Seguir o O MINHO

Futebol

“Temos de aceitar o resultado”

Declarações após o jogo Gil Vicente-Benfica (0-1), da 22.ª jornada da I Liga, disputado no Estádio Cidade de Barcelos

em

Vítor Oliveira (treinador do Gil Vicente): “Temos de aceitar o resultado. Houve duas partes distintas, em que o Benfica foi melhor na primeira e o Gil Vicente esteve mais por cima na segunda. A diferença esteve na definição e no critério no último terço.

Na primeira parte sentimos algumas dificuldades e o Benfica aproximou-se com frequência da nossa área, sem criar grandes situações. Na segunda parte, equilibrámos e o adversário caiu bastante, o que era perfeitamente natural, face ao desgaste psicológico dos últimos jogos. Perdemos uma boa oportunidade de pontuar frente ao Benfica.

O Benfica sabia que podia sofrer a qualquer momento da segunda parte e isso poderia penalizá-los com a perda de pontos. Tivemos oportunidade de fazer um resultado diferente na segunda parte, mas faltou-nos discernimento.

Algumas vezes por inércia nossa, outras vezes por egoísmo de alguns jogadores. Temos de perceber que o futebol é um jogo coletivo e só assim conseguimos fazer coisas importantes como pontuar frente ao Benfica.

Os jogos [frente aos ‘grandes’] não são comparáveis, porque as datas, os jogadores e os momentos de forma são diferentes. É como comparar metros com quilómetros. Apanhámos um FC Porto desprevenido na primeira jornada, pois menorizou uma equipa que vinha da III divisão nacional e acabou por ser surpreendido.

No segundo jogo defrontámos o Sporting numa crise muito grande e conseguimos fazer um bom resultado, com uma boa exibição. Hoje tivemos um Benfica cansado, preocupado com resultados menos conseguidos e abaixo do rendimento normal. Não conseguimos pontuar mais por demérito nosso que mérito do adversário”.

Bruno Lage (treinador do Benfica): “Sentimo-nos logo a ganhar por aquele ambiente junto ao banco e tivemos um apoio fantástico dos nossos adeptos do primeiro ao último minuto. Fizemos aquilo que tínhamos de fazer neste momento, que era vencer.

Fizemos uma boa primeira parte, criando várias oportunidades e chegámos com justiça à vantagem. Tivemos uma entrada forte na segunda parte, com algumas jogadas de envolvimento, que poderiam ter dado um resultado mais tranquilo. Até ao fim ajustámos em função do momento e do desgaste. Acaba por ser um bom jogo, perante uma boa equipa e um excelente treinador, num campo muito difícil.

Tínhamos de manter pressão alta, para não deixar o Gil Vicente construir, mas simultaneamente perceber que pela nossa esquerda iria haver um ataque muito forte na profundidade. Em função disso e para termos maior capacidade na construção, como se viu nos primeiros 70 minutos, introduzimos Julian [Weigl] e Samaris no meio-campo.

Esta vitória é muito importante e permite manter a primeira posição. Ao longo deste campeonato tivemos jogos menos bons, outros em que estivemos muito bem e todos são três pontos. O mais importante é sermos regulares e exigentes, mantendo um nível exibicional que vá de encontro ao que defendemos. Depois é vencer jogos.

Não me interessam recordes, mas sempre o próximo jogo. Este jogo fecha-se e não vou levar nada de bom ou de mau para o próximo jogo. É isso que quero que os jogadores sintam. Errar faz parte e perder é futebol.

No jogo seguinte não podemos estar com o medo de perder ou de errar, mas jogar com dinâmica e para a frente. Foi com essa filosofia que fizemos um ano muito bom e vencemos todos os jogos fora de casa, até aos últimos dois jogos.

Luta pelo título? É mesmo jogo a jogo. Ontem não vi o jogo do FC Porto, mas acredito que vamos ter dois ou três meses a jogar de três em três dias e ao ritmo do ano passado. É fechar um jogo e entrar no seguinte com a mentalidade de vencer”.

Anúncio

Desporto

“SC Braga vai continuar a pagar igual”

Afirma Rolando

em

Foto: Divulgação

O defesa central Rolando revelou hoje que o presidente do SC Braga, António Salvador, garantiu ao plantel da equipa principal de futebol que vai manter os mesmos salários até ao final da temporada.

Questionado sobre se, à semelhança de alguns clubes europeus, estaria disponível para reduzir o salário por causa dos constrangimentos financeiros que os clubes atravessam por estarem sem competir, ainda indefinidamente, por causa da pandemia da covid-19, o jogador revelou que António Salvador tranquilizou os jogadores recentemente.

“Tivemos uma reunião ontem [sexta-feira] com o presidente, que nos disse que vai continuar tudo na mesma e vai continuar a pagar igual, que o Braga tinha a época toda planeada e não vai mexer em nada, isso é de louvar”, afirmou numa videoconferência com a comunicação social.

O experiente jogador (34 anos) admitiu que o tema é “complicado”.

“Ninguém gosta de falar em mexer em salários, seja qual for a profissão. Mas sendo o futebol um negócio, move muitos milhões e, estando parado e não movendo esses milhões, claro que os clubes vão sofrer”, disse.

Contudo, reforçou que António Salvador garantiu que, “no Braga, o salário não falha: deu-nos essa confiança e temos é que estar agradecidos por termos o presidente que temos, o clube e a estrutura que temos”.

O treinador Rúben Amorim, entretanto transferido para o Sporting, justificou em grande parte a contratação de Rolando, que estava sem clube, pelo que podia transmitir aos mais jovens dada a sua vasta experiência, por ter conquistado títulos e jogar para ganhar.

“Claro que o essencial é dentro de campo, mas no dia-a-dia, nos pequenos detalhes no balneário e com a experiência que eu acumulei posso passar muitas informações. Jogar sempre para vencer é importante, quem está acostumado a ganhar é mais fácil alcançar o sucesso e essa experiência de carreira ajuda-me a lidar com os momentos de pressão”, disse.

O jogador, que estava sem clube e chegou a Braga há cerca de um mês, disse ainda que esta paragem até terá um lado positivo para ele porque, depois dela, todos os jogadores estarão “em pé de igualdade fisicamente”. “É como se todos fôssemos fazer uma pequena pré-temporada”, disse.

No defeso do último verão, Rolando já tinha estado perto do clube minhoto, tendo mesmo falado com o então técnico Ricardo Sá Pinto e com António Salvador, mas na altura a sua vontade era tentar jogar “nos EUA, México, Brasil ou no mercado asiático”.

As competições das camadas jovens foram suspensas por decisão da Federação Portuguesa de Futebol, decisão com a qual Rolando concorda, mas “é mais complicado” o mesmo acontecer com o futebol profissional.

“É um negócio, acarreta muitas coisas, deixou de ser apenas um desporto. Como jogador quero continuar a jogar, mas o que conta neste momento é a saúde, as pessoas competentes vão decidir”, disse.

Sobre a covid-19, disse ser “uma situação horrível que o mundo está a passar”. “Tento ser positivo e levar as coisas com calma”, disse, confessando ter mais “medo” com a parte da família, pais e irmãos, que vive em Cabo Verde por não poder estar presente e ajudar.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 600 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 28.000. Dos casos de infeção, pelo menos 129.100 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 100 mortes e 5.170 casos de infeções confirmadas. Dos infetados, 418 estão internados, 89 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Desporto

Cristiano Ronaldo e Jorge Mendes doam cinco ventiladores à Madeira

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O internacional futebolista português Cristiano Ronaldo, nascido na Madeira, e o empresário Jorge Mendes vão doar ao Serviço Regional de Saúde da Madeira cinco ventiladores, revelou hoje aquele organismo.

“O Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) irá receber uma doação de equipamentos para ajudar no combate à covid-19, cedidos pelo futebolista madeirense Cristiano Ronaldo e pelo empresário Jorge Mendes”, refere uma nota de imprensa, especificando que “vão financiar cinco ventiladores para apoiar no combate à pandemia covid-19” no arquipélago.

Para o Governo Regional, “a cedência destes equipamentos ao SESARAM e à Região vai aumentar a capacidade de resposta ao doente crítico no combate à pandemia”, juntando-se aos 99 ventiladores de que a região dispõe.

“O Serviço de Saúde da RAM agradece a iniciativa do capitão da seleção portuguesa e do seu empresário.”, conclui a nota.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 600 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 28.000.

Dos casos de infeção, pelo menos 129.100 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 100 mortes, mais 24 do que na véspera (+31,5%), e registaram-se 5.170 casos de infeções confirmadas, mais 902 casos em relação a sexta-feira (+21,1%).

Dos infetados, 418 estão internados, 89 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Continuar a ler

Desporto

UEFA tem vários planos para retomar competições

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A UEFA ainda não sabe quando é que a temporada de futebol pode ser retomada, depois da interrupção devido à pandemia da covid-19, com o presidente do organismo a explicar que existem vários planos que podem ser aplicados.

“Ninguém sabe quando é que a pandemia vai terminar. Temos um plano A, B ou C, e estamos em contacto com as ligas, temos um grupo de trabalho, mas temos de esperar como todos os outros setores”, disse Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, em entrevista ao jornal italiano La Repubblica.

O organismo que tutela o futebol europeu tem várias opções, mas Ceferin explicou que não pode existir um plano final, uma vez que a pandemia continua a evoluir.

“A temporada pode recomeçar em meados de maio, em junho ou fim de junho. Existe até uma proposta para terminar a época no início da próxima, que começaria mais tarde. Agora, sem saber quando a pandemia vai terminar, não podemos ter um plano final”, explicou.

A UEFA decidiu adiar o Euro2020 para 2021 e tem as suas competições suspensas, como é o caso da Liga dos Campeões e da Liga Europa.

Sobre a redução dos salários dos jogadores, o esloveno que lidera a UEFA desde 2016 afirmou que não existe “espaço para egoísmos” nesta situação, salientando que muitos jogadores estão de acordo.

Na entrevista, Aleksander Ceferin deixou também críticas à União Europeia na resposta à pandemia.

“Estou dececionado com a União Europeia. A Europa é dominada por um excesso de regras, está dividida e, por essa razão, é mais fraca. Não há solidariedade e é muito triste”, concluiu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito na sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde. Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Populares