Seguir o O MINHO

Braga

Tecnologia da Bosch ensina carros a voar

Solução permite controlar com precisão veículos voadores

em

Foto: Divulgação

A Bosch, empresa que tem uma das suas principais unidades no país em Braga, divulgou que está a trabalhar numa tecnologia que permitirá a utilização de táxis voadores que serão capazes de operar sem piloto.

A tecnologia será baseada em sensores de última geração para tornar estes voos especialmente seguros, confortáveis e eficientes.

“Os primeiros táxis voadores deverão sobrevoar os céus das principais cidades a partir de 2023. O objetivo é que a Bosch assuma um papel de liderança na formação deste mercado”, afirma Harald Kröger, presidente da divisão Bosch Automotive Electronics.

Marcus Parentis, chefe da equipa de tecnologia da Bosch. Foto: Divulgação

O Boston Consulting Group prevê que em 2030 sejam efetuados mil milhões de voos em todo o mundo, com recurso a táxis voadores, serviço que será prestado também pelas operadoras de car sharing.

Para ajudar a alcançar este objetivo, a Bosch descobriu uma lacuna no mercado. A tecnologia aeroespacial convencional é muito cara, volumosa e pesada para ser usada em táxis voadores autónomos. No entanto, sensores modernos que também são usados para condução autónoma ou no sistema anti derrapagem ESP podem ter o potencial para preencher esta lacuna. Nesse sentido, uma equipa de engenheiros reuniu dezenas de sensores para criar uma unidade de controlo universal para táxis voadores.

Tecnologia Bosch para táxis voadores

Com recurso a sensores Bosch, já em uso em veículos de produção, a unidade de controlo universal é projetada para garantir a capacidade de determinar a posição dos táxis voadores de forma instantânea e constante, permitindo o seu controlo com precisão e segurança. Os sensores de aceleração e taxa de viragem, que medem os movimentos dos veículos voadores e o ângulo de ataque, são alguns dos exemplos de sensores que permitem recolher e analisar os dados necessários para que isso aconteça.

Ao contrário dos atuais sistemas de sensores disponíveis na indústria aeroespacial, que custam dezenas de milhares ou mesmo centenas de milhares de euros, a Bosch consegue desenvolver a sua solução por uma fração do custo. Isto deve-se ao facto da empresa usar sensores testados em produção, que são também empregues na indústria automóvel há muitos anos.

“Através da solução da Bosch, pretendemos tornar a aviação civil com táxis voadores acessível a uma vasta lista de fornecedores”, afirma Marcus Parentis, chefe da equipa de tecnologia da Bosch responsável pelas unidades de controlo incorporadas neste veículo.

Além disso, os sensores da Bosch são especialmente pequenos e leves. Os fabricantes de táxis voadores podem instalar facilmente este componente Bosch nos seus veículos aéreos, utilizando o princípio plug-and-play.

Mobilidade partilhada no ar: Mil milhões de voos em táxis em 2030

O mercado de voos com recurso a táxis aéreos elétricos, nos grandes centros urbanos, deverá registar um crescimento substancial nos próximos anos. Os voos de teste estão programados para começar em cidades como Dubai, Los Angeles, Dallas e Singapura em 2020. Os especialistas esperam que as operações comerciais iniciem em 2023.

Foto: Divulgação

Embora os primeiros voos ainda recorram a um piloto, estas aeronaves podem começar a voar autonomamente já em 2025, controlados por operadores à distância pessoal. Por esta altura, cerca de 3.000 táxis voadores estarão a operar em todo o mundo, segundo Roland Berger. Este número aumentará para 12.000 até 2030, com pouco menos de 100.000 táxis voadores previstos até 2050.

Consultores da Morgan Stanley estimam que o negócio de táxis voadores possa chegar aos 1,35 biliões de euros (1,5 biliões de dólares) até 2040, atingindo os mercados dos Estados Unidos e sudeste Asiático, mas também outras cidades da Europa de grande e média dimensão. Marcus Parentis acredita também nas crescentes oportunidades de mercado: “Estamos em conversações com fabricantes da indústria aeroespacial, envolvidos no desenvolvimento de táxis aéreos, bem como com empresas da área automóvel que estão a iniciar o fabrico de veículos aéreos e que acreditam igualmente em serviços de partilha. “A questão não é se os táxis voadores se tornarão realidade, mas antes quando”.

Anúncio

Braga

Braga: Concurso de fotografia sobre o Bom Jesus com mais de 50 inscritos

Concurso Municipal de Fotografia

em

Foto: Divulgação / CM Braga

O Bom Jesus do Monte – Património Mundial da Humanidade é o tema do XVI Concurso Municipal de Fotografia que se realiza nos próximos dias 13, 14 e 15 de dezembro, anunciou, esta terça-feira, a Câmara de Braga.

Organizado pela autarquia, o concurso conta com cerca de 50 inscritos que são desafiados a fotografar o Bom Jesus do Monte. O concurso conta com o apoio dos Transportes Urbanos de Braga e da Confraria do Bom Jesus que irão assegurar o transporte dos concorrentes, quer de autocarro, quer de funicular.

O concurso incluirá a habitual exposição pública, a inaugurar em fevereiro de 2020 na Fonte do Ídolo, e na qual estarão patentes os trabalhos premiados pelo júri, bem como uma fotografia de cada um dos concorrentes, nos termos do regulamento do concurso.

O tema proposto visa reconhecer e homenagear a atribuição do Santuário do Bom Jesus do Monte a Património Cultural Mundial da UNESCO, bem como “estimular o interesse, a sensibilidade dos concorrentes em particular e dos turistas e cidadãos em geral, no que respeita ao seu valor histórico, artístico, cultural, religioso e paisagístico”.

Continuar a ler

Braga

Cervejeiros de Vila Verde lançam queijo de cabra maturado com cerveja

Cerveja Letra

em

Foto: Divulgação / Cerveja Letra

É já sabido que a Cerveja Letra tem por hábito desenvolver cervejas com diferentes aromas e sabores, e muitas delas feitas em parceria com outras marcas. Desta vez a marca de cerveja minhota lança um queijo, mas não é um queijo qualquer, é um queijo 100% de cabra maturado com cerveja e revestido a lúpulo que é uma explosão de aromas e sabores.

Os engenheiros da cerveja, Francisco Pereira e Filipe Maceira, desafiaram a queijaria vila-verdense Lactimercados e desenvolveram, em conjunto, um queijo para os apreciadores de cerveja.

A ideia foi incorporar cerveja e a flor de lúpulo na formulação do produto. Foram realizados diversos ensaios e após 6 meses de investigação e desenvolvimento surge um queijo de cabra maturado com cerveja India Pale Ale – Letra F, conhecida por ser mais amarga e aromática.

O cervejeiro e sócio fundador da cerveja Letra, Filipe Macieira, afirma que “este queijo é por si só uma experiência sensorial única. Primeiro destaca-se pelo aspecto verde da sua casca devido ao uso da flor de lúpulo, e quando se abre a embalagem sente-se de imediato um intenso aroma frutado e floral do lúpulo”.

A marca refere que se trata de um produto único no país e, uma vez que só foram produzidos 200 quilogramas, o mesmo é muito exclusivo.

A Lactimercados é uma empresa sediada em Vila Verde que produz os queijos da marca Quinta dos Moinhos Novos, que venceu prémios de melhor queijo português de 2019, nas categorias de queijo de cabra de cura prolongada e queijo de mistura de cura normal respetivamente.

Francisco Pereira, sócio fundador, salienta que “a época natalícia é muito importante para a empresa, e o foco passa por apresentar aos clientes e adeptos da marca experiências de consumo únicas com diferentes produtos onde a cerveja é o ingrediente chave. Alguns destes produtos são únicos no país, ideias que trouxemos das nossas viagens pela Europa, como deste queijo de cabra com cerveja e lúpulo, as bolachas feitas com resíduos de malte cerveja, o Hoppy Gin (gin destilado da nossa IPA – LETRA F em parceria com a marca Valley Gin) e ainda um folar doce feito com a cerveja Oatmeal Stout – Letra C em parceria com a Casa do Folar Limiano de Ponte de Lima”.

A Letra quer estar presente neste Natal, seja à mesa da consoada ou por baixo do pinheiro como presente para oferecer a amigos ou familiares. Produtos que os adeptos e consumidores da marca poderão encontrar online ou nos espaços Letraria (Braga, Porto ou Vila Verde) ou nas diferentes lojas pop-up que a marca apresenta em centros comerciais da região (Braga Parque, MarShopping e Parque Nascente).

Continuar a ler

Braga

Agente da Polícia Municipal de Braga agredida por mulher à porta do hospital

Após ordem de retirada de viatura

em

Foto: DR / Arquivo

Uma agente da Polícia Municipal de Braga terá sofrido agressões, esta terça-feira, à porta do Hospital de Braga, avança o Jornal de Notícias.

De acordo com a mesma fonte, a agente terá sido agredida, por uma mulher, na sequência de uma ordem de trânsito.

A alegada agressora integrava um grupo, a quem foi ordenada a retirada de uma viatura na rotunda de acesso às visitas, ordem que não terá sido cumprida.

A vítima acabou por ser assistida nos serviços de urgência do hospital.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares