Seguir o O MINHO

Futebol

“Tivemos três ou quatro oportunidades para dilatar o marcador”

Vítor Campelos, treinador do Moreirense

em

Foto: Twitter (Arquivo)

Declarações dos treinadores do Rio Ave e Moreirense, Carlos Carvalhal e Vítor Campelos, no final da partida oitava jornada da I Liga portuguesa de futebol, que terminou com um empate 1-1.


Vítor Campelos (Treinador Moreirense): “Foi um jogo com duas partes distintas. Na primeira, além do golo tivemos outras três ou quatro oportunidades flagrantes para dilatar o marcador.

Na segunda metade, o Rio Ave teve mais posse de bola, mas fomos organizados e com espírito de equipa. Acho que o resultado é justo

Sabíamos que o Rio Ave, além de boas individualidades, é uma equipa bem orientada, e que como jogou na sexta-feira teve mais um dia de descanso que nós, que jogámos no sábado. Isso teve alguma influência na segunda parte. Mas parabéns aos nossos jogadores por conseguiram um resultado que acaba por ser justo”.

Carlos Carvalhal (Treinador do Rio Ave): “Entrámos bem no jogo a criar algumas oportunidades para marcar, mas depois do golo do Moreirense, a equipa sentiu o golpe e foi o período que menos gostei.

Como não estávamos insatisfeitos mudámos ao intervalo, passamos a jogar com três defesas, e apesar de corrermos alguns riscos estivemos equilibrados. Impusemos um jogo de sentido único com várias oportunidades para marcar.

No entanto, só conseguimos fazer um golo, até porque o Moreirense defendeu-se bem. Tivemos mais futebol e mais remates, e por isso acho que merecíamos mais que o empate

Sempre disse que este Rio Ave vinha para animar o campeonato, com jogos vivos e um futebol que os adeptos gostem. Mas as coisas não caem do céu. A equipa está preparada para criar dificuldades aos adversários e o rendimento tem subido. Não vamos mudar a nossa identidade”.

Anúncio

Futebol

Dois golos nos descontos em Guimarães e o Gil Vicente festeja manutenção

31.ª jornada

em

Foto: Facebook

O Gil Vicente garantiu hoje matematicamente a permanência na I Liga portuguesa de futebol, ao vencer no terreno do Vitória SC por 2-1, com uma reviravolta nos descontos da segunda parte, em jogo da 31.ª jornada.

Em desvantagem na sequência de um golo de Bruno Duarte, aos 63 minutos, a formação de Barcelos tomou conta do jogo a partir do minuto 80, perante um adversário que se limitou a ‘despejar’ bolas, e viu o esforço recompensado com os tentos de Rúben Ribeiro, aos 90+3 minutos, e de Kraev, aos 90+9.

Com esses golos tardios, o Gil Vicente subiu provisoriamente ao nono lugar, com 39 pontos, mais 12 do que a primeira equipa na zona de despromoção, o Portimonense (17.º), quando há nove ainda em disputa, enquanto os vimaranenses, que tinham somado dois triunfos seguidos, estão em sétimo lugar, com 46, a quatro do quinto posto, que dá o apuramento europeu, ocupado pelo Rio Ave.

A primeira parte desenrolou-se sob uma toada de equilíbrio, com as equipas, lentas, face ao calor que se sentia no Estádio D. Afonso Henriques, a proporcionarem um jogo com poucos lances dignos de realce.

A segunda metade abriu com um lance mais perigoso do que qualquer um criado nos primeiros 45 minutos: Ola John recebeu a bola na ala esquerda e cruzou, rasteiro, para a pequena área, onde surgiu Bruno Duarte a ‘emendar’, mas por cima, aos 46.

O jogo ‘arrefeceu’ nos minutos seguintes, até por causa da interrupção de cinco minutos para o árbitro Vítor Ferreira trocar o equipamento sonoro, mas, quando os vimaranenses voltaram à área gilista, marcaram: o inglês Marcus Edwards ultrapassou Edwin Banguera e Ygor Nogueira, com bons pormenores técnicos, e serviu Bruno Duarte, que desviou para o seu oitavo golo no campeonato.

O treinador Vítor Oliveira respondeu, de imediato, ao golo sofrido, renovando as alas com as entradas de Samuel Lino e de Ahmed Isaiah, mas os ‘galos’ de Barcelos continuaram incapazes de ‘furar’ o quarteto defensivo vitoriano até ao minuto 81, quando Samuel Lino entrou na área e rematou à figura de Douglas.

A partir daí, o Gil Vicente dominou totalmente o jogo, circulando bem a bola nas imediações da área de um Vitória ‘atrapalhado’ com a bola e sem ela, e os golos da reviravolta acabaram por surgir.

O empate surgiu quando Rúben Ribeiro se isolou após erro de Sacko e atirou rasteiro, fora do alcance de Douglas, e o golo do triunfo gilista surgiu no penúltimo minuto, com Kraev a aproveitar um ressalto em lance disputado com Mikel Agu para marcar o seu sexto golo no campeonato, com um remate cruzado.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Vitória SC – Gil Vicente, 1-2.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Bruno Duarte, 63 minutos.

1-1, Rúben Ribeiro, 90+3.

1-2, Kraev, 90+9.

Equipas:

– Vitória SC: Douglas, Sacko, Frederico Venâncio, Suliman, Florent, Mikel Agu, Dénis Poha (Pepê, 85), André André (André Almeida, 85), Marcus Edwards (Ouattara, 79), Ola John (Davidson, 68) e Bruno Duarte (João Pedro, 79).

(Suplentes: Jhonatan, Victor Garcia, Pedro Henrique, Pepê, André Almeida, Abouchabaka, Rochinha, Ouattara, Davidson e João Pedro).

Treinador: Ivo Vieira.

– Gil Vicente: Denis, Alex Pinto, Rodrigão, Ygor Nogueira, Edwin Banguera, Soares, João Afonso, Yves Baraye (Ahmed Isaiah, 65), Rúben Ribeiro, Lourency (Samuel Lino, 65) e Hugo Vieira (Claude Gonçalves, 90+6).

(Suplentes: Bruno Diniz, Fernando Fonseca, Vítor Carvalho, Claude Gonçalves, Ahmed Isaiah, Bozhidar Kraev e Samuel Lino).

Treinador: Vítor Oliveira.

Árbitro: Vítor Ferreira (Associação de Futebol de Braga).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Suliman (28) e Bruno Duarte (70).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

(notícia atualizada às 20h07)

Continuar a ler

Futebol

Gomes reeleito para último mandato na FPF

Candidato concorreu sem oposição

em

Fernando Gomes. Foto: DR

Fernando Gomes foi reeleito hoje presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), até 2024, na Assembleia-Geral eleitoral do organismo, à qual concorreu sem oposição para um terceiro e último mandato.

Aos 68 anos, Fernando Gomes foi reeleito pela terceira vez para o cargo, para um mandato até 2024, pela segunda vez sem oposição, depois de ter vencido as eleições de 2011 frente a Carlos Marta.

A direção foi eleita com 74 votos a favor (90,2%), três em branco e cinco nulos, sendo que votaram 82 dos 84 delegados inscritos.

O antigo avançado Hélder Postiga é uma das novidadades na direção, na qual estará juntamente com os repetentes Humberto Coelho, João Vieira Pinto, Pedro Pauleta, José Couceiro, Pedro Dias, Mónica Jorge e Rui Manhoso.

Além do antigo internacional, também José Alberto da Costa Ferreira, que presidia à associação de Viseu, surge no elenco diretivo, do qual se registam as saídas de Carlos Coutada, Elísio Carneiro, que transita para o Conselho Fiscal, e Júlio Vieira, assim como de Hermínio Loureiro, que deixou a FPF na sequência da acusação do Ministério Público na operação ‘Ajuste Secreto’, e que foi ‘substituído’ por Couceiro.

Cláudia Santos é a cabeça de lista para o Conselho de Disciplina (CD), para suceder a José Manuel Meirim, Luís Verde de Sousa vai liderar o Conselho de Justiça (CJ), enquanto José Fontelas Gomes, Ernesto Ferreira da Silva e José Luís Arnaut se mantêm como líderes dos restantes órgãos, casos de Conselho de Arbitragem (CA), Conselho Fiscal (CF) e Mesa da Assembleia-Geral (MAG), respetivamente.

Continuar a ler

Futebol

“Jogando melhor ou pior”, o que Petit quer é vencer o Moreirense

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O treinador do Belenenses SAD, Petit, realçou hoje a importância de vencer nesta fase, independentemente da exibição, diante do Moreirense, na 31.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

“Tivemos cinco dias para nos focarmos no Moreirense, uma equipa boa, bem orientada e com qualidade. Analisámos e corrigimos o que não fizemos tão bem e preparámos o jogo dentro das nossas ideias, não fugindo muito ao nosso padrão. O mais importante nesta fase é lutar pelos três pontos, jogando melhor ou pior, é a atitude e a intensidade”, frisou.

Em conferência de imprensa de antevisão à partida que encerra a jornada, Petit encara o encontro com responsabilidade, tendo em conta as derrotas de Portimonense, Tondela e Vitória de Setúbal, adversários diretos na luta pela manutenção.

“[As derrotas dos adversários diretos] Dá-nos a responsabilidade de amanhã [sábado] fazermos o nosso trabalho. Passa por fazer um bom jogo, trabalhámos aspetos físicos, mentais e táticos. Os jogadores deram uma boa resposta e vamos lutar pelos três pontos”, reforçou.

Os ‘cónegos’ estão em posição confortável na tabela classificativa, com a manutenção garantida e sem estar intrometidos na luta por um lugar europeu, e Petit apelou ao equilíbrio nos vários momentos do jogo, que será “uma final”.

“[O Moreirense] Está numa fase equilibrada em termos emocionais, tem jogadores de qualidade e processos bem definidos. Tem de haver um equilíbrio, concentração nas bolas paradas. Do outro lado, é uma equipa com qualidade, que sofre poucos golos”, alertou.

Depois da pesada derrota na visita ao líder FC Porto (5-0), num jogo marcado pela ausência de guarda-redes suplente, devido ao teste positivo à covid-19 de João Monteiro, que colocou André Moreira em isolamento profilático, Petit realçou a necessidade de ter jogadores “frescos” na ‘reta final’ de uma época desgastante.

“Tem sido um desgaste enorme ao longo desta época, com muitos jogadores lesionados e com a paragem do campeonato. Sabemos que temos três jogos pela frente e todos os jogadores são importantes”, afirmou, sem revelar se Gonçalo Silva e Silvestre Varela estarão aptos para a partida.

De fora, estão confirmados os defesas Eduardo Kau, Tomás Ribeiro, Chima Akas e Francisco Varela, que constam no boletim clínico dos ‘azuis’.

A formação lisboeta realiza hoje novo teste de despistagem à covid-19, a 24 horas do encontro, de acordo com o protocolo, com os resultados do teste a determinarem a possibilidade de André Moreira poder constar da ficha de jogo ou então a inscrição de outro guarda-redes, consoante a decisão da Liga de clubes e da Direção-Geral da Saúde.

O Belenenses SAD, 14.º classificado, com 31 pontos, recebe no sábado o Moreirense, oitavo, com 39, na Cidade do Futebol, em Oeiras, em jogo de encerramento da 31.ª jornada, às 19:15, com arbitragem de Luís Godinho, da Associação de Futebol de Évora.

Continuar a ler

Populares