Seguir o O MINHO

Região

Temperaturas máximas sobem gradualmente

em

As temperaturas vão subir gradualmente a partir de quinta-feira em Portugal continental para valores até os 35 graus Celsius, próximos dos valores normais para esta época do ano, disse à Lusa a meteorologista Paula Leitão.

Para esta quarta-feira ainda está previsto céu muito nublado, em especial nas regiões do litoral Norte e Centro, de acordo com a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA),.

“Ainda há uma probabilidade de ocorrência de chuva fraca no litoral e aguaceiros nas regiões do interior Norte e Centro. Amanhã [quinta-feira] ainda vamos ter muita nebulosidade nas regiões do Norte e Centro durante a manhã, tornando-se depois pouco nublado”, disse.

Segundo Paula Leitão, na quinta-feira ainda há possibilidade de chuva fraca no litoral das regiões do Norte e Centro e neblina ou nevoeiro matinal.

“Contudo na quinta-feira já vamos ter uma subida da temperatura da ordem dos três graus no continente e nos próximos dias vai continuar a subir gradualmente”, indicou.

De acordo com o IPMA, no fim de semana a temperatura máxima deverá atingir valores entre os 23 e os 30 graus, “próximo dos valores habituais para a época do ano”.

“No que diz respeito à temperatura mínima, esta deverá atingir valores entre os 13 e os 20 graus”, disse.

Para a próxima semana, a previsão aponta para uma probabilidade de valores da temperatura do ar semelhantes ou superiores aos do próximo do fim de semana.

Anúncio

Região

Guimarães oferece cavalo à Associação de Paralisia Cerebral de Braga

Hipoterapia

em

Foto: Facebook do Centro Hípico da Pena Brava - Abação / DR

O Centro Hípico da Pena Brava, situado em Abação, no concelho de Guimarães, doou um cavalo à Associação de Paralisia Cerebral de Braga (APCB ) para que esta possa “começar a realizar sessões de hipoterapia com os seus utentes”, avançou, esta terça-feira, aquele centro hípico através do Facebook.

Na publicação em questão é notória a satisfação de “dever cumprido” do centro hípico em doar o Zé Carioca (nome do cavalo) para “uma causa tão importante”.

“Por intermédio do Trote – Centro Hípico, S.A., tivemos conhecimento que a Associação de Paralisia Cerebral de Braga estava sem cavalo para realizar as suas sessões de hipoterapia”, explica a mesma nota.

“É com enorme sentimento de dever cumprido que doamos um dos nossos cavalos, o Zé Carioca, à APCB – Associação de Paralisia Cerebral de Braga, para que as crianças do concelho de Braga continuem a ter sessões de hipoterapia. Desejamos que sejam muito felizes com o nosso Zequinha, assim como nós fomos aqui com ele”, finaliza.

A Associação de Paralisia Cerebral de Braga tem como finalidade a prevenção, habilitação, participação, inclusão social e apoio à família da pessoa com paralisia cerebral e doenças neurológicas em todo o distrito.

Continuar a ler

Famalicão

Famalicão sem copos de plástico no Carnaval

Uma colaboração da autarquia com a associação comercial e industrial famalicense

em

Foto: DR

A Câmara de Famalicão, em cooperação com a Associação Comercial e Industrial Famalicense, criaram uma iniciativa para redução do uso de copos de plástico por parte dos bares e cafés da cidade, durante a festa de Carnaval que se aproxima, anunciou a página de Facebook do município.

A ter lugar na noite de 24 para 25 de fevereiro, esta noite é uma das mais atrativas de Famalicão onde todos os anos se contam milhares de foliões vindos de vários pontos da zona norte de Portugal.

Este ano, à parte dos disfarces e boa disposição habitual desta data, é esperada uma banda para ajudar as festividades.

Todas as freguesias famalicenses terão um serviço de autocarros, proporcionado pela autarquia, disponível para esta noite.

Continuar a ler

Braga

Braga é onde mais crescem os preços da habitação no país

Aumento de 22% desde 2016

em

Foto: Divulgação / CM Braga

Braga registou o maior crescimento nos preços da habitação nas grandes cidades no terceiro trimestre de 2019, enquanto a região de Lisboa e o Algarve apresentaram os preços mais elevados no setor, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A cidade de Braga, segundo o INE, registou, pela primeira vez desde o primeiro trimestre de 2016, o maior crescimento de preços face ao período homólogo (+22,6%), entre as cidades portuguesas com mais de 100 mil habitantes, mas manteve o menor preço das casas (915 euros) e é a única com preço inferior ao valor nacional, de 1.054 euros por metro quadrado (m2).

De acordo com as estatísticas divulgadas, há 44 municípios que praticaram um preço mediano da habitação superior ao valor nacional da habitação, maioritariamente localizados das duas sub-regiões com preços mais elevados, a Área Metropolitana de Lisboa (AML), onde o preço da habitação era de 1.423 euros/m2, e o Algarve, com 1.635 euros/m2.

A capital do país, Lisboa, lidera a lista, com os preços mais elevados das casas no país (3.205 euros/m2), mas há outras cidades com preços cada vez mais difíceis de comportar para a grande maioria dos portugueses.

Segundo o INE, entre as cidades com preços medianos mais elevados na habitação estão Cascais (2.529 euros/m2) e Oeiras (2.211 euros/m2), na AML, bem como Loulé (2.089 euros/m2), Albufeira (1.894 euros/m2), Lagos (1.875 euros/m2), Lagoa (1.662 euros/m2), Vila Real de Santo António (1.547 euros/m2), Aljezur (1.535 euros/m2), Tavira (1.804 euros/m2) e Faro (1.532 euros/m2), no Algarve (distrito de Faro).

As cidades do Porto (1.802 euros/m2), Odivelas (1.718 euros/m2), Loures (1.578 euros/m2) e Funchal, na Madeira (1.551 euros/m2), também apresentaram preços superiores ao valor nacional (1.504 euro/m2) da habitação neste trimestre de 2019.

Merecem ainda destaque do INE duas freguesias de Lisboa, Santo António e Misericórdia, que apresentam preços superiores a 4.500 euro/m2, muito acima do referido valor nacional.

Continuar a ler

Populares