Seguir o O MINHO

Desporto

Tóquio2020: Navio Escola Sagres volta a ser a casa de Portugal

Jogos Olímpicos

em

Navio Escola Sagres, Rio 2016. Foto: Arquivo

O Navio Escola Sagres vai ser a casa de Portugal nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, à semelhança do que aconteceu no Rio2016, anunciou hoje o Comité Olímpico de Portugal (COP).


A assinatura do protocolo entre o COP e a Marinha aconteceu hoje em Lisboa, durante uma cerimónia a um ano do início dos Jogos de Tóquio.

A presença do Navio Escola Sagres em Tóquio está integrada na quarta viagem de circum-navegação da embarcação da Marinha, num ano em que se celebram os 500 anos da volta ao mundo de Fernão de Magalhães.

O Chefe do Estado Maior da Armada, o almirante António Maria Mendes Calado, disse que é “com gosto” que a Marinha se volta a associar ao COP, “com um símbolo e uma referência” do país.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 realizam-se de 24 de julho a 09 de agosto.

Anúncio

Futebol

Árbitro de Barcelos no FC Porto-Sporting

João Pinheiro é de Viatodos

em

Foto: FPF

O árbitro João Pinheiro, de Viatodos, concelho de Barcelos, foi o escolhido pelo Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol para dirigir o jogo entre o FC Porto e o Sporting, da 32.ª jornada da I Liga portuguesa, foi hoje anunciado.

João Pinheiro, da Associação de Futebol de Braga, vai ter como auxiliares Bruno Rodrigues e Luciano Maia, com Iancu Vasilica a ser o quarto árbitro, enquanto o videoárbitro será Artur Soares Dias.

O jogo entre o FC Porto e o Sporting está agendado para quarta-feira, às 21:30, no estádio do Dragão, numa partida em que os ‘dragões’ apenas necessitam de um ponto para se sagrarem campeões nacionais.

João Pinheiro, de 32 anos, é advogado e vai orientar quarta-feira no Dragão o seu terceiro clássico, curiosamente entre as mesmas equipas do FC Porto e do Sporting.

O primeiro clássico remonta à Taça de Portugal de 2017/18, em que o FC Porto venceu o Sporting (1-0), e o segundo à final da Taça da Liga de 2018/19, em que os ‘leões’ conquistaram o troféu no desempate por grandes penalidades (3-1, após 1-1).

Esta época, João Pinheiro já dirigiu 22 jogos nas competições nacionais, cruzando-se por duas vezes com o Sporting, na derrota em Alvalade com o Rio Ave (2-3), em 31 de agosto de 2019, e na vitória dos ‘leões’ por 4-2 em casa do Portimonense, para a Taça da Liga, em 21 de dezembro de 2019.

O árbitro internacional vai dirigir esta época pela terceira vez o FC Porto, depois de ter arbitrado o empate a 1-1 com o Belenenses SAD, em Lisboa, em 08 de dezembro, para a I Liga, e o jogo entre Académico Viseu e os ‘dragões’, da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, que terminou com o mesmo 1-1.

Continuar a ler

I Liga

Carvalhal evita falar em recorde pontos

Rio Ave

em

Carlos Carvalhal. Foto: DR / Arquivo

Carlos Carvalhal, treinador do Rio Ave, evitou hoje falar da possibilidade da sua equipa atingir uma pontuação recorde na I Liga portuguesa de futebol, na partida de segunda-feira, frente ao Marítimo, da 32.ª jornada da competição.

Caso a formação vila-condense vença este jogo com os insulares, na Madeira, atinge uma marca inédita no clube, passando a somar 53 pontos, superando o recorde nas participações no patamar mais alto do futebol português, quando em 2017/18 terminou a prova com 51 pontos.

“O foco está apenas neste jogo com o Marítimo, porque é o próximo e vale a pontos. Sabemos que vai ser difícil, pois vamos encontrar um treinador adversário [José Gomes] que já orientou o Rio Ave”, disse Carlos Carvalhal, a perguntas feitas pelo departamento de comunicação do clube e publicadas nas plataformas digitais.

o treinador falou num Marítimo “que está tranquilo depois de conseguir bons resultados”, lembrando que o adversário desde que “encontrou, recentemente, um novo sistema tem se dado bem, não perdendo nem sofrendo golos”.

“Espero um Marítimo ofensivo, com intenção clara de fazer golos, mas nós temos uma matriz idêntica. Estamos bem organizados e confiantes que podemos vencer este jogo”, disse Carlos Carvalhal.

O treinador do Rio Ave, que não divulga a lista de convocados, sabe que não pode contar os lesionados Júnior Rocha e Jambor, e tem ainda em dúvida a recuperação do médio Al Musrati.

O Rio Ave, quinto classificado com 50 pontos, joga na segunda-feira no Estádio da Madeira, frente ao Marítimo, 12.º com 37, numa partida agendada paras as 19:00, que terá arbitragem de Cláudio Pereira (AF Aveiro).

Continuar a ler

Desporto

Canoísta Antoine Launay quer ‘top-10’ nos Europeus de slalom e brilhar em Tóquio

Jogos Olímpicos

em

Foto: DR / Arquivo

O canoísta Antoine Launay deseja estar no ‘top-10’ nos Europeus de slalom de setembro, na República Checa, e espera que as desigualdades desportivas provocadas pela covid-19 não se reflitam em Tóquio2020.

“Depois de estar três meses sem treinar em pista, entrar no ‘top-10’ seria um excelente resultado. Na final, seria desfrutar. Tudo o que vier é bom”, assumiu, durante o estágio em Praga, referindo-se à prova prevista para 18 a 20 de setembro.

A Associação Europeia de Canoagem ainda não confirmou o evento, sendo que ingleses e eslovacos já assumiram, esta semana, que não vão participar, devido à pandemia.

“Temo que outros possam fazer o mesmo e assim ficarei mais tempo sem competir”, disse o atleta luso, depois de a prova já ter sido adiada, uma vez que estava inicialmente prevista para maio em Londres.

Launay, que se apurou para Tóquio2020 em K1 com o sétimo lugar no Mundial de 2019, anseia sobretudo competir, pois, devido à pandemia, ficou “demasiado tempo” sem se preparar em águas bravas e não quer que essa limitação crie um fosso competitivo para os rivais, com repercussões também nos Jogos Olímpicos, adiados para 2021.

“Enquanto os checos, os melhores do mundo, e outros continuam a praticar diariamente, em Portugal nem sequer tenho uma pista para o fazer. Isso obriga-me a ir vivendo de estágio em estágio no estrangeiro o que não é bom para nenhum competidor”, lamentou.

O luso, de 27 anos, sabe que o seu sétimo lugar no Mundial equivale ao quarto nos Jogos Olímpicos, uma vez que teve à sua frente dois checos, dois espanhóis e outros tantos ingleses, quando nos Jogos cada país só pode apresentar um atleta.

“Sei é que preciso de me preparar muito bem para Tóquio. Não conseguir treinar em águas bravas não é nada bom. Para tentar estar bem, devo estar focado e trabalhar com rigor e disciplina, sem ter um conjunto de dificuldades logísticas a atrapalhar. Infelizmente, não sei como vão ser os próximos meses, nem sequer onde vou viver”, lamentou.

O fomento da “desigualdade entre competidores” traduzida, por exemplo, na possibilidade de praticar diariamente em curso de água apropriado, é o fator negativo que mais destaca do adiamento de Tóquio2020, pois, de resto, entende que a situação até lhe foi benéfica.

“Tenho mais um ano para evoluir e trabalhar com o treinador [Peri Guerrero] as coisas menos boas. O ano de 2019 foi muito bom e estava a acontecer tudo muito depressa. Confio muito nos planos, sempre apoiados pela Federação Portuguesa de Canoagem”, elogiou.

O atleta do Darque KC, clube de Viana do Castelo, sonha em ter um dia uma pista de slalom em Portugal, recordando que a mesma pode servir para um conjunto de atividades de lazer.

“Podemos dar-lhe várias utilidades. A FPC tem feito um excelente trabalho na pista, onde Portugal tem das melhores seleções do Mundo. É preciso uma infraestrutura de slalom para que também possamos evoluir nesta vertente, pois quem a deseja seguir, tem muitas mais dificuldades para se afirmar do que os desportistas de muitos outros países no mundo”, lamentou.

Antoine Launay destacou ainda os “desafios financeiros” inerentes à necessidade de viver em sucessivos estágios fora do país, agradecendo a aposta da FPC no seu empenho e sonho olímpico.

Continuar a ler

Populares