Seguir o O MINHO

Região

Tempo vai piorar no Minho durante a madrugada

Aviso Amarelo

em

Imagem: Windy.com

Um “comboio” de chuva que vai chegando, de forma espaçada, à Península Ibérica, está a provocar o caos em Lisboa, onde já é pedido à população para que não saia de casa face às cheias rápidas provocadas por chuvas torrenciais.

Esta depressão, que se encontra centrada nos Açores, já entrou pela zona Sul de Portugal vinda do Atlântico, e os seus efeitos deverão afetar diretamente a região do Minho, sobretudo os vales de Ave e Cávado, a partir da meia-noite.

Os distritos de Braga e Viana do Castelo estão, na quinta e sexta-feira, sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, por vezes forte. De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o alerta inicia às 00:00 de quinta-feira e estende-se até às 06:00 de sexta.

O comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa, Tiago Lopes, pediu hoje aos lisboetas para não saírem de casa devido à formação de lençóis de água na estrada por causa das fortes chuvadas que se fazem sentir na cidade.

O IPMA alertou hoje para a ocorrência de chuva forte em Portugal continental até final da tarde de sexta-feira, por causa de uma depressão centrada na região dos Açores.

Segundo a informação divulgada pelo IPMA, nos próximos dias o estado do tempo em Portugal continental será condicionado por uma depressão centrada na região dos Açores e que se desloca para leste, “transportando uma massa de ar húmido e instável”.

O distrito de Lisboa é o que está a ser mais atingido pelas chuvas fortes que se fazem hoje sentir em Portugal continental, com 22 ocorrências registadas, adiantou à agência Lusa a Proteção Civil.

De acordo com fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), pelas 22:30, havia 36 ocorrências devido ao mau tempo em todo país, sendo 70% relativas a inundações.

“Por enquanto, não temos danos de estruturas ou vítimas. São situações pontuais devido à acumulação da precipitação e estão a ser resolvidas”, acrescentou.

A ANEPC disse que, além das 22 ocorrências em Lisboa, foram ainda registadas, uma em Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra e Portalegre, duas no Porto e três em Setúbal.

Populares