Seguir o O MINHO

Desporto

Tamila Holub diz “goodbye” América e “konnichiwa” Tóquio

Adeus/Olá

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

A multi medalhada nadadora Tamila Holub não vai regressar aos Estados Unidos despendendo o seu foco e concentração na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio. A atleta do SC Braga faz uma pausa na formação académica para melhorar tempos e conseguir estar na melhor forma aquando das provas olímpicas.

Muito focada, competitiva e trabalhadora. São as três características que a nadadora bracarense aponta como factores para o sucesso. Por isso, o principal objectivo está traçado: “melhorar as marcas pessoais. Em 1500 metros, posso melhorar substancialmente”. Um dos segredos na preparação está na mistura dos ensinamentos que trouxe de dois anos nos Estados Unidos com a resiliência de ser português.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Nascida na Ucrânia, Tamila vem para Portugal com três anos. “A situação não era estável, economicamente, como não é ainda hoje, e os meus pais decidiram que era o mais correto vir para um país melhor. Sem familiares por cá, foi por intermédio de um amigo que escolheram Portugal e “calhou bem”.

O regresso ao país Natal acontece de quatro em quatro anos, de férias: “evolução não tenho visto nenhuma, pelo contrário”.

Primeira prova nacional: Ponte de Lima

A natação surgiu na vida de Holub porque tinha muitos problemas respiratórios e “os meus pais acharam que era a melhor opção. Comecei com seis anos nas piscinas de Maximinos e o treinador de lá mandou para a Rodovia. Como os meus pais eram altos, eu dava um salto e já ficava no meio da piscina, ele tinha muita atenção para comigo, viu que eu dava para alguma coisa e mandava as crianças que podiam competir para a Rodovia”.

A pré-competição começou entre os 8 aos 10 anos. A primeira prova foi em Ponte de Lima mas Tamila não se lembra bem da competição em si: “lembro-me de me terem dado o equipamento do SC Braga, que era todo lindo, e eu cheguei a casa, toda vaidosa, a mostrar o novo equipamento”.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Quando foi convocada pela primeira vez para uma selecção nacional, em pré-júnior, tinha 13 anos. “Eu nadava muito mal”, reconhece hoje. “O bom dos estágios é que há vários treinadores com técnicas e ideias diferentes, eu dava cinco braçadas e alguém me parava para dar indicações. Lembro-me de ter sido um estágio muito duro, de andar sempre dorida mas foi aí que comecei a aprender a gostar”.

Primeira prova internacional: Polónia

Foi depois da primeira prova internacional na Polónia, em 2013, onde ficou em primeiro e segundo que lhe caiu a ficha: “percebi que queria ir a todas as competições internacionais que pudesse, em 400 e 800 metros”.
A escolha de distâncias mais longas encaixa no perfil da natação do SC Braga. “Não temos uma escola muito especializada de sprinters. Calhou porque tinha a capacidade de aguentar treinos longos sem me queixar muito. Nunca gostei de nadar estilos porque tinha mariposa e eu nem quero ouvir falar em mariposa. Gosto de crawl e posso fazer três horas de treino neste estilo”.

Tamila é a confirmação que atleta de alta competição não tem vida pessoal, “é inexistente para quem leva a natação a sério”. E em termos de estudos as coisas também não são fáceis. “Até ao nono ano basta estar atento nas aulas e estudar um pouco, acabei com cincos’s. Já no 10º, 11º, 12º, onde é preciso estudar em casa, e nós no Braga temos treinos tardios a acabar às 22h00, chegamos a casa, jantamos e não vamos fazer os trabalhos de casa e aí custa muito”.

Estados Unidos

Para preparar os jogos olímpicos de 2016 tomou a decisão de parar os estudos. Era ano de exames nacionais, tinha uma média boa mas “sabia que olímpicos são de quatro em quatro anos e exames nacionais há todos os anos. Prometi a mesma que ia dar o máximo, felizmente correu bem”.

A opção de ir para os Estados Unidos surgiu depois dos Jogos Olímpicos e houve um factor a pesar na decisão: “em Portugal não querem saber de desporto a não ser futebol, e estou a falar dos dirigentes e dos media, houve quem viesse de provas de alto nível e nada… as pessoas esquecem-se que a este nível um oitavo lugar é extraordinário e isso acontece por falta de conhecimento da modalidade, sobretudo. A federação tem um canal que transmite as provas em directo e as pessoas nem sabem”.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

A fundista teve cinco propostas de universidades americanas, Alabama, Nevada, New Jersey, Louisville, North Carolina acabando por ser esta a escolhida: “foi a única que me deu todos os contactos, podia falar com todos os atletas por skype. Uma coisa é haver treinadores a dizer que a sua universidade é a melhor, outra é falar com os atletas e esta tinha muitos internacionais. Por outro lado, era a que tinha melhor classificação a nível nacional e a nível universitário igual”.

Tamila ia treinar junto da terceira melhor fundista dos Estados Unidos e, assim, “eu tinha alguém que puxasse por mim. A experiência foi muito positiva: aprendi a fazer ginásio, finalmente, a fazer dry land, fora de água, tecnicamente têm um trabalho incrível que nós nem temos a noção que existe”.

Outras das particularidades prende-se com um “enorme” espírito de equipa, a existência de muitas actividades e “é mais fácil conciliar com os estudos do que em Portugal”.

Goodbye América

No entanto, havia situações que começaram a não estar em consonância com os objectivos de Tamila Holub. “Estava melhor em piscina curta, mas não estava a melhor os meus tempos em piscina longa. Eles treinam em piscinas de 25 metros mas depois as provas são em piscinas de 50 metros tal como nos jogos. Apesar de estar a melhorar em piscina curta não me interessava muito”.

https://www.instagram.com/p/B0LhqjLAknJ/

Por outro lado, sentia que “estavam interessados em mim mais para ajudar as outras raparigas a evoluir porque era a mais forte do que me fazerem evoluir a mim” mas trouxe uma aprendizagem: “eles conseguiram mostrar-me que uma fundista pode fazer treino em velocidade, desde que queira e tenha força de vontade”.

Com mais dois anos de bolsa, a bracarense vai ficar por cá este ano e depois vai decidir que caminho quer tomar: “as equivalências não são muitas. Quero seguir Medicina e acho que consigo fazer isso em Portugal”.

‘Konnichiwa’ Tóquio

A preparação para os próximos jogos olímpicos, em Tóquio, já começou, “estou à espera de melhores resultados porque a primeira vez foi mais de participação”, e os objectivos traçados: “top 16 seria muito positivo. Só tenho mínimo para os 1500 mas sinto que consigo ter mínimos nos 800 metros”.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Quatro vezes campeã nacional (200, 400, 800 e 1500 metros), Tamila conta a odisseia da participação nestes campeonatos que decorreram na Madeira. “Foi direta da Coreia do Sul onde se realizaram os Mundiais para a Madeira e na primeira prova de 200 metros não estava a sentir muito bem. Por isso foi a vitória mais inesperada de todas”.

Na preparação para os jogos nipónicos irã verter alguns ensinamentos americanos, sobretudo, trabalho fora de água.

“Estou a trabalhar com o meu treinador para ver se conseguimos implementar algumas destas ideias nos mais novos”.

Luís Cameira

O treinador é Luís Cameira, uma referência na modalidade e de extrema importância na carreira da fundista. “Não teria alcançado vários dos feitos se ele não me tivesse dado confiança, tirado dúvidas. Está sempre a lembrar-me dos meus feitos que eu tenho tendência a esquecer”.

Um das maiores frustrações da carreira aconteceu nas vésperas dos jogos europeus da juventude em Minsk, corria o ano de 2015. Tamila era a favorita em todas as provas onde ia participar. “Fui participar numa prova pequenina em Madrid, para ver o estado de forma e tive uma apendicite. Estava inscrita nos rankings em primeiro e em segundo e por causa disso não fui! Foi frustrante. Mas não podemos pensar no que correu mal senão não saímos do sítio, temos que olhar para a frente”.

https://www.instagram.com/p/B3NcEkUgT9v/

E o futuro é já ali e, por isso, há marcas a melhorar: “em 1500 metros posso fazer substancialmente melhor”. Com 16:20 a ideia é fazer abaixo dos 16:15 actual recorde nacional. “Bater o recorde? Querendo tudo é possível!”.

Nos 800 metros “é mais complicado mas tenho que ir atrás do recorde nacional que está próximos dos mínimos A”. Porque como diz um provérbio japonês: ‘Com pequenas batidas uma grande árvore é derrubada’.

Anúncio

Futebol

Estádio do Rio Ave aprovado para receber jogos na retoma da I Liga

Covid-19

em

Foto: Divulgação / Rio Ave FC (Arquivo)

O Estádio do Rio Ave, em Vila do Conde, foi aprovado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) para receber jogos na retoma da I Liga portuguesa de futebol, anunciou hoje a LPFP.

O organismo também confirmou aprovação do recinto do Desportivo das Aves, entretanto já divulgada pelo clube, elevando para 14 os estádios autorizados a receber desafios no regresso do campeonato, a partir de 03 de junho.

No caso do estádio dos vila-condenses, a aprovação surgiu após uma vistoria realizada esta manhã, pela Administração Regional de Saúde do Norte, que emitiu parecer favorável, após verificar as intervenções feitas pelo clube.

O Rio Ave procedeu ao aumento da área de um dos balneários para respeitar a distância de segurança de 4 metros quadrados por atleta, colocação de sinalética, instalação torneiras automáticas e à revisão do sistema de ventilação de todos os espaços.

“Sempre foi, desde o primeiro instante, intenção do Rio Ave jogar no seu estádio, pois tínhamos a certeza de que reunimos todas as condições para o trabalho diário como para toda a operacionalização nos dia de jogo, em condições de segurança, a todos os níveis, para atletas, treinadores, médicos e staff”, manifestou o clube vila-condense no seu site oficial, após receber a notícia da aprovação do recinto.

No caso do estádio do Desportivo das Aves, a aprovação já tinha sido anunciada pelo clube na sexta-feira, mas só hoje foi ratificada publicamente pela LPFP, que ressalvou, no entanto, que fica “impedida a utilização do sistema de ar condicionado na zona técnica”.

Além dos recintos do Rio Ave e Desportivo das Aves, foram já aprovados pela DGS o Estádio da Luz (Benfica), Estádio do Dragão (FC Porto), Estádio José Alvalade (Sporting), Estádio D. Afonso Henriques (Vitória SC), Estádio João Cardoso (Tondela), Estádio do Marítimo, Estádio Municipal de Braga, o Portimão Estádio, a Cidade do Futebol (FPF), o Estádio Capital do Móvel (Paços de Ferreira), Estádio Cidade de Barcelos (Gil Vicente) e o Estádio do Bessa (Boavista).

O Estádio do Bonfim (Vitória de Setúbal) ainda aguarda por nova inspeção para ser avaliado um conjunto de correções indicadas pela DGS como necessárias para aprovação do recinto.

No plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, o Governo autorizou a realização à porta fechada dos 90 jogos da I Liga, que deve será reatada a 3 de junho e é liderada pelo FC Porto, com um ponto de vantagem sobre o campeão Benfica, e da final da Taça de Portugal, entre ‘dragões’ e ‘águias’, tendo excluído a continuidade da II Liga.

Os campeonatos de França, Países Baixos, Bélgica e Escócia foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso gradual à competição, como Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, depois de a Liga alemã ter sido retomada

Continuar a ler

Futebol

“Temos 10 jogos e temos de os encarar como 10 ‘finais'”

Davidson, Vitória SC

em

O extremo Davidson, do Vitória SC, afirmou hoje que as derradeiras 10 jornadas da I Liga portuguesa de futebol são como 10 ‘finais’ para o clube minhoto, que deseja apurar-se para a Liga Europa da próxima época.

Após a interrupção anunciada em 12 de março, devido à pandemia de covid-19, o campeonato vai ser reatado em 03 de junho e decorrer até 26 de julho, com a equipa vitoriana, sexta classificada, com 37 pontos, a precisar de subir a um dos cinco primeiros lugares até ao final da época, para alcançar essa meta.

“Temos objetivos, lançados no início da época. Estávamos num momento muito bom, nas infelizmente aconteceu a paragem. Temos 10 jogos e temos de os encarar como 10 ‘finais’, para conseguirmos bons resultados e alcançarmos o apuramento para a Liga Europa”, realçou o jogador brasileiro, num vídeo divulgado pelos vimaranenses, na rede social Facebook.

O primeiro adversário nessa série de “finais” é o Sporting, num duelo da 25.ª jornada agendado para 04 de junho, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, e Davidson assumiu o objetivo de vencer uma equipa que ocupa o quarto lugar, com 42 pontos, e que vai “atacar o máximo possível” para “marcar golos e tentar a vitória”.

“Vai ser um jogo difícil e muito importante, mas jogamos em nossa casa, e é importante vencer em casa. Temos condições para vencê-los. Já mostrámos ter condições para bater-nos com todas as equipas da I Liga”, salientou.

À semelhança de todos os outros jogos da I Liga por disputar, o embate entre vitorianos e ‘leões’ vai realizar-se sem público nas bancadas, condição que, para o ala, de 29 anos, vai obrigar os atletas a estarem “ainda mais focados e concentrados”.

Autor de 10 golos em 37 jogos oficiais na época 2019/20, Davidson realçou que o plantel treinado por Ivo Vieira, face ao “regresso já próximo”, tem trabalhado para “voltar bem”, apesar de “não estar ainda a 100% fisicamente”.

O futebolista, que, em Portugal, representou também Sporting da Covilhã e Desportivo de Chaves, mostrou-se também satisfeito pelo regresso, na semana passada, aos treinos coletivos, situação que deixou de ser “normal” face ao surto do novo coronavírus.

“Estar ao lado dos colegas de equipa e poder treinar, trabalhar e desfrutar é muito bom. É muito bom voltar a fazer o que mais se gosta, mesmo com as restrições”, confessou.

Continuar a ler

I Liga

Pedro Proença quer jogos da I Liga em sinal aberto

Covid-19

em

Pedro Proença. Foto: DR / Arquivo

O presidente da Liga de Clubes, Pedro Proença, afirmou hoje que os restantes jogos da I Liga de futebol devem ser transmitidos em sinal aberto, devido à pandemia da covid-19, e revelou que apresentou essa proposta ao Governo.

“Sabemos que os jogos vão ser à porta fechada e que o público não pode aceder. Aquilo que queremos e tentámos potenciar foi que a entidade governamental pudesse de alguma forma injetar dinheiro nos canais generalistas, para que pudessem adquirir conteúdos junto das operadoras. Assim, as operadoras seriam ressarcidas e poderiam pagar os clubes, fechando este ciclo”, afirmou Pedro Proença.

O dirigente máximo da Liga falava aos jornalistas, após uma reunião na Câmara Municipal do Porto com o presidente Rui Moreira.

“É também uma forma de não ter aglomerados à volta dos estádios e assim também proteger as famílias”, acrescentou o antigo árbitro.

Questionado sobre a sua continuidade à frente do organismo, com Benfica e Cova da Piedade a abandonarem recentemente a direção da Liga, Pedro Proença lembrou que o “importante agora é retomar as competições”.

“Fui reeleito há um ano com 96%. É um momento muito difícil para muitos clubes que estão em sérias dificuldades e necessitam de retomar a sua atividade profissional. Aceitamos com naturalidade as críticas, numa altura que é preciso tomar decisões difíceis. A Liga é dos clubes e o presidente da Liga estará enquanto os clubes quiserem”, frisou.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França e dos Países Baixos foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede na Alemanha, Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 04 de junho.

A II Liga ficou de fora da autorização dada pelo plano de desconfinamento do Governo e da Direção-Geral da Saúde para a conclusão da I Liga e da Taça de Portugal de futebol.

Continuar a ler

Populares