Seguir o O MINHO

Alto Minho

Torta com 750 quilos no centro de Viana do Castelo

em

Mais de quatro mil ovos vão ser utilizados para confecionar uma torta de Viana gigante, com mais de 750 quilos, que vai ser montada no domingo em pleno centro da cidade, anunciou a organização.

“Este ano participam 15 pastelarias. Vão ser utilizados na confeção da torta gigante mais de 100 quilos de farinha, 140 quilos de açúcar e mais de quatro mil ovos. Para o recheio, o chamado doce de ovos, serão necessários mais de 70 quilos de ovos”, explicou a responsável da delegação local da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT), Daniela Carreira.

Além da APHORT, a “Festa da Torta de Viana” é organizada em parceira com a Câmara local prevendo-se que este ano a doçaria típica da capital do Alto Minho venha a atingir mais de 200 metros de extensão.

A confeção, nomeadamente a cozedura, será feita em cada uma das pastelarias aderentes, enquanto a montagem da torta gigante, em forma de coração de Viana, na praça da Liberdade, junto ao rio Lima, está marcada para as 15 horas. O resultado final será apresentado cerca de uma hora e meia depois.

Anúncio

Alto Minho

Empresa regional Águas do Alto Minho emite faturas até novembro

Empresa quer reduzir as perdas

em

Foto: DR/Arquivo

A Águas do Alto Minho emitirá faturas até novembro, mês em que abrirão novas lojas de atendimento, centros operacionais e um ‘call center’ de apoio aos munícipes dos sete concelhos que integram a nova empresa regional.

O prazo foi apontado hoje, em Viana do Castelo, pelo conselho de administração da nova empresa na sessão de assinatura do contrato de gestão do sistema de águas do Alto Minho entre o Estado e sete dos dez municípios do Alto Minho.

A Águas do Alto Minho é uma empresa de gestão das redes de água em baixa e do saneamento, detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% por sete municípios do distrito de Viana do Castelo (Arcos de Valdevez, Caminha, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – reprovaram a constituição daquela parceria.

Hoje, na biblioteca de Viana do Castelo, durante a assinatura do contrato de gestão, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, referiu que, dos 270 milhões de euros de investimento em abastecimento de água, previstos executar pela nova empresa nos próximos 30 anos, “90 milhões vão ser concretizados durante a próxima década”.

O governante disse tratar-se “do modelo de parceria certo por ser o mais democrático de todos os processos, em que todos se sentem parceiros, de igual direito, numa organização”.

Além de “aumentar e muito” o investimento, João Pedro Matos Fernandes sublinhou que a nova empresa vai permitir reduzir as perdas de água.

“Hoje, nestes sete municípios há mais de 42% de água não faturada e, em 10 anos, queremos chegar aos 22%”, sustentou.

O ministro do Ambiente lamentou que a nova empresa não inclua os 10 concelhos do Alto Minho, mas disse ter a “certeza absoluta” que essa integração ocorrerá “mais tarde ou mais cedo”.

“Vai ser tão evidente o sucesso do funcionamento desta parceria que mais tarde ou mais cedo, com outro tempo, respeitando nós esse mesmo tempo, os outros três municípios vão juntar-se a esta parceira. As portas estão sempre abertas”, referiu.

Já o presidente da Câmara de Viana do Castelo e da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, José Maria Costa, adiantou que “já há obra em curso, tendo sido já aprovadas três candidaturas a fundos comunitários”.

“De imediato temos cerca de 10 milhões de euros que vão entrar em obra durante este e o próximo ano”, referiu.

O presidente da Águas de Portugal, João Nuno Mendes, referiu a nova empresa “já formalizou 23 candidaturas a fundos comunitários”.

“Estamos a falar de um investimento de 35 milhões de euros que é suscetível de ser apoiado por fundos comunitários”, disse, referindo que “três candidaturas já foram aprovadas e duas estão em vias de o serem.

A Águas do Alto Minho “irá praticar um tarifário único, que terá ainda de ser aprovado pela comissão de parceria composta por dois representantes do Estado, dois dos municípios e um presidente designado por comum acordo”.

O ex-secretário de Estado do Ambiente Carlos Martins é o presidente não executivo da nova empresa, que tem como vice-presidente Vítor Lemos, atual presidente do conselho de administração dos Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo (SMSBVC), vice-presidente e vereador do desporto daquela autarquia.

O cargo de administradora executiva vai ser desempenhado por Inês Alves.

João Nuno Mendes sublinhou que o modelo de parceria hoje formalizado é o quarto da história do grupo.

“É um projeto de grande envergadura. É a quarta parceria da história do grupo Águas de Portugal e a terceira empresa formada a partir de uma parceria. Estamos a falar de empresas autónomas que celebraram acordos de parceria, como as Águas do Alentejo, de Aveiro e agora as do Alto Minho. A quarta parceria é a do Noroeste, mas que está integrada nas Águas do Norte”, especificou.

A rede de abastecimento de água da nova empresa “tem 5.300 quilómetros de extensão, vai servir 204 mil habitantes e terá 100 mil clientes”.

Em maio, o Tribunal de Contas (TdC) deu visto favorável ao processo de constituição da empresa regional Águas do Alto Minho.

Continuar a ler

Desporto

Darque Kayak Clube retira a inscrição de atletas de paracanoagem após ameaças

Do campenato nacional

em

Foto: Divulgação

A Darque Kayak Clube informou este fim de semana que decidiu retirar a inscrição dos seus dois atletas de paracanaogem federados da prova do campeonato nacional de regatas em linha KS1, para que os mesmos não sejam expostos a novas ameaças à sua integridade física, a comentários depreciativos ou injúrias.

Segundo o clube, três atletas portadores de deficiência intelectual, dois técnicos da DKC e um técnico de uma escola para deficiência, foram alvo de um comportamento por parte de um canoista (jovem e alheio à DKC) em maio, ao que tudo indica de ameaça de atropelamento, ao imprimir fortes acelerações e arranques bruscos em direção aos mesmos quando estes saiam do treino de água e se dirigiam ao Centro de Canoagem com os respetivos kayaks em plena passadeira. Foi reportado a quem de direito.

O Darque Kayak Clube, alega que a motivação desta ameaça contra os estes atletas e tecnicos prende-se provavelmente ao facto de quererem impedir que estes atletas participem na prova de paracanoagem, categoria KS1, destinada a atletas com deficiência intelectual no campeonato nacional de regatas em linha do dia 21 de julho de 2019, diz o DKC, em comunicado.

“Tem-se sentido nos últimos tempos a presença deste e outros canoistas alheios à DKC, nas horas, dias e locais de treino destes atletas portadores de deficiência intelectual, bem como à quase dois anos atletas, técnicos e dirigentes tem sido alvo sistemático de comportamentos de ameaças, injúrias e até de ofensas à integridade física”, pode ler-se no texto.

Leia o email enviado à organização do evento:
“Agradecendo a vossa pronta resposta, é nosso entendimento não estarem reunidas as condições mínimas de segurança para a participação dos nossos dois atletas de paracanoagem na categoria KS1, nomeadamente na categoria de deficiência intelectual.

Assim, sem medidas de segurança (ou acréscimo), é nosso entendimento que se poderá repetir o episódio de ameaças à integridade física grave e mesmo ameaças à vida por parte de canoista (s) federados, assim como episódios reiterados de violência no desporto tais como comentários depreciativos, ameaças, injurias…,

Pelo perfil dos nossos atletas não parece razoável submetê-los a tais comportamentos, nem parece razoável manchar uma prova que por si só, pelos seus intervenientes deveria ser mais nobre e consensual e não serem objeto desta componente negativa que está a viver uma parte da náutica de Viana.

Para preservar a integridade física e moral dos atletas portadores de deficiência mental, dos técnicos e dirigentes, bem como não prejudicar o espírito que deverá ser nobre da paracanoagem decidiu-se retirar a inscrição destes dois atletas do campeonato nacional de regatas em linha 2019 KS1”.

Lamentando o sucedido e esperando melhores dias para que exista algum esforço para repor os mais nobres valores da ética desportiva e do desporto sem violência

Continuar a ler

Alto Minho

Mário Laginha e mais 300 músicos encerram concerto ‘Sente a História’ em Paredes de Coura

Letras das canções que invocam as lendas da região foram escritas pelo cantor repentista Augusto Canário

em

Foto: DR

Mário Laginha, Augusto Canário, Carlos Azevedo, Telmo Marques, o maestro Afonso Alves e mais de 300 músicos divididos em nove coros e uma banda filarmónica dão corpo este domingo, a partir das 16:00 no Largo Visconde de Mozelos, Paredes de Coura, ao concerto que encerra o programa “Sente a História”, que nos últimos 15 meses levou 30 concertos a 30 locais históricos em 10 concelhos do Alto Minho.

Promovido pela CIM Alto Minho e envolvendo os municípios de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira, nesta Gran Finale irá decorrer a audição completa das 10 canções das lendas do Alto Minho, que foram encomendadas no âmbito do projeto “Sente a História”, bem como o Hino do Alto Minho e o lançamento do respetivo CD: “Canções das Lendas e Hino do Alto Minho”.

As letras das canções que invocam as lendas da região foram escritas pelo cantor repentista Augusto Canário e as músicas são da autoria de seis compositores de referência do jazz à música erudita: Afonso Alves, Eurico Carrapatoso, Carlos Azevedo, Fernando Lapa, Mário Laginha e Telmo Marques.

No concerto deste domingo, Mário Laginha, Carlos Azevedo e Telmo Marques vão improvisar individualmente ao piano sobre uma das composições de sua autoria após apresentação por um dos coros.

Já o maestro Afonso Alves, que é o compositor do Hino do Alto Minho, vai dirigir o tutti final com nove coros e a Banda Filarmónica de Estorãos (Ponte de Lima), que juntos interpretarão o Hino do Alto Minho naquela que será a sua primeira audição absoluta. Augusto Canário, por seu turno, promete apresentar um momento musical surpreendente.

Os nove coros que vão interpretar os temas são os seguintes: Cantadeiras do Vale do Neiva, Coro de Câmara Viana Vocale, Coral Polifónico de S. Teotónio (Valença), Orfeão Limiano, Coral Polifónico de Cerveira, Coro de Pais da Academia de Música de Viana do Castelo, Viana Vocale, Coral Polifónico de Viana do Castelo e Orfeão de Vila Praia de Âncora.

Também este domingo, pelas 18:00, a iniciativa “Sente a História” realiza aquela que será a sua última visita guiada e animada ao património dos 10 municípios que constituem o Alto Minho, com uma passagem pelo Museu Regional de Paredes de Coura, onde está patente a mostra ‘Impressão Digital em Terras de Coura’.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares