Seguir o O MINHO

País

Suspeitos do homicídio de filho de ex-PJ admitiram crime em tribunal

em

Os três arguidos acusados da morte de um jovem, em dezembro de 2019, no Campo Grande, em Lisboa, admitiram hoje o crime em tribunal, tendo dois deles dito que tentaram socorrer a vítima.

Na sessão de hoje, no Campus da Justiça, no Parque das Nações, o principal suspeito reafirmou ter utilizado uma faca de cozinha, que largou num caixote do lixo público no Campo Grande.

Os três são acusados da morte de um jovem, filho de um antigo inspetor da Polícia Judiciária (PJ), na noite de 28 de dezembro, quando saia de um restaurante de ‘fast-food’ no Campo Grande.

De acordo com as declarações prestadas hoje em tribunal, os três arguidos abordaram a vítima para lhe roubaram o telemóvel, mas o jovem reagiu ao assalto, o que terá levado um deles a atingi-lo com uma arma branca.

Dois dos suspeitos disseram ao coletivo de juízes que tentaram socorrer a vítima, enquanto o principal suspeito terá fugido.

Em julho, o Ministério Público (MP) acusou os três jovens do homicídio do filho de um antigo inspetor da PJ, na altura com 24 anos.

Os arguidos estão acusados de 14 crimes, entre homicídio, roubo, ofensas à integridade física e crimes de dano.

De acordo com a informação disponível na página da Procuradoria-Geral Regional de Lisboa (PGDL), dos três acusados pelo homicídio do filho do antigo inspetor da PJ, um está igualmente acusado de um crime de ofensa à integridade física simples, um crime de dano, oito de roubo agravado e cinco de roubo simples, outro deles está acusado de nove crimes de roubo agravado, três de roubo simples e um de tráfico de droga e o terceiro de oito crimes de roubo agravado, quatro de roubo simples e um de recetação.

Segundo a PGDL, um outro homem, que atuava com os três arguidos, não foi acusado de homicídio, mas foi acusado do crime de recetação, no âmbito de diversos roubos que o grupo terá levado a cabo entre 19 de outubro e 28 de dezembro do ano passado, nas zonas de Sintra e Lisboa.

Os três arguidos tinham 16, 17 e 20 anos de idade na altura do crime.

Populares