Seguir o O MINHO

Alto Minho

Suspensa pesca da lampreia nas pesqueiras na margem portuguesa do rio Minho

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A capitania de Caminha anunciou hoje a suspensão da pesca da lampreia nas pesqueiras da margem portuguesa do Troço Internacional do Rio Minho e alertou que o incumprimento da decisão, decorrente da pandemia da covid-19, configura crime de desobediência.


Em comunicado enviado às redações, o capitão do porto e comandante da Polícia Marítima (PM) de Caminha, Pedro Costa, adiantou que “os patrões das pesqueiras (estruturas antigas, em pedra, existentes no rio), licenciadas para a pesca, terão até às 07:00 horas do dia 26 [quinta-feira] para recolher todas as suas artes de pesca, período a partir do qual a fiscalização procederá à sua apreensão”.

Pedro Costa, que preside à delegação portuguesa da Comissão Permanente Internacional do Rio Minho, alerta que o incumprimento daquelas decisões, “bem como a não observância das ordens legítimas da PM, poderá configurar o crime de desobediência”.

A suspensão da pesca da lampreia nas pesqueiras existentes na margem portuguesa do Troço Internacional do Rio Minho abrange a área que se situa “entre a linha que passa pelas torres do Castelo de Lapela (Portugal) e pela igreja do Porto (Espanha) e o limite superior da linha fronteiriça”.

Fronteira natural entre os dois países, o rio Minho concentra no Alto Minho, entre a torre da Lapela, em Monção, e o concelho vizinho de Melgaço, num percurso de cerca de 35 quilómetros, mais de 600 pesqueiras. Na Galiza, as “engenhosas armadilhas” da lampreia, do sável, da truta, do salmão ou da savelha são em “menor número”, estimando-se que, no total, “existirão mais de mil”.

Desde a foz do rio Minho, em Caminha, até Melgaço, o peixe vence mais de 60 quilómetros, numa viagem de luta contra a corrente que termina, para alguns exemplares, em “autênticas fortalezas” construídas a partir das margens, “armadas” com o botirão e a cabaceira, as “artes” permitidas para a captura das diferentes espécies.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 400 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 18.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, há 33 mortes, mais 10 do que na véspera, e 2.362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 302 novos casos em relação a segunda-feira (mais 14,7%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Anúncio

Alto Minho

Carro cai em ribanceira e faz um ferido em Arcos de Valdevez

Acidente

em

Foto: Facebook de Bombeiros de Arcos de Valdevez

Um jovem de 23 anos sofreu ferimentos na sequência de um despiste seguida de queda em ribanceira, ao início da noite deste domingo, em Arcos de Valdevez.

O sinistro ocorreu na EN 202, no lugar de Casal Diogo, freguesia de Souto, mobilizando os Bombeiros de Arcos de Valdevez com nove operacionais e duas viaturas.

Foto: Facebook de Bombeiros de Arcos de Valdevez

Apesar do aparato da queda, a vítima sofreu ferimentos ligeiros e foi transportada para o Hospital de Santa Luzia, em Viana.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Alto Minho

Direção de lar em Caminha confirma morte de utente associada à covid-19

Covid-19

em

Foto: DR

O Centro Bem-Estar Social de Seixas, em Caminha, onde já foi registada uma morte devido à covid-19, e onde permanecem 30 utentes infetados, pediu ajuda à Segurança Social devido à “exaustão” dos funcionários, disse hoje o diretor da instituição.

“Aguardamos que a Segurança Social cumpra a promessa de por aqui uma equipa de intervenção composta por auxiliares e enfermeiros. Estamos confiantes nesse áspero. Se não for amanhã [segunda-feira], será terça-feira. A Cruz Vermelha, que é quem está a agilizar essas equipas de intervenção, já nos confirmou essa disponibilidade. Apenas têm de ser ultrapassados alguns constrangimentos”, disse à Lusa o presidente da direção da instituição, Manuel Vilares.

Em causa está um lar onde ocorreu uma morte associada ao surto do novo coronavírus na sexta-feira, de acordo com informação só confirmada hoje pela direção da instituição. A utente em questão tinha sido hospitalizada depois de uma queda e acabou por morrer por dificuldades respiratórias no hospital.

Quanto a utentes infetados, de acordo com a atualização feita hoje por Manuel Vilares, “permanecem 30 na instituição” e nove funcionários também infetados estão em isolamento em casa.

De um total de 97 testes realizados ao universo do lar, o diretor salvaguardou que “pelo menos um permanece inconclusivo”.

Manuel Vilares referiu, ainda, que o Centro Bem-Estar Social de Seixas tem atualmente quatro utentes hospitalizados no Hospital de Viana do Castelo, três dos quais infetados e um quatro “devido a sintomatologia ligada a outras patologias”.

Esta instituição do concelho de Caminha acolhe 52 utentes e tem 45 funcionários.

Sobre o reforço de equipas vindas de fora, Manuel Vilares explicou à Lusa que aguarda confirmação uma vez que “só poderão entrar com um teste negativo, algo que está a revelar-se complicado devido ao fim de semana e ao feriado de amanhã [segunda-feira, 05 de outubro, Implantação da República]”.

“Essa é a nossa única condição e compreendem-na. Também poderá ser necessário ultrapassar outros constrangimentos ligadas a condições de descanso e refeições, mas isso nós estamos empenhados em tratar”, referiu o responsável.

Manuel Vilares contou que Seixas não tem espaços hoteleiros, sendo uma freguesia que fica a cerca de quatro quilómetros de Caminha, sem grande afluência de transportes.

“Mas temos um albergue [dedicado a peregrinos do Caminho de Santiago] que tem condições para garantir períodos de descanso. Também facultaremos as refeições, naturalmente. Estamos todos, nós e outras entidades, a tentar agilizar a vinda da ajuda porque as equipas do lar estão exaustas”, descreveu.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e trinta mil mortos e mais de 34,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.005 pessoas dos 79.151 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Mulher encontrada em estado de decomposição em casa em Viana

Óbito

em

Foto: DR

O corpo de uma mulher, com cerca de 80 anos, foi encontrado ao início da tarde deste domingo numa habitação no centro histórico de Viana do Castelo, em estado de decomposição.

Ao que apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros, a vítima estaria “há vários dias” morta em casa sem que ninguém desse por ela.

Uma vizinha, que estranhou já não a ver desde o início da semana, alertou os serviços de emergência por considerar que algo de estranho se passava.

Uma ambulância de socorro dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo deslocou-se ao local para dar assistência à vítima, mas já nada havia a fazer, pois apresentava já vários sinais de decomposição cadavérica.

Para remover o cadáver, foi necessária a utilização, por parte dos bombeiros, de equipamento de respiração adequada a incêndios, face ao intenso odor a cadáver que se fazia sentir dentro de casa.

O MINHO sabe que alguns familiares acorreram ao local, acompanhados por agentes da PSP daquela cidade.

Vizinhos indicaram que a mulher vivia sozinha naquela habitação.

A falecida foi transportada para o gabinete médico-legal de Viana do Castelo.

Continuar a ler

Populares