreira).

Treinador: Sérgio Conceição.

– SC Braga: Matheus, Tormena, Raul Silva (David Carmo, 46), Bruno Viana, Ricardo Esgaio, Fransérgio, Palhinha, Sequeira, Trincão (Galeno, 61), Paulinho e Wilson Eduardo (Ricardo Horta, 53).

(Suplentes: Tiago Sá, André Horta, João Novais, Rui Fonte, Ricardo Horta, Galeno e David Carmo).

Treinador: Rúben Amorim.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Fransérgio (06), Alex Telles (09), Raúl Silva (43), Ricardo Esgaio (65), Ricardo Horta (65), João Palhinha (68), Otávio (69), Soares (73), Marega (77), Marcano (82) e Matheus (83).

Assistência: 35.611 espetadores.

(notícia atualizada às 22h14)

Continuar a ler

Populares